A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016


  • Finanças & Investimentos
  • Finanças & Investimentos

    Emanuel Steffen - www.mayel.com.br


06/07/2016 10:32

O emprego tradicional acabou?

Por Emanuel Gutierrez Steffen (*)

O atual momento econômico que o Brasil enfrenta tem atingindo diversos segmentos e gerado muito desemprego. Segundo Andrea Deis, especialista em gestão de carreiras, o trabalho é o que fará com que as pessoas sobrevivam no mercado neste período de crise.Ela afirma que é necessário que o profissional não busque apenas um bom emprego com salário e benefícios, mas um trabalho que valorize o seu talento natural. “Também é preciso ter mais apego à própria carreira do que à segurança e estabilidade”, diz.

Veja Mais
Como os atletas perdem milhões
Qual é a melhor hora para comprar?

De acordo com Andrea, tempos atrás, o emprego bom era aquele que perdurava pelo maior tempo possível, com um salário que suprisse as necessidades básicas e a maior “segurança” possível (CLT). Uma empresa e/ou indústria tradicional era o sonho de consumo de um profissional.

Já hoje, com a mudança dos preceitos de vida da geração atual na era da informação, muda-se também a maneira de enxergar o emprego. Antes o que era segurança agora é bem-estar.“Não basta um bom emprego com salário e benefícios, tem que proporcionar prazer e reconhecimento”, ressalta Andrea. A especialista também cita que os “workaholics”, antes vistos com bons olhos, agora são percebidos até como ineficientes em muitos casos.

Emprego X Trabalho - Apesar de ambas palavras serem utilizadas para designar ofício, elas apresentam aspectos práticos distintos. Enquanto o trabalho está ligado a objetivos e realizações profissionais, o emprego designa basicamente uma forma de adquirir renda.

Segundo o coach José Roberto Marques, o trabalho tem relação direta com o estilo de vida do indivíduo, em quem ele é ou deseja se tornar. Está pautado em projetos, metas, objetivos e sonhos. “Trabalho vai além da necessidade financeira, trata-se de um caminho para a realização”, diz.Já o emprego é uma atividade alienada em que o profissional atua por mera necessidade financeira, distante de algum tipo de apreciação. “Todos nós já passamos por essa experiência, seja pelo fato de ser a primeira colocação no mercado, ou por ainda não ter descoberto a própria paixão, o que verdadeiramente está conectado com suas motivações e convicções mais autênticas”, afirma.

Para Marques, quando a busca é somente pela estabilidade financeira, a chance de acabar infeliz realizando tarefas que não trazem satisfação pessoal e profissional é muito grande. “O resultado é estagnação na sua carreira e até mesmo em sua vida”, avalia.Já quando você tem um trabalho, esse cenário muda totalmente. Bem como já dizia Max Weber, “o trabalho enobrece o homem”, o que ressalta a diferença entre trabalho e emprego.

“Nessa perspectiva, a atuação profissional está atrelada à existência do indivíduo, mais profundamente falando, à construção do seu legado. Por isso é determinante para a plenitude do indivíduo, visto que é uma forma dele se autoconhecer, para identificar e esclarecer o sentido de sua vida”, explica José Roberto.

Para Andrea Deis, o mais importante é sentir amor e ter prazer no que faz.“Cumprir tarefas qualquer um cumpre. Criar, desenvolver, inovar, reinventar somente os apaixonados pela profissão conseguem. Só quem ama o que faz consegue enxergar além das obrigações diárias, prever riscos e superar obstáculos. Este é o profissional desejado pelas empresas atualmente, é o profissional que irá sobreviver neste momento de crise”, destaca.

Ela conclui convidando-nos a pensar: “Portanto, faça uma breve reflexão: Quais são os resultados que tenho conquistado nos últimos anos? Me satisfaz por completo? Sou reconhecido? É gratificante? Faço com prazer? Se você tem dúvida sobre uma das perguntas, talvez seja melhor refletir se tem trabalhado ou apenas está empregado”.

Fonte: Isabella Abreu/dinheirama.com.br
Disclaimer – A informação contida nestes artigos, ou em qualquer outra publicação relacionada com o nome do autor, não constitui orientação direta ou indicação de produtos de investimentos. Antes de começar a operar no SFN - Sistema Financeiro Nacional o leitor deverá aprofundar seus conhecimentos, buscando auxílio de profissionais habilitados para análise de seu perfil específico. Portanto, fica o autor isento de qualquer responsabilidade pelos atos cometidos de terceiros e suas consequências.

(*) Emanuel Gutierrez Steffen é criador do portal www.mayel.com.br

Como os atletas perdem milhões
Recentemente, um amigo me enviou um artigo de revista que continha alguns exemplos divertidos dos gastos fora de controle de atletas profissionais. C...
Qual é a melhor hora para comprar?
Quando fui convidado a escrever este artigo para o Dinheirama, pelo Renato De Vuono, encarei isso como um grande desafio. Intuitivamente, e para ser ...
Analfabetismo financeiro em alta na era da informação
Vamos fazer uma viagem ao passado? Anos 70, que tal? Neil Armstrong chegará à Lua.“Um pequeno passo para o homem, um grande salto para a humanidade”....
Armadilha das promoções: qual a lógica do “tão barato”?
Semana começando! E essa, em especial, após a “black friday”! E aí? Rolando uma “black ressaca” financeira, ou você conseguiu controlar esses instint...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions