A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016


  • Finanças & Investimentos
  • Finanças & Investimentos

    Emanuel Steffen - www.mayel.com.br


30/08/2013 08:07

Como sair do Vermelho!

Emanuel Gutierrez Steffen (*)

Em nossos artigos já conhecemos os diferentes produtos financeiros que permitem fazer render o dinheiro disponível para aplicação. Até aqui abordamos o que fazer com as sobras de nosso orçamento. Mas o que fazer quando a situação é inversa, ou seja, quando os recursos são insuficientes para honrar compromissos, e até mesmo para manter um padrão básico de vida? Apesar da variedade de produtos de investimentos disponíveis a realidade dos brasileiros ainda é outra muito distante da perspectiva dos investidores. Quase metade (isso mesmo metade) da renda das famílias brasileiras esta comprometida com dívidas.

Veja Mais
Como os atletas perdem milhões
Qual é a melhor hora para comprar?

Segundo dados do Bacen Banco Central divulgado em Junho, o endividamento das famílias brasileiras atingiu 44,2% em Abril, o maior índice desde 2005. Isso significa que a dívida com os bancos tem comprometido quase metade da renda familiar. Além disso, dados do Serasa Expiriam mostram que no primeiro semestre de 2013 houve um crescimento de 5,6% na inadimplência. O “ciclo de endividamento” (bola de neve) geralmente tem origem na compra da casa própria ou do carro, justamente os dois maiores sonhos de consumo do brasileiro. Mas o que fazer para sair desta situação? Acompanhe logo abaixo algumas dicas que podem lhe auxiliar.

1 - Crie uma planilha ou um documento de orçamento doméstico que lhe permita conhecer de onde o seu dinheiro vem e para onde está indo. Classifique todos os seus gastos em essenciais e não essenciais. Quando possível, troque os gastos com produtos e serviços essenciais (como a conta de água, energia e telefone por outras de menor valor. Elimine gastos superfulos - TV a cabo, celulares etc.)

2 - Busque fontes de renda alternativas para incrementar seu orçamento. Um passa a tempo, ou habilidades que possam ser “convertidos” em remuneração, como docerias, entregas, dar aulas.

3 - Procure a ajuda de parentes e amigos próximos – Este é um item delicado devido ao risco que as finanças provocam em qualquer tipo de relação (amigo, parentes, casais). Essa opção deve ser muito bem analisada, caso o leitor disponha de pessoas que estão realmente dispostas a lhe ajudar realmente, e não á “comprar” seu favor. O desconforto gerado (constrangimentos) podem significar o fim de uma amizade, ou mesmo a quebra de um vinculo familiar. Por isso, cuidado!

4 - Parece clichê dizer isto, mas é extremamente essencial. Procure renegociar as dividas com um prazo mais longo e com parcelas menores que caibam em seu orçamento e não comprometam os seus gastos essenciais. Se estiver sendo procurado por empresas de recuperação de crédito, saiba que elas têm autonomia para dar descontos de 30% a 80%. Renegocie.

5 - Reveja o seu estilo de vida em relação as suas finanças e consumo, e determine para você um projeto de vida. O descontrole financeiro pode acontecer por dois motivos: o descontrole pessoal; ou situações inesperadas. Em todos os casos a responsabilidade sempre é da pessoa, pois mesmo nos casos de situações inesperadas como uma doença, ou a perda do emprego, é responsabilidade da pessoa de manter uma poupança para estas situações como estas, que lhe garantam pelo menos alguns meses de rendimentos ou renda extra.

6 - Verifique com o empregador a possibilidade de receber o salário por cheque ou dinheiro, para não correr o risco de ver seu dinheiro “sumir” da conta. Procure o gerente do banco e peça que reúna no mesmo pacote todas as dívidas do cartão e demais empréstimos. Negocie uma linha de crédito mais alongada com juros e prestações menores.

7 - Busque apoio de amigos e familiares. Fique próximo á pessoas que você tenha liberdade de compartilhar sua situação. Geralmente é nesses momentos que podemos identificar os verdadeiros amigos que permanecem ao seu lado, que compreendam, e respeitem sua situação. Talvez as baladas, e os cineminhas, serão trocados por outras formas de diversão que não envolva grandes gastos.

9 - Não fique preso á sua divida 24hrs. Um ponto importante é não se concentrar na divida. Após detalhar e colocar em prática o seu plano de resgate financeiro, procure se distrair, não comprometa seu presente, talvez uma caminhada no parque, piqueniques, reuniões em casa com amigos onde a comida ou os gatos são compartilhados. Continue vivendo, enquanto se recupera do tombo.

10 - Aprenda a lição. Compreenda que está é uma importante ocasião para revisar como a situação chegou ao patamar que chegou, e quais os comportamentos que devem ser adotados para não se passar por isso novamente. Mude sua maneira de pensar o seu dinheiro, suas vida financeira, e como organizar, e acompanhar o seu orçamento pessoal.

Em caso de dividas com cartão de crédito, se você quita só a parcela mínima do cartão está pagando apenas os juros. O limite do cartão engana, mas o valor real que pode ser gasto se restringe ao que sobra de sua remuneração, descontada as despesas fixas e as prestações. Do contrário você não conseguirá pagar o total da fatura no vencimento. A dívida real continua no rotativo, gerando juros no mês seguinte. Se pagar o mínimo tem se tornado constante, você está em perigo financeiro. Antes de a dívida se aprofundar, peça ao gerente a redução do limite e faça corte nas despesas.

Importante lembrar que depois de tomadas todas estas medidas a consciência do momento de recuperação e o aprendizado são fundamentais para “dar a volta por cima” na vida financeira, pois propiciam a experiência para não mais cair nas “armadilhas” do consumo não programado, do cheque especial, do cartão de crédito, e do estilo de vida incompatível com os rendimentos auferidos. Com toda a certeza, a fase de recuperação vai ser difícil e provavelmente longa, mas com disciplina e dedicação, não é impossível de se obter êxito. E você leitor já passou por alguma situação de “aperto financeiro”? Conte para nós como foi sua recuperação e quais as medidas que tomou (ou esta tomando) para se recuperar. Compartilhe também qual lição você aprendeu e qual o seu comportamento financeiro hoje. Até o próximo artigo!

Disclaimer – A informação contida nestes artigos, ou em qualquer outra publicação relacionada com o nome do autor, não constitui orientação direta ou indicação de produtos de investimentos. Antes de começar a operar no SFN - Sistema Financeiro Nacional o leitor deverá aprofundar seus conhecimentos, buscando auxílio de profissionais habilitados para análise de seu perfil específico. Portanto, fica o autor isento de qualquer responsabilidade pelos atos cometidos de terceiros e suas consequências.

(*) Emanuel Gutierrez Steffen – Criador do portal www.manualinvest.com

Como os atletas perdem milhões
Recentemente, um amigo me enviou um artigo de revista que continha alguns exemplos divertidos dos gastos fora de controle de atletas profissionais. C...
Qual é a melhor hora para comprar?
Quando fui convidado a escrever este artigo para o Dinheirama, pelo Renato De Vuono, encarei isso como um grande desafio. Intuitivamente, e para ser ...
Analfabetismo financeiro em alta na era da informação
Vamos fazer uma viagem ao passado? Anos 70, que tal? Neil Armstrong chegará à Lua.“Um pequeno passo para o homem, um grande salto para a humanidade”....
Armadilha das promoções: qual a lógica do “tão barato”?
Semana começando! E essa, em especial, após a “black friday”! E aí? Rolando uma “black ressaca” financeira, ou você conseguiu controlar esses instint...



Muito Bom seu artigo, Obrigado Pela Ajuda !
 
Elianderson Dias em 30/08/2013 11:39:46
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions