A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016


  • Finanças & Investimentos
  • Finanças & Investimentos

    Emanuel Steffen - www.mayel.com.br


30/11/2015 08:49

2016 chegando. Vai melhorar?

Por Emanuel Gutierrez Steffen (*)

Márcio Antônio Salvato, coordenador do curso de Ciências Econômicas do IBMEC-MG, e Reginaldo Pinto Nogueira Junior, coordenador do curso de Relações Internacionais do IBMEC-MG, apontam suas avaliações para o cenário econômico no próximo ano. Para falar em perspectivas, é necessário primeiro olhar para trás. A economia brasileira apresentou um desempenho muito fraco nos últimos 4 anos (2011-2014), com um crescimento médio de 1,6%a.a., a despeito da inflação média ter ficado acima da meta de 4,5% a.a., com média 6,2% (embora ainda ligeiramente abaixo do teto de 6,5% a.a.).Soma-se a isto a situação de incapacidade de manter superávits mínimos nas contas públicas, o que pressionou o crescimento da dívida bruta que atingiu 63% do PIB em 2014.O ano de 2015 já está quase no fim e se analisarmos o biênio 2015-16, incluindo as projeções do Relatório Focus do BACEN, inauguramos um período de forte ajuste recessivo, objetivando a redução da inflação e controle dos déficits fiscal e externo, que por certo trarão consequências desastrosas sobre a taxa de desemprego, redução da renda per capita e da geração de massa salarial, impactando fortemente o consumo, investimento e nível de atividade econômica.

Veja Mais
Os investimentos e seus custos
Como os atletas perdem milhões

Contudo, este será apenas o início das dores, pois os indicadores apontam para uma lenta retomada do crescimento, com inflação ainda alta até meados de 2017 e pressão sobre o mercado de trabalho até o final de 2018.Este cenário tenebroso para os próximos anos é fruto da tardia agenda para tratar problemas que já eram fortemente sinalizados na virada de 2013 para 2014, mas o esforço de reeleição mudou a agenda econômica.

O déficit fiscal de 2014 e o aumento rápido do estoque da dívida bruta conduzem a um cenário de forte necessidade de geração de superávit primário, o que fez o governo rever as políticas de subsídios que foram comuns no período anterior, bem como rever a política de controle de preços administrados (energia e combustíveis).Essa necessidade de fazer caixa produziu o que chamamos de “choque de oferta”, pois aumentou os custos de produção rapidamente, conduzindo a economia para um cenário de “estagflação”, isto é, aumento da taxa de inflação com estagnação econômica.Para controlar a inflação e renegociar a rolagem de um estoque de dívida pública maior é necessário subir a taxa de juros, o que gera mais desaquecimento da atividade econômica e menor geração de caixa (menor arrecadação) do governo.Neste sentido, o esforço de superávit torna-se uma tarefa mais difícil, pois implica em maiores cortes de gastos, que por sua vez geram mais desaquecimento econômico. É um círculo vicioso que produzirá uma forte recessão em 2015, com o PIB decrescendo, Segundo o referido Focus, pelo menos 3,1%, ainda assim com inflação de cerca de 10%.

Se o ajustamento ficasse apenas em 2015, poderíamos dizer que o custo do erro de agenda econômica de 2014 seria até suportável, mas a previsão apresentada no Relatório Focus em nov/2015 já aponta para um decrescimento do PIB de 1,9% em 2016.O cenário é tão ruim que se acumularmos a perspectiva de crescimento do PIB no triênio 2014-16 temos -4,9%, que já é maior que as recessões dos triênios 1929-31 (-4,3%) e 1990-92 (-3,8%), só sendo menor que o triênio 1981-83 (-6,3%).Situação trágica é para a Produção Industrial que em set/2015 apresentou crescimento de -10,81% acumulado em 12 meses, sem perspectiva de curto prazo para retomada de crescimento.

Diferentemente da crise de 2008 que a produção industrial caia rapidamente, mas os serviços e comércio mantinham-se aquecidos, o acumulado em 12 meses para as vendas do varejo em ago/2015 foi de -6,9%.
A taxa de desemprego já subiu de 6.8% para 8,7% entre janeiro e agosto de 2015 (dados PNAD/IBGE). A inflação acumulada em 12 meses continua acelerando e em outubro/2015 atingiu 9,93%. A taxa de juros (SELIC) subiu de 11,5% em dez/2014 para 14,25% a partir de jul/2015.O custo de serviços da dívida pública já supera 8% do PIB, o que exige um esforço ainda maior de superávit primário. A taxa de câmbio disparou em 2015 e as avaliações de risco-país subiram junto.

Soma-se a tudo isto uma completa incapacidade de gestão política da crise, com uma trajetória de colisão entre Executivo e Legislativo, em meio a operações da Lava Jato e outras que apontam alto nível de corrupção no país.Em meio a tudo isto o cenário mais plausível é uma perspectiva de redução da taxa de inflação a partir do segundo semestre de 2017 e recuperação lenta da atividade econômica no biênio 2017-18, mas com uma taxa de crescimento médio pequena, em torno de 1,5%a.a.Neste cenário, o mercado de trabalho estará bastante precário até o final de 2018. O cenário pode ser pior se ainda vier desaceleração mais forte da China, combinada com aumento dos juros nos EUA.

O cenário pode ser menos ruim se a combinação de preços de ativos baixos e altas taxas de juros forem suficientes para grande atração de investimentos externos em 2016-17, antecipando a retomada do crescimento, mesmo que ainda com taxas modestas.A seguir, veja o que especialistas esperam sobre os principais componentes que definirão o destino da economia brasileira para o próximo ano.

PIB

O próximo ano será ainda de contração econômica. “Estamos projetando -3,2% para o PIB este ano e -2,0% para 2016. O consumo das famílias ainda deve ter queda na casa de 2,0% em 2016 (após -2,8% este ano) e investimentos queda de 9,0% (após -15,0% este ano)”, avalia Alessandra Ribeiro, economista da Tendências Consultoria Integrada.O único destaque positivo é o setor externo com aumento das exportações (por causa do câmbio) e queda das importações por causa da contração econômica e também do câmbio.

Inflação

No cenário da Tendência Consultoria, o IPCA deve cair de 9,9% este ano para 6,5%. O principal motivo para a queda é a desaceleração expressiva de administrados, após a correção deste ano. Assim, estes preços devem registrar alta de 8,3% em 2016 ante 17% este ano.O risco, entretanto, é de inflação um pouco mais alta seja por causa do risco de depreciação mais expressiva do câmbio seja pelo risco de administrados ficarem mais altos por causa de energia elétrica, para a qual é projetada alta de 12% em 2016 após 53% em 2015. O risco para energia é ainda de passivos (do passado) serem repassados ao consumidor.

Juros

Neste contexto, os juros devem seguir altos (em 14,25%) até setembro de 2016, quando o Banco Central deve inicializar um movimento gradual de queda. Assim, a Selicdeveatingir 13% ao final de 2016. “O risco, entretanto, caso a inflação em 2016 seja pior que o previsto é o Banco Central não baixar juros”, diz Alessandra.Já os economistas do CreditSuisse avaliam que o cenário pode ser pior. Além de estimar a manutenção da Selic em 14,25% por todo o ano de 2016, eles acreditam que o cenário para a inflação devido à forte queda do real sugere a possibilidade de o BC subir juros em 2016.

Câmbio

A expectativa é que a taxa de câmbio deve seguir em depreciação no próximo ano. De acordo com Sidnei Nehme, economista e presidente da NGO Corretora de Câmbio, diante do tamanho do déficit fiscal de 2015 o Brasil é candidatíssimo a ter sua nota de rating rebaixada (downgrade).

“Se isso de fato ocorrer muitos recursos terão que obrigatoriamente deixar o país devido regulamentação dos investidores e outros tantos, até os especuladores, irão juntos. As linhas de financiamentos externas poderão sofrer forte retração, seletividade e encarecimento”, diz Sidnei.Há ainda o receio a respeito da alta de juro nos Estados Unidos, que certamente provocará a retirada do Brasil de volumes substantivos de recursos que irão para o mercado americano.Segundo o especialista, o Brasil é considerado um grande risco e não se vislumbra melhora em 2016, portanto continuará vulnerável e com tendência de saída de recursos. “A projeção captada pelo Boletim FOCUS de R$ 4,20/US$ no final de 2016 é absolutamenteirrealista, sendo mais provável estar em torno de R$ 5/US$”, projeta Nehme.

Fonte: Isabella Abreu\dinheirama.com.br
Disclaimer – A informação contida nestes artigos, ou em qualquer outra publicação relacionada com o nome do autor, não constitui orientação direta ou indicação de produtos de investimentos. Antes de começar a operar no SFN - Sistema Financeiro Nacional o leitor deverá aprofundar seus conhecimentos, buscando auxílio de profissionais habilitados para análise de seu perfil específico. Portanto, fica o autor isento de qualquer responsabilidade pelos atos cometidos de terceiros e suas consequências.

(*) Emanuel Gutierrez Steffen, criador do portal www.mayel.com.br

Os investimentos e seus custos
Taxas. Está aí uma palavra que ninguém gosta, mas que tem que aturar. Elas estão em todo o lugar, e mesmo quando não estão visíveis, pode ter certeza...
Como os atletas perdem milhões
Recentemente, um amigo me enviou um artigo de revista que continha alguns exemplos divertidos dos gastos fora de controle de atletas profissionais. C...
Qual é a melhor hora para comprar?
Quando fui convidado a escrever este artigo para o Dinheirama, pelo Renato De Vuono, encarei isso como um grande desafio. Intuitivamente, e para ser ...
Analfabetismo financeiro em alta na era da informação
Vamos fazer uma viagem ao passado? Anos 70, que tal? Neil Armstrong chegará à Lua.“Um pequeno passo para o homem, um grande salto para a humanidade”....



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions