A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 25 de Fevereiro de 2017

12/12/2011 09:54

Relatório da Funai reconhece como indígena área de 12 mil ha em MS

Marta Ferreira

Terra guarani-kaiowá Panambi-Lagoa Rica fica entre Douradina e Itaporã, no Sul do Estado, regiao que concentra conflitos por terras.

Foi publicado hoje pela Funai (Fundação Nacional do Índio) o relatório antropológico identificando como terra indígena guarani-kaiowá uma área de 12, 1 mil hectares em Douradina e Itaporã, no Sul do Estado. A terra Indígena Panambi-Lagoa Rica tem perímetro de 63km e, conforme o relatório, passa por mais de cem propriedades.

O relatório de identificação, iniciado em 2008, é um dos passos importantes para a homologação definitiva da terra como indígena. Mas o processo de retomada da área pelos índios é antigo e intensificou-se em 2005, quando eles ocuparam a área, depois saíram, após um acordo com os donos das propriedades.

Em maio deste ano, os guarani-kaiowá voltaram a ocupar parte das terras.

De acordo com o relatório feito pelo grupo coordenado pela antropóloga Katya Vietta, houve dificuldades para contatar os atuais titulares das terras, pois eles não receberam a equipe responsável pelo estudo antropológico.

História-O documento informa que a aldeia Panambi-Lagoa Rica se constituiu na passagem da década de 1940-50, “em meio ao esbulho renitente concluído através da CAND (Colônia Agrícola Nacional de Dourados), instalada no Governo Getúlio Vargas, quando se instalaram às margens de lagoas e nascentes próximas ao córrego Panambi, ao noroeste da foz do Itaquiri."

Ao longo do texto, é feito o traçado histórico da ocupação da região, incluindo o uso terras pela Companhia Matte Larangeira, como se fossem devolutas, e de índios como mão de obra, registrados como se fossem paraguaios.

O relatório lembra que a população de guarani-kaiowá de Mato Grosso do Sul, hoje em 46 mil habitantes, ocupava toda a faixa de fronteira com o Paraguai quando do início da colonização da região, e foi sendo empurrada para áreas exíguas, perdendo território principalmente para a expansao agrícola.

Hoje a região é tida como o pólo mais nervoso do conflito por terras reivindicadas como indígenas no País, com um histórico de pobreza, abuso de álcool, alta mortalidade infantil, tráfico e consumo de drogas entre os indígenas, tudo isso em meio a ocorrências frequentes de casos de violência. O episódio mais recente, que chamou a atenção de organismos nacionais e internacionais de defesa dos direitos humanos, foi o ataque ao acampamento Guaiviry, em Aral Moreira, no dia 18 de novembro. Desde então, o líder Nísio Gomes, 59 anos, está desaparecido.

A comunidade afirma que ele foi executado e o corpo levado pelos pistoleiros. A Polícia Federal investiga o caso e já chegou a prender três suspeitos,que foram liberados. Não são fornecidos detalhes da investigação.

Apuração no HR conclui que não houve 'falha ética' em mortes no local
Uma investigação interna realizada pela direção do HR (Hospital Regional) de Ponta Porã - cidade localizada a 323 km de Campo Grande para apurar a mo...
Carreta da Justiça oferecerá serviços a partir do próximo dia 13
Carreta da Justiça, programa do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) que oferece serviços do judiciário de forma gratuita, chegará ao mun...



É preciso cada vez mais que se busque a transparencia nas ações indigenas.

Essa definição do Governo Federal é mais um passo pela paz e pelo respeito entre os povos irmãos de fronteira tirando Mato Grosso do Sul da figura de Estado que viola os direitos indigenas.

A Justiça é cega e lenta, mas ela sempre chega!

Viva o Brasil Indigena. Viva Mato Grosso do Sul!

 
Marcos Terena em 12/12/2011 12:13:21
querida prof.Evanize, gostaria de saber sua opinião t.bem sobre a mísera condição em que se encontram os indiginas depois que foram transferidos para terras demarcadas e, dos legitimos proprietarios dessas terras que, com certezam pertenceram tambem aos seus avós e , que. deve ser o seu pão de cada dia. ...porque somente eles?porque ,vamos combinar que o Brasil foi tomado dos indios do Oiapoque ao
 
lena azambuja em 12/12/2011 09:13:20
O que adianta devolver a terra ao indío e não dar condições para ele produzir, olha o quanto de terra que eles ja tem e a maioria são terras produtivas, mas cade os orgãos de assistencia a esse povo, vocês acham que os orgãos competentes vão dar assintencia para este povo plantar, vão nada a real situação e que este povo esta abandonado, a maioria deles n quer mais terras e sim uma assist digna.
 
paulo martineli em 12/12/2011 09:08:07
Parabéns ao grupo de trabalho, que com esforço e resistência e comprometimento conseguiu concluir esta tarefa auxiliando os indios e a Funai no processo de demarcação.
Que este trabalho abra o caminho para a resolução definitiva deste processo doloroso.
Parabéns a Antrópologa Katia Vieta e aos povos indígenas.
Evanize Professora de História.
 
Evanize de Barros Lima em 12/12/2011 07:19:48
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions