A notícia da terra a um clique de você.
 
05/06/2014 09:53

O maior assalto da história, os lobisomens germânicos e passaportes argentinos

Mário Sérgio Lorenzetto
O maior assalto da história, os lobisomens germânicos e passaportes argentinos

Uma história de horrores:

Veja Mais
O caminho onde as bananas valem mais que as pessoas
Mitos sexuais. Coisas que os homens pensam que as mulheres gostam

As famosas tropas das SS nazistas eram as responsáveis diretas pela proteção do líder supremo Adolfo Hitler. Aliás, SS é a sigla de "Schutzstaffel", tropa de proteção. Era uma organização paramilitar que chegou a ter 52 mil membros em seu auge.

Dos muitos crimes contra a humanidade cometidos pelos nazistas, 95% são atribuídos às SS. A quase totalidade desses crimes foi cometida por uma organização ligada à economia - o Escritório Central de Administração Econômica que pertencia às SS.

Se parece estranha a ideia de uma repartição econômica envolver-se em assassinatos em massa, deve-se compreender que não bastava o extermínio de judeus, comunistas, socialistas, poloneses, russos, homossexuais e ciganos. Mas também, os chefões das SS julgavam que as vítimas deviam pagar por esse "privilégio". Antes que as câmaras de gás começassem a funcionar, as SS já haviam executado o maior roubo da história.

No caso dos judeus, o pagamento foi feito em três etapas. Primeiro, as SS roubaram suas empresas, casas, contas bancárias, móveis e carros. Foram levados aos campos de concentração na segunda etapa. Os judeus acreditavam que iriam recolonizar novas terras e levavam as riquezas que podiam carregar. Os SS carregaram muitos trens cheios de enfeites de ouro, brilhantes, safiras, rubis, barras de prata, dólares de ouro e muito dinheiro.

O maior assalto da história, os lobisomens germânicos e passaportes argentinos

A outra etapa estava no corpo das vítimas

Tinham energia que foi usada ao máximo, até a morte. Eram tantos prisioneiros das SS que suas empresas não conseguiram utilizar todos. Muitos foram usados por fábricas como Krupp, Thyssen e Opel. Que continuam a existir até os nossos dias.

Essa montanha descomunal de riquezas foi depositada prioritariamente em Zurique, na Suíça. Mas parte razoável foi para Liechtenstein, Tânger no Marrocos e Beirute no Líbano.

Quando a derrocada se avizinhava, milhares de oficiais das SS estavam preparados para a fuga organizada. Constituíram seus lobisomens por mais estranho que pareça. Ao contrário da figura monstruosa da mitologia construída por Hollywood, o lobisomem alemão não é um homem estranho cabeludo nas noites de lua cheia. Na mitologia germânica, o lobisomem é uma figura patriótica que permanece na pátria quando os guerreiros partem para o exílio. Eles chefiam a resistência e protegem os interesses dos que se foram. Assim fizeram os SS. Deixaram alguns na Alemanha.

Outros foram para o exílio. Fugiram. Poucos para variados países próximos à Alemanha. Antes mesmo do fim da guerra os SS já haviam estabelecido laços estreitos e amistosos com a Argentina de Juan Perón. Acredita-se que em torno de 7 mil passaportes argentinos foram dados para os SS. Eram passaporte em branco, de modo que o criminoso nazista tinha apenas de escrever um nome falso, colocar a sua fotografia e fazê-la carimbar por um solicito cônsul argentino. E abracadabra, um cruel criminoso nazista virava um pacífico e honorável argentino.

O maior assalto da história, os lobisomens germânicos e passaportes argentinos
O maior assalto da história, os lobisomens germânicos e passaportes argentinos

Queimaduras graves atingem 1 milhão de brasileiros todos os anos

Ao menos 1 milhão de pessoas são vítimas de queimaduras todos os anos no país. Os acidentes motivaram até um dia específico para combatê-los. Será comemorado amanhã, o Dia Nacional de Luta contra Queimaduras. Neste ano, a preocupação é ainda maior com o advento das festas juninas e da Copa do Mundo. O primeiro evento já é, naturalmente, um indutor, considerando o maior contato com fogueiras, balões e fogos de artifício. Já a Copa do Mundo eleva o contato com fogos de artifício costuma ser mais constante.

Queimaduras consideradas graves são as atingem mais de 30% da superfície corporal e, ainda, as provocadas por choques elétricos e lesões inalatórias. Para ter ideia da gravidade do problema, as queimaduras estão entre as principais causas externas de morte, ficando atrás somente dos acidentes no trânsito e homicídios. O impacto econômico é direto, considerando o elevado período de internação hospitalar e a limitação das vítimas em virtude das sequelas.

O maior assalto da história, os lobisomens germânicos e passaportes argentinos

Os problemas causados por fogos de artifício aterrorizam

Eles podem provocar queimaduras, das quais 70% são lesões com lacerações ou cortes; 20% amputações nos membros inferiores; e os 10% restantes são lesões das córneas, perdas da visão, lesões do ouvido ou perda da audição. O foco principal do tratamento termina por ser na redução do impacto das sequelas e melhoria do resultado das lesões.

Em casa, as queimaduras são a segunda principal causa de morte em crianças de um a quatro anos de idade. Perdem para os acidentes de trânsito e, pior, a maioria é previsível ou evitável. Neste tipo de episódio, o álcool lidera a lista das principais causas de acidentes com queimaduras em crianças no país. É responsável por 41,3% das ocorrências. Em seguida estão os escaldos, como são chamados os acidentes provocados pelo contato com água fervente ou óleo quente, e que respondem por 33% dos casos. Os dados e as avaliações são da Sociedade Brasileira de Queimaduras.

O maior assalto da história, os lobisomens germânicos e passaportes argentinos
O maior assalto da história, os lobisomens germânicos e passaportes argentinos

Mulheres quase dividem a preferência pelas lutas de MMA

Ficam com 47% da fatia de uma das mais lucrativas lutas marciais da atualidade. É o que revela estudo do Ibope encomendado pela Repucom que avaliou o comportamento dos superfãs do Mixed Martial Arts, que apontou acelerado interesse das mulheres pelo esporte. Em setembro do ano passado, o MMA era prioridade de 43% das ouvidas e passou a 47% em maio.

O objetivo da pesquisa – cujo nome e pomposo: Sponsorlink – é oferecer uma visão panorâmica dos hábitos e atitudes, consumo de mídia, categorias de produtos e serviços relacionados ao esporte. A avaliação ocorreu em 12 países, inclusive o Brasil. Além de mulheres, cada vez mais adultos estão buscando o MMA. Entre os indivíduos 18 a 29 anos, chega a 55%, mas sobe para 56% quando o questionamento é direcionado aos que têm entre 40 a 54 anos. E é o interesse por assistir, não praticar, para que fique esclarecido, afinal, são superfãs.

No Brasil, a maioria dos tais superfãs está no Nordeste, que concentra 30% do total. A principal forma de acompanhamento da disputa ainda é a televisão, com 80%, mas 63% dos ouvidos admitem que também se utilizam de celulares e smartphones para buscar notícias sobre o MMA. E a imensa maioria, 91%, acessa a internet quando está assistindo as lutas pela televisão. Também entram na onda de escrever posts no Facebook e outros meios de troca de mensagens instantâneas, como o SMS, WhatsApp, MSN e Skype. É assim para 40% dos participantes da pesquisa.

E por que tantos dados são importantes? Para a definição de patrocínios, oras. É o que explica José Colagrossi, diretor executivo do Ibope Repucom. Ele aponta que as informações referentes aos hábitos e às atitudes de quem acompanha o MMA são determinantes para a tomada de decisão para ações de patrocínio esportivo. É assim para qualquer esporte. Colagrossi afirma que o Sponsorlink abrange um universo de 56,5 milhões de internautas brasileiros com 18 anos ou mais e em todas as cinco regiões do Brasil.

O maior assalto da história, os lobisomens germânicos e passaportes argentinos
O maior assalto da história, os lobisomens germânicos e passaportes argentinos

A grama do vizinho é mais verde e nas redes sociais é ainda mais

É o que defende Dominique Magalhães. Autora da obra “O que falta para você ser feliz”, Dominique revela o que quase todo mundo já sabe, mas ela enfatiza: quanto maior o tempo de exposição à internet, maior a sensação de que o outro é mais feliz. E nessa onda de compartilhar fotos, vídeos e, até, estado de espírito, a sensação que o adubo do outro é mais eficiente fica latente.

Estamos na nova era de vida perfeita. Não é bem assim, como todos sabemos. Pelo menos e o que revela um estudo divulgado em 2013 pela Universidade de Michigan, que apontou uma ligação entre o uso excessivo das redes sociais e a infelicidade. Os pesquisadores coletaram dados e descobriram que as emoções ligadas à infelicidade aumentaram proporcionalmente ao tempo de exposição às postagens de gente aparentemente feliz.

E eles foram fundo na rede. Enviavam cinco mensagens diárias durante duas semanas a cada voluntário de um grupo de 82 pessoas dentre jovens e adultos. Os links mostravam a quantidade de vezes que cada um dos usuários visitava a rede social e quais eram seus níveis de preocupação, solidão e satisfação geral com a vida. E se todos postassem o que realmente passam?

O maior assalto da história, os lobisomens germânicos e passaportes argentinos



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.