A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016


  • Finanças & Investimentos
  • Finanças & Investimentos

    Emanuel Steffen - www.mayel.com.br


20/01/2014 08:43

Dívida não é problema, é resultado!

Francisco Júnior

Já sabemos que 60% das famílias brasileiras têm dívidas e este número vem crescendo de maneira preocupante. Mas a verdade é que, independente do grau de sofrimento e angústia que elas causam, as dívidas não são um problema. Na verdade as dívidas são meras consequências ou resultado do problema real. Esse problema real, ou seja, o que “causa o endividamento” é o “desequilíbrio financeiro”. O desequilíbrio é o verdadeiro problema. E as causas do desequilíbrio financeiro podem ser externas ou internas.

Veja Mais
Os investimentos e seus custos
Como os atletas perdem milhões

Causas externas: O desequilíbrio tem causas externas quando a pessoa vive em uma situação de equilíbrio financeiro, mas esse equilíbrio é perturbado por algum evento externo inesperado com efeitos catastróficos, como uma perda repentina de renda, um problema de saúde complexo (e caro), o estouro de uma bolha, uma situação de crise de econômica, uma decisão judicial desfavorável, ou outros eventos negativos sobre o qual não temos controle. Em outras palavras podemos dizer que as fontes do endividamento são conjunturais, ou seja, ligados a fatores que estão além de nosso domínio.

Causas internas: Quando o desequilíbrio não é causado por algum evento “externo” ou “extraordinário”, podemos concluir que suas causas são internas. Isso significa, sem meias palavras, que a pessoa endividada é responsável pela sua situação (ainda que não perceba desta forma), seja por adotar um estilo de vida economicamente insustentável (sempre gastando mais do que ganha), ou por puro descontrole financeiro.

Quando o desequilíbrio tem causas externas, faz todo sentido a pessoa adotar medidas financeiras, como renegociação de débitos ou troca de dívidas caras por outras mais baratas e com prazo maior para restabelecer o equilíbrio financeiro que já existia antes do evento catastrófico. Nestes casos podemos dizer que temos um problema realmente financeiro. Mas quando o desequilíbrio é interno, fruto de um estilo de vida insustentável, adotar medidas financeiras como renegociação de dívidas não resolve.

Isso acontece porque esse tipo de desequilíbrio não é um problema financeiro, é um problema comportamental. Não se podem consertar problemas comportamentais com ferramentas financeiras. “Por mais obvio que isso soe problemas comportamentais só são resolvidos quando há mudança de comportamento”. Apenas quando o comportamento muda e a pessoa adota um estilo de vida diferente e adequado às suas possibilidades é que passamos a ter um problema financeiro, que é resolver as dívidas que ficaram pendentes. Aí sim, e só neste momento, as ferramentas financeiras têm real utilidade.

Eventos catastróficos acontecem, mas a maioria das pessoas endividadas atualmente é vítima de um desequilíbrio financeiro interno, em geral associado ao consumo irresponsável. Podemos dizer que pelo menos 90% dos problemas financeiros não são verdadeiramente financeiros, mas sim comportamentais, emocionais, ou até mesmo morais. Muito se escreve e se fala sobre finanças pessoais, mas nada disso seria necessário se as pessoas passassem a “apenas viver conforme suas possibilidades”. E você amigo leitor qual a sua opinião sobre o tema? Não se esqueça de deixar sua contribuição nos comentários a seguir. Até a próxima!

Disclaimer – A informação contida nestes artigos, ou em qualquer outra publicação relacionada com o nome do autor, não constitui orientação direta ou indicação de produtos de investimentos. Antes de começar a operar no SFN - Sistema Financeiro Nacional o leitor deverá aprofundar seus conhecimentos, buscando auxílio de profissionais habilitados para análise de seu perfil específico. Portanto, fica o autor isento de qualquer responsabilidade pelos atos cometidos de terceiros e suas conseqüências.

(*) Emanuel Gutierrez Steffen – Criador do portal www.manualinvest.com

Os investimentos e seus custos
Taxas. Está aí uma palavra que ninguém gosta, mas que tem que aturar. Elas estão em todo o lugar, e mesmo quando não estão visíveis, pode ter certeza...
Como os atletas perdem milhões
Recentemente, um amigo me enviou um artigo de revista que continha alguns exemplos divertidos dos gastos fora de controle de atletas profissionais. C...
Qual é a melhor hora para comprar?
Quando fui convidado a escrever este artigo para o Dinheirama, pelo Renato De Vuono, encarei isso como um grande desafio. Intuitivamente, e para ser ...
Analfabetismo financeiro em alta na era da informação
Vamos fazer uma viagem ao passado? Anos 70, que tal? Neil Armstrong chegará à Lua.“Um pequeno passo para o homem, um grande salto para a humanidade”....



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions