A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

30/04/2014 16:24

Rejeitado por presos, acusado de matar bebê é transferido de presídio

Mariana Lopes
Rogério foi preso em flagrante por homicídio (Foto: S.Bronka)Rogério foi preso em flagrante por homicídio (Foto: S.Bronka)

Em menos de 12 horas, o ex-presidiário Rogério Avelino, 31 anos, que foi preso acusado de matar o enteado, de um ano e meio, precisou ser transferido para o presídio de Dourados. Ele estava detido na 1º Delegacia de Polícia Civil, mas foi rejeitado na cela pelos outros presos.

Veja Mais
Bebê morre depois de ser derrubado de cama pelo padrasto
Marido agride mulher e tenta se enforcar em seguida, mas vai preso

Segundo o delegado titular da 1ª DP, Lupércio Degerone, os detentos queriam agredi-lo dentro da cela por causa do crime que ele está sendo acusado de ter cometido. Ainda na manhã de hoje, ele foi transferido para a Penitenciária Harry Amorim Costa.

“Os presos não aceitaram o cara no meio deles, porque ele está  (sendo) acusado de ter matado uma criança, e queriam agredi-lo, então, para evitar mais problemas, achamos melhor transferi-lo”, explica o delegado.

Ainda conforme o delegado, geralmente as transferências são feitas duas vezes na semana, e, por coincidência, uma delas já estava marcada para hoje. “Aproveitamos para leva-lo para o presídio”, comenta Degerone.

Caso – Rogério é acusado de ter matado o enteado na noite de ontem. Segundo relatos da mãe da criança, de um ano e meio, ela saiu para ir ao mercado e quando voltou o filho estava desacordado. O bebê tinha ficado sob a responsabilidade de Rogério.

O acusado disse à polícia que bateu na criança porque ela não parava de chorar. Ele disse ainda que tentou reanimar o enteado fazendo respiração boca a boca, mas sem sucesso.

Testemunhas - No total, a polícia intimou sete testemunhas, mas até o momento três foram ouvidas, as quais o delegado considera as principais, sendo elas a mãe da criança, o policial que atendeu a ocorrência e uma vizinha. Ainda serão ouvidos outros moradores da rua onde o mora a família para.

Segundo delegado, o depoimento desses outros vizinhos será importante para identificar se a criança sofria agressoões constantes e como era o relacionamento entre o casal.

O inquérito foi encaminhado para a 2ª Delegacia de Polícia Civil de Dourados, onde dará sequência às investigações.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions