A notícia da terra a um clique de você.
 
27/08/2016 11:47

Como apanhar um mentiroso

Mário Sérgio Lorenzetto
Como apanhar um mentiroso

O tenente Joe Kenda é um veterano policial dos Estados Unidos. Faz sucesso na televisão com o programa investigativo "Homicídio". A BBC o entrevistou para que explicasse seu método de apanhar mentirosos. Ele afirma sem rodeios que "Como polícia não confio em ninguém e não acredito em ninguém". Explica que "o comportamento humano é muito previsível e se você me diz algo fora do comum, isso me chama a atenção. Porque fez isso? Porque não conheço outra pessoa que fizesse isso? Porque disse que fez isso?". Kenda afirma que quando alguém chegava com um relato ou denúncia de algo que lhe ocorreu, discutia ponto a ponto o que era dito. A suposta vítima sempre deseja ressaltar o dado central de seu relato, mas ele explorava o entorno, os detalhes distantes desse relato. Segundo o policial, esse é o jogo que um bom detetive joga com o interrogado, porque as pessoas não conseguem recordar tudo o que disseram, o que fizeram, quando disseram ou fizeram. Caso contrário, é uma invenção.
A análise de Kenda vai além das palavras, ele faz a leitura do comportamento do indivíduo. "Se em algum momento dessa conversa, levanta a voz, toma a defensiva ou se torna evasivo, está mentindo". assegura o ex-policial.
Quando alguém mente, sabe que está mentindo e sempre há sinais que o delatam São sinais que os detetives buscam, como quando se joga pôquer. Um pequeníssima piscadela, uma pulsação imperceptível da carótida, um olhar fugaz. "Onde estão os olhos? Mantêm contato visual, está sapateando com os pés, tamborilando a mesa com os dedos, olha fixamente para as paredes ou porta, mantêm os pés firmes no chão como se preparasse para correr?", explicou Kenda. Todas essas manifestações corporais sucedem-se inconscientemente, em resposta à mentira. Elas sucedem-se nos encontros sociais, não apenas na delegacia. "Quando conhece alguém em um jantar ou festa, sempre ocorre algo diferente. Não te olham diretamente, olham ao redor, olham para outros lugares, olham por cima de teu ombro ou por cima de tua cabeça. Ou através de você, mas não diretamente em você".
Somente sociopatas conseguem mentir naturalmente. Uma personalidade como essa não tem emoções humanas. "Não sentem amor, nem culpa. Não sentem compaixão. Só sentem ira." Kenda também afirma que esse método é eficaz para analisar as declarações dos políticos e de pessoas comuns. Foi assim que ele diagnosticou as mentiras do nadador norte-americano Lochte e do ex-presidente dos EUA, Bill Clinton, no caso Monica Lewinski. Kenda ainda afirma que há outra característica marcante nos mentirosos - costumam se defender atacando, acreditam piamente que a melhor defesa é o ataque.

Veja Mais
As favelas são propriedade privada dos traficantes
O Brasil voltou aos mesmos ideais de 1920

Como apanhar um mentiroso

Brasileiro volta a andar em ônibus e procurar postos de saúde.

Cresceu o percentual de famílias que tem ao menos um integrante desempregado. Com dificuldades em pagar as contas básicas de aluguel, água e luz, parcela significativa deixou de lado despesas com automóvel e plano de saúde. Estamos retornando à época em que uma imensa maioria andava de ônibus e tratava da saúde em postos do SUS. É o que mostra a pesquisa "Retratos da Sociedade Brasileira - Dois Anos de Crise Econômica", divulgada pela CNI - Confederação Nacional da Indústria.
A proporção das famílias entre as quais alguém perdeu o emprego saltou de 44% no ano passado, para 57%, por enquanto, em 2016. E o percentual daquelas nas quais membros não trabalhavam (principalmente só estudavam) aumentou de 40% em 2015 para 48% no ano atual. Precisam ajudar a pagar as contas.
Os brasileiros também mudaram seus hábitos nas compras. Migraram para lojas mais baratas (80%), trocaram produtos caros por mais baratos (78%) e, praticamente, destruíram a compra por impulso (93%). Agora, só querem comprar em liquidações e saldões - esse percentual passou de 64% para 80%.
Já os hábitos de consumo que afetam as administrações públicas passaram a ser: andar de ônibus (48%), tratar da saúde em postos do SUS (34%) e passar os filhos da escola particular para a pública é um tanto menor - 14%. O brasileiro prefere virar sardinha nos ônibus abarrotados, enfrentar as filas que não tem fim nos postos de saúde, mas ainda lutam por manter os filhos na escola privada. Sabem que a escola pública é um desastre.

Como apanhar um mentiroso

Chuvas 11% acima da média para setembro.

Boa notícia para os postos de saúde, agricultores e a conta de luz. O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) prevê um volume de chuvas em setembro 11% acima da média histórica para o Centro-Oeste e o Sudeste. Com isso, a expectativa é da bandeira tarifária fique na cor verde, não incorrendo em aumentos.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.