A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 24 de Fevereiro de 2017


  • De olho na TV
  • De olho na TV

    com Reinaldo Rosa


22/01/2014 09:08

Visualização do futebol de MS

Reinaldo Rosa

AQUI E LÁ - É inegável o apoio da TV Morena e a capacidade do corpo de cronistas esportivos envolvidos na cobertura do campeonato sul-mato-grossense de futebol. Chamados times grandes de outras praças como Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul e Minas Gerais (para citar alguns) também não têm levado expressivos públicos aos estádios. Ainda a ressaca de fim de ano e encargos a serem pagos no período que se inicia também conta.

VOZ DA GERAL - Técnico do Comercial, Amarildo, em longa entrevista a jornal impresso da capital deu parecer - curto e grosso - sobre a falta de público nos estádios. "Faltam jogadores de expressão que possa empolgar o torcedor".

Senador Delcídio do Amaral nega-se a proporcionar ações de apoio "enquanto a atual diretoria (da FFMS) for mantida". Faça-se um balanço dos fatos registrados nos últimos anos; abra-se um painel de discussão e veja-se o norte a ser seguido. Simples assim.

CACHÊ - Tatá Werneck, a Valdirene de Amor à Vida, cobrava cachê de R$ 8 mil para participar de eventos particulares. Após se tornar a queridinha da emissora Global, o valor subiu para quarenta mil reais; por hora. Não respeitou o índice da inflação de 5,9% registrado no ano.

CACHÊ II - Michel Teló tentou impor cachê para músicos paulistas fazerem parte de suas apresentações. Com forte representação sindical, profissionais de Sampa, reagiram com solene 'essa mixaria você pode oferecer a músicos lá do pantanal'. A sugestão foi acatada e é o que acontece. Simples assim.

NÃO É COMIGO - Rachel Sheherazade, âncora do SBT Brasil Jornal SBT, se expressa de forma contrária ao que o poder central aprecia ouvir. Presidente Dilma Rousseff e seus ministros -além do ex-presidente Lula- não são poupados pelos editoriais da moça. A emissora do homem do baú sempre toma o cuidado de colocar na tela que a fala é de responsabilidade de Sheherazade.

VC NA COLUNA - "Assistindo o Fantástico, me chamou atenção matéria sobre o marido que tomou coragem e saiu pelo mundo tirando fotos com apenas uma saia de tule, para alegrar a esposa que passa por um câncer. São momentos assim que me emocionam porque só quem convive e vive com esta doença sabe a importância de ter um tratamento digno, humano e com muito amor. Realmente o Centro de oncologia (de Corumbá) não vai fechar, pois é um serviço credenciado pelo Ministério da Saúde, que, com orgulho, posso falar que nós voluntarias da Rede Feminina De Combate Ao Câncer Corumba-MS [1], ajudamos a trazer. A realidade é que já perdemos um oncologista e estamos na eminencia de perder mais um. E aí, como fica? Já temos outra equipe no município para substituir? Quem ficará responsável pelo serviço? O Hospital de caridade? Desculpa o desabafo; estou ficando cansada de esperar por decisões (oficiais)! Só quero lembrar que câncer não espera". (Luciana Candia)

VC NA COLUNA II - "Quanto ao tópico Rolezinho, eu só acho o seguinte: Pessoal, inclusive quem faz matéria esportiva, insiste em criticar o público no Morenão, mesmo com a força da crônica esportiva e os demais - permita-me chamá-los de colegas -. É verdade, o público é pequeno. Mas, no entanto, veja por favor, também os públicos nos demais campeonatos, a crise de público não é apenas aqui em Campo Grande especificamente. Pare com isso! Eu apanhei rapidamente aqui nas minhas informações: o público de Flamengo x AUDAX (grande AUDAX), foi de 10 mil pessoas; Fluminense x Madureira: 2.826 e Vasco x Boavista 5.763 e em Campo Grande tem uma população flutuante de pouco mais de um milhão de habitantes contra 6.320.436 mil pessoas, no Rio de Janeiro, e o público da Copinha? Fale disso também"! (Gilson Giordano)

R DO R - Prezada Monique Santos, errei. TV Guanandi é, de fato, com "i" no final e não "y". Por ser distinção indígena, a palavra é grafada com 'y'. Fui pela etimologia e, em relação à repetidora local da Band, dancei. Um abraço e continue prestigiando a coluna.

COMPARTILHANDO - "Trabalhar como jornalista é contar histórias. Carlos Arakaki e eu no clube União dos Sargentos, em Campo Grande, em plena terça-feira à tarde, gravando para o Viver Bem com Carmen Cestari. Lições de alegria e muita disposição com os casais que participam do Baile da Terceira Idade! Sensacional! A matéria vai ao ar na sexta, dia 24/01, às 10 da manhã. Vale a pena se contagiar com a energia desta moçada". Carmen Cestari

DESAFIO - Rede Feminina de Combate ao Câncer Corumbá-MS. [1]Se você é homem, entre nessa briga.

Links:
------
[1] https://www.facebook.com/pages/Rede-Feminina-De-Combate-Ao-C%C3%A2ncer-Corumba-MS/387701464664068

Programa resgata causos do futebol regional
CONTA OUTRA – O futebol sul-mato-grossense – graças a alguns – vive na história do torcedor local. Jogadores, dirigentes e técnicos estão no ‘Conto d...
Público dando um show no futebol de MS
QUEM NÃO AJUDA – Domingo de ‘Comerário’ no Morenão. Se dependesse apenas dos torcedores, o futebol de Mato Grosso do Sul teria vida longa no cenário ...
Caso da primeira-dama hackeada passou batido
EMPODERADO II – Talmir Nolasco, outro personagem histórico do rádio de MS, ‘deu um tempo’ aos microfones. Depois de atuar na campanha eleitoral do PS...
Rádio local disputa espaço com futebol na TV fechada
EMPODERADO – Personagem da história do rádio sul-mato-grossense, Nivaldo Mota atualmente dedica o talento em outras ondas. Em tempo real, entrevista ...



Reinaldo,

Sua coluna deveria ser diária e abordar mais a programação regional das emissoras de radio e tv. acredito na força do regionalismo e acredito também que o mercado publicitário deveria acreditar mais no potencial dos regionais, só assim eles poderão melhorar a qualidade. Chamo a atenção para o programa TPM da Band. Muito bem produzido e apresentado, com matérias muito bacanas. Abraços e sucesso.
 
marcele nunes em 22/01/2014 16:55:26
Oi anderson cavalheiro brasil - pessoal eu de novo! - Anderson em seu comentário logo acima vc dise que o campeonato está apenas começando, classificando os jogos - ao todo foram cinco partidas - como PÍFIOS. Certo.Concordo com vc.. mas meu amigo.. vc viu os jogos de outros Estados. Vou te refrescar, o Grêmio perdeu, o São Paulo perdeu.,.. ontem, o Santos empatou com o Audax,o Botafogo empatou com o Bangu.. ei carinha.. acorda.. a falta de talento não é apenas aqui no futebol do Estado. Isso éem todo o pais. Senão vejaoms os jogos da copinha onde não aparceu ninguem até o momento. Se for pra criticar, façamos uma critica no geral. Não apenas aqui no Estado, ora bolas!
 
Gilson Giordano em 22/01/2014 14:16:08
mudar o panorama e a imagem do futebol do estado é praticamente impossível!!!o que tem que mudar é tudo;a começar pela mentalidade e cultura da população do estado que prefere ficar embaixo de uma árvore o dia inteiro sem fazer nada a o ir no estádio assistir uma partida de futebol!!!é claro que a qualidade técnica das equipes e principalmente individual dos atletas é péssima,jogos sem lance algum de emoção,ninguém tenta dar um drible e a coitada da arbitragem que se sobressai com árbitros de escudo CBF atuando em jogos pífios;e olha que o campeonato só está começando...
 
anderson cavalheiro brasil em 22/01/2014 10:48:23
Eu "di" novo... quanto ao tópico SENADOR..não tenho a certeza, pois não participei da reunião, mesmo porque não fui convidado... mas me contaram que ano passado, quando o referido Senador que nunca ajudou o futebol do Estado nem quando foi da Petrobras - se não me falha a memória, mesmo porque ninguém o conhecia, ele nunca ajudou - queria a direção da FFMS a todo custo. Pasmes os senhores, NAQUELA OCASIÃO, a intenção dele era a de levar para a entidade PEDRO CHAVES, atual secretário do Prefeito que fechou o estádio Jacques da Luz. Agora eu pergunto aqui, é claro de público: O professor Pedro Chaves, outrora Magnifico, será que o mesmo conhece de futebol? será que ele sabe os meandros dessa modalidade esportiva. Por isso eu elogio a atual diretoria da FFMS. PARABÉNS pelo belo campeonato.
 
Gilson Giordano em 22/01/2014 09:49:15
Sempre esperando a coluna,para o meu deleite..... mais uma vez apontarei aqui para o pessoal, inclusive para o técnico Amarildo de Carvalho, que viveu parte da época ÁUREA do futebol brasileiro, quando existiam na acepção da palavra o CRAQUE. Ontem (terça-feira) por exemplo, jogaram pelo Paulistão, no Pacaembu, Santos e o todo Poderoso Audax, este de São Paulo (são dois.. um em SP e o outro no Rio), fim de jogo 1x1, sendo que o Santos empatou aos 42 minutos do 2º tempo. Campeonato Carioca, São Januário: Botafogo 0 x 0 Bangu. Amarildo, para se ter uma idéia, NAQUELA ÉPOCA, esses "timinhos" com todo o respeito, eram apenas coadjuvantes e tomavam SACOS de gols. Apenas isso. Hoje, não tem mais, NÃO EXISTE MAIS o cara craque de bola. Por favor, vejam os jogos da tal Copinha. ACABOU!
 
Gilson Giordano em 22/01/2014 09:30:36
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions