A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016


  • Finanças & Investimentos
  • Finanças & Investimentos

    Emanuel Steffen - www.mayel.com.br


09/02/2015 08:24

Dinheiro como ferramenta de felicidade

Por Emanuel Gutierrez Steffen (*)

Não existe uma fórmula mágica e transformadora que permita, do dia para a noite, deixar as pessoas mais ricas (ou menos pobres), mas posso afirmar categoricamente que é possível identificar caminhos que conduzem a uma vida mais próspera e feliz. A frase de Machado de Assis, “O dinheiro não traz felicidade para quem não sabe fazer com ele”, retrata bem a relação que o brasileiro tem com o dinheiro. A felicidade não está no dinheiro em si, mas na relação que mantemos com ele, que nem sempre é transparente e sadia.

Veja Mais
Os investimentos e seus custos
Como os atletas perdem milhões

Depois de um ano cheio de denúncias de corrupção, onde o cerne do problema foi (e ainda é) a má utilização de recursos públicos (dinheiro na cueca, na mala, em sacos pretos transportados por lá e acolá), fica a impressão de que ser bem-sucedido financeiramente é um pecado mortal. Para refinar esse sentimento, mostrando que a relação com o dinheiro não precisa ser baseada em falcatruas e sim em perspectivas reais e boas decisões, preparei esse texto em que procuro discutir oportunidades e caminhos de transformar sua vida para melhor, fazendo do dinheiro uma ferramenta que potencializará suas possibilidades de ser feliz.Imagine que todos os dias temos a responsabilidade de escolher caminhos que nos façam seguir rumo a um futuro melhor. Certo, a escolha nem sempre é fácil porque quase sempre o que é melhor para o nosso futuro torna o presente um momento de mais privações, e o poder da felicidade e bem-estar imediatos são forças extremamente poderosas. O texto de hoje nasceu justamente com a perspectiva de trazer esse debate sincero e importante sobre os melhores caminhos que podem nos deixar mais ricos, mas principalmente mais felizes, já que a ferramenta “dinheiro” quando bem utilizada pode abrir diversas possibilidades neste sentido.

1. Faça de sua vida um eterno aprendizado: Vivemos em um mundo cheio de oportunidades e nunca foi tão fácil aprender não só sobre finanças, mas sobre tudo. A internet democratizou o aprendizado e hoje existe conteúdo de sobra, com milhares de horas de estudo, e boa parte disso distribuída de forma gratuita. Aprenda! Aprenda buscando, errando e experimentando; aprenda com os outros; aprenda com a família. Aprenda!

2. Torne mais sadia sua relação com o consumo e o crédito: Depois de anos de superinflação, o Brasil encontrou, há duas décadas, a estabilização econômica através do Plano Real. É verdade que estamos passando por um momento especialmente delicado, mas o que acontece agora (apesar de ser preocupante) não chega nem perto do que acontecia nas décadas de 80 e boa parte dos anos 90. Naquele tempo, o medo da desvalorização do dinheiro da noite para o dia fazia com que as famílias corressem para gastar o dinheiro rapidamente. Guardar dinheiro naquela época e falar sobre educação financeira era uma verdadeira utopia. Os anos foram passando e o país foi se transformando. Nosso sistema financeiro se tornou mais complexo e foram surgindo oportunidades de investir e, sobretudo com a inflação controlada (de forma minimamente aceitável), realizar algum planejamento financeiro.

A sede de consumo e o costume de consumir rapidamente (característica que ficou no DNA do povo desde aquele período de superinflação), somados ao crédito fácil que começou a ser disponibilizado também após o Plano Real, criaram no brasileiro a “vítima” perfeita para os bancos e financeiras. A facilidade e a sensação de ter cada vez mais escondem uma grande cilada para as pessoas: os altos juros do crédito no Brasil – no decorrer dos anos, cada vez mais encontramos pessoas que se afundaram com a mistura perigosa de crédito fácil e juros elevados.O cheque especial e o rotativo de cartão de crédito passaram de ferramentas de realização de sonhos a verdadeiras armas de destruição em massa, afetando a vida das pessoas no trabalho e em casa. No nosso atual cenário (2015), olhamos a tendência do crédito se tornar ainda mais caro, portanto é indispensável que passemos a adotar uma postura mais conservadora e franca com o dinheiro, apostando definitivamente no “consumo consciente” e no pagamento à vista.Chega de dinheiro emprestado, tanta dívida e financiamento para tudo! O caminho agora deve ser outro, mais focado em você e em suas prioridades: defina melhor seus objetivos e passe a economizar/poupar para conquistá-los, apostando sempre em uma boa negociação.

3. Invista, invista e invista!É difícil encontrar alguém que não concorde com o discurso de que “é importante poupar para o futuro”. O discurso, como já sabemos, nem sempre condiz com a prática, por isso temos no país uma realidade triste, principalmente quando o tempo passa e as pessoas chegam no momento da aposentadoria.Hoje, posso afirmar sem medo de errar que grande parte dos aposentados no país acaba vivendo com o amparo financeiro dos familiares e amigos (e da caridade de estranhos), já que o que suas aposentadorias e pensões não garantem muitas vezes nem a compra dos remédios. Já sabemos que a expectativa de vida do brasileiro está crescendo cada vez mais. Viveremos mais, que bom! Acontece que também existe boa dose de realidade neste fato: para desfrutar com mais qualidade deste tempo maior de vida é fundamental que comecemos a preparar o bolso.

A análise fria do assunto faz com que fique claro que o atual sistema previdenciário não conseguirá oferecer às pessoas nem mesmo o pouco que já oferece hoje, afinal se viveremos mais, passaremos mais tempo como beneficiários e sem contribuir para o sistema. O colapso está a caminho. É claro que mais cedo ou mais tarde uma reforma na Previdência acontecerá e precisará cortar o tamanho dos benefícios e elevar o tempo de contribuição no sistema para concessão das aposentadorias, mas quando isso acontecerá? Quem pagará a conta até que isso seja alterado? Existem especialistas que julgam necessário que mesmo os aposentados (no futuro) precisarão continuar contribuindo com a previdência.A realidade é uma só: para garantir o futuro, não podemos esperar mais nada. Comece o seu planejamento considerando como será sua realidade, desejos, vontades e necessidades lá na frente. Aprenda que quanto maior o tempo até lá, mais oportunidades e menores quantidades de dinheiro serão necessárias para construir seu futuro ideal.Aqui o recado é claro: invista, invista e invista! Ou você prepara o próprio futuro ou terá que depender de muitas outras coisas e pessoas para vivê-lo com alguma dignidade. Não pague nem espere para ver, isso pode ser ainda pior.

“As pessoas dividem-se entre aquelas que poupam como se vivessem para sempre e aquelas que gastam como se fossem morrer amanhã” (Aristóteles)

Fonte: dinheirama.com.br
Disclaimer – A informação contida nestes artigos, ou em qualquer outra publicação relacionada com o nome do autor, não constitui orientação direta ou indicação de produtos de investimentos. Antes de começar a operar no SFN - Sistema Financeiro Nacional o leitor deverá aprofundar seus conhecimentos, buscando auxílio de profissionais habilitados para análise de seu perfil específico. Portanto, fica o autor isento de qualquer responsabilidade pelos atos cometidos de terceiros e suas consequências.*Deseja mais informações ou ainda ampliar seus conhecimentos em investimentos. Acesse o site: www.opatriarca.com.br, ou ligue no Tel: (67) 3306 - 3613 e solicite á visita de um de nossos consultores certificados pela CVM.

(*) Emanuel Gutierrez Steffen, criador do portal www.mayel.com.br

Os investimentos e seus custos
Taxas. Está aí uma palavra que ninguém gosta, mas que tem que aturar. Elas estão em todo o lugar, e mesmo quando não estão visíveis, pode ter certeza...
Como os atletas perdem milhões
Recentemente, um amigo me enviou um artigo de revista que continha alguns exemplos divertidos dos gastos fora de controle de atletas profissionais. C...
Qual é a melhor hora para comprar?
Quando fui convidado a escrever este artigo para o Dinheirama, pelo Renato De Vuono, encarei isso como um grande desafio. Intuitivamente, e para ser ...
Analfabetismo financeiro em alta na era da informação
Vamos fazer uma viagem ao passado? Anos 70, que tal? Neil Armstrong chegará à Lua.“Um pequeno passo para o homem, um grande salto para a humanidade”....



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions