A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

22/09/2015 16:27

Secretário diz que Estado deve R$ 7,6 milhões para a saúde municipal

Pendências incluem repasses que deveriam ter sido feitos para o HU e convênio com a fundação que administra o Hospital da Vida

Helio de Freitas, de Dourados
Sebastião Nogueira durante reunião do Conselho de Saúde; secretário diz que hospitais estão sucateados (Foto: Eliel Oliveira)Sebastião Nogueira durante reunião do Conselho de Saúde; secretário diz que hospitais estão sucateados (Foto: Eliel Oliveira)

O secretário municipal de Saúde, Sebastião Nogueira, disse que o governo de Mato Grosso do Sul tem pendências de R$ 7,6 milhões com o município de Dourados em recursos que deveriam ter sido liberados para gastos com saúde pública.

Veja Mais
Presidente do Conselho de Saúde chora ao ouvir relatos sobre mortes de bebês
Má gestão é causa da crise nas prefeituras, diz presidente de conselho

Na reunião do Conselho Municipal de Saúde, realizada ontem, Nogueira apresentou uma relação dos débitos e disse que a falta de repasses não ocorre apenas neste governo, mas a pendência é um dos motivos para o sucateamento dos hospitais da Vida e Universitário. “Há 15 anos não se investe em saúde em Dourados”, reclamou.

De acordo com o secretário, do montante em atraso, R$ 3 milhões são do convênio firmado entre o Estado e a Funsaud (Fundação de Saúde de Dourados), que administra a UPA (Unidade de Pronto Atendimento Médico) e o Hospital da Vida, e R$ 350 mil são para atendimentos de ambulatório no HU (Hospital Universitário).

As demais pendências são despesas variadas, como incentivo à alta e média complexidade, recursos para saúde da família e outras receitas que deveriam ter sido destinadas pelo Estado ao município.

Faltam equipamentos – Sebastião Nogueira afirmou que a falta de recursos tanto estaduais quanto federais impedem investimentos em mais equipamentos. “No Hospital da Vida tem equipamento com mais de 30 anos, como o tomógrafo que é usado na unidade. A participação do Estado é mínima, se resume a 9% do que a saúde recebe em recursos federais, estaduais e municipais”, reclamou.

“Estamos devendo um milhão e poucos para o Hospital Universitário e isso ocorre porque não recebemos do Estado. De janeiro para cá o Estado tem feito o município de Dourados sofrer por falta de repasses”, afirmou Nogueira.

Culpou Nelson Tavares – Sebastião Nogueira culpou o secretário estadual de Saúde, Nelson Tavares, pelo atraso nos repasses: “Isso é obra e causa do atual secretário de Saúde, que quer vir tomar conta da saúde de Dourados. Para conseguir isso, quer nos apertar financeiramente. De R$ 1,4 milhão que tem que repassar por mês. O Estado repassou R$ 176 mil em julho, R$ 173 mil em agosto e 14 mil reais em setembro”.

Nogueira afirmou que dos R$ 500 mil que deveriam ser repassados mensalmente para o custeio da UPA (Unidade de Pronto Atendimento), conforme convênio assinado no governo anterior, o pagamento foi feito apenas nos três primeiros meses do ano. “O Estado deve de abril a setembro”.

Subfinanciamento – Sebastião Nogueira disse que por parte da União, o município com responsabilidade de atender outras 30 cidades sofre como subfinanciamento da saúde. “O Fundo Municipal de Saúde recebe R$ 5,4 mês per capita, enquanto Campo Grande recebe acima de R$ 14 e Corumbá R$ 8,8. Com isso falta dinheiro para os hospitais, para a cirurgia cardíaca e para a oncologia, por exemplo”.

HU não atende – O secretário afirmou que além da falta de mais recursos federais e estaduais, a crise da saúde pública em Dourados ocorre também por reponsabilidade do HU. “Por culpa da administração anterior, pois a atual tem feito tudo para melhorar os serviços”, disse Sebastião. A superintendente do HU, Mariana Croda, que assumiu o cargo no final de julho, também estava presente.

“De março de 2013 a agosto de 2014, fizemos descontos de R$ 16 milhões do Hospital Universitário por serviços pagos e não realizados. E isso vai impactar consideravelmente na situação financeira atual do hospital”, declarou Sebastião Nogueira.

Precisa de mais hospital – Ainda segundo o secretário, a fila por atendimento, principalmente por cirurgias eletivas, ocorreu porque a direção do hospital deixou de atender os pacientes. “Mas não adianta colocar a culpa só no HU. Precisamos de mais um hospital. Dourados atende 33 municípios e a toda hora chega pacientes de fora no Hospital da Vida, que, daquele tamanho, tem que atender a todos”.

Em janeiro deste ano, o governo do Estado cancelou a construção do Hospital Regional de Dourados, iniciada em novembro de 2014. Na época, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) afirmou que seu antecessor, André Puccinelli (PMDB), não deixou dinheiro garantido para a obra. O tucano já anunciou que vai retomar a obra, mas sem data prevista.

O Campo Grande News ligou para o secretário Nelson Tavares, mas ele não atendeu. Foi deixado recado em sua rede social, mas ele não retornou. O caso também foi informado à assessoria de imprensa do governo do Estado, que informou ter repassado para o assessor da Secretaria de Saúde e passaria as informações assim que tivesse um retorno, o que não ocorreu até às 16h.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions