A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016


  • Finanças & Investimentos
  • Finanças & Investimentos

    Emanuel Steffen - www.mayel.com.br


20/08/2014 09:42

O que é Crédito Inteligente?

Por Emanuel Gutierrez Steffen (*)

Existe uma nítida distinção entre o crédito de qualidade e o crédito ruim, mas a falta de debate sobre o assunto dificulta que os brasileiros percebam isso. Endividar-se ou tomar dinheiro emprestado de maneira planejada nada mais é do que alugar recursos monetários de terceiros – normalmente, uma instituição financeira. Como o pagamento desse aluguel, na forma de juros, pesa no bolso, deveria ser razoável supor que ele vale a pena quando agrega benefícios, e que deve ser descartado quando tende a causar problemas.Mas, infelizmente, nossa inabilidade em planejar o futuro nos impede de vislumbrar os tais problemas. Muitas famílias brasileiras que assumem financiamentos de moradia ou automóvel o fazem de sã consciência e com boas intenções. Porém, sem fazer a devida comparação entre as opções de que dispõe e sem contar com um orçamento doméstico consciente, sucumbem em poucos meses a empréstimos caros e não planejados, normalmente através do cheque especial ou do crédito rotativo do cartão de crédito.

Veja Mais
Como os atletas perdem milhões
Qual é a melhor hora para comprar?

Há o caso mais grave da total falta de consciência, quando as pessoas recorrem ao crédito simplesmente para atenderem a desejos de consumo, como um pacote de férias ou a compra de uma tecnologia da moda. Fazem isso simplesmente porque a maioria das pessoas que conhecem também o fazem, crentes de que pagar juros é a realidade da vida moderna.Falta, no Brasil, um choque de consciência sobre o papel do crédito. A decisão de contrair uma dívida é inteligente somente quando serve para construir mais riqueza. Isso acontece quando um empresário compra máquinas para expandir sua produção, empregos e pagamento de tributos. Ele paga juros, mas colhe resultados muito maiores do que obteria sem o endividamento. Isso também acontece quando uma família decide financiar a compra de um computador, da faculdade do filho, do curso técnico que permite subir na vida ou do automóvel que conduz o trabalhador a uma oportunidade melhor de emprego.

Porém, quando esse trabalhador compra um automóvel mais confortável do que o orçamento familiar dos próximos meses irá comportar, ele rompe os limites do crédito inteligente e passa a arcar com o ônus do crédito ruim. Paga caros e desnecessários juros para ter um conforto que poderia ser adquirido com disciplina e paciência. Se o automóvel é necessário, poder-se-ia atender a essa necessidade com uma gama muito ampla de preços de automóveis usados, e não apenas através de anúncios de carros novos.Pagar juros desnecessariamente diminui nossa qualidade de vida. Não é sensato financiar desejos de consumo planejáveis, como as férias, o design do carro, o último modelo de smartphone ou a TV de maior tecnologia. Essas deveriam ser escolhas de consumo de quem já garantiu o conforto da família com um bom planejamento da aposentadoria e bons planos de seguros.

Há uma segunda categoria de crédito inteligente, aquele que é contraído não para gerar riqueza, mas para preservar planos de longo prazo. É o que acontece quando, para evitar resgates no plano de pensão ou de previdência ou para não desfazer os planos para a faculdade dos filhos, uma família mantém o dinheiro poupado e recorre a empréstimos. Paga conscientemente juros com a justificativa de ser o preço da preservação do futuro da família.
Se todos os brasileiros usassem crédito com inteligência e consciência, comparando alternativas para pagar menos (como pode ser feito online pelo site Canal do Crédito – www.canaldocredito.com.br), planejando suas finanças para honrar compromissos e pagando juros para enriquecer ou para preservar os cuidados com seu futuro, o crescimento econômico do país seria inevitável. Mas, como a maioria usa o crédito para tornar mais caro aquilo que é planejável (sendo, inclusive, fortemente estimulado pelo governo a fazer isso), estamos andando para trás e empobrecendo.
Reverteremos esse quadro somente quando soubermos planejar, fazer escolhas sustentáveis e comparar conscientemente as escolhas de crédito que temos a nossa disposição. É uma pena que ainda estamos bem longe dessa realidade.

Fonte:GustavoCerbasi - www.maisdinheiro.com.br.
Disclaimer – A informação contida nestes artigos, ou em qualquer outra publicação relacionada com o nome do autor, não constitui orientação direta ou indicação de produtos de investimentos. Antes de começar a operar no SFN - Sistema Financeiro Nacional o leitor deverá aprofundar seus conhecimentos, buscando auxílio de profissionais habilitados para análise de seu perfil específico. Portanto, fica o autor isento de qualquer responsabilidade pelos atos cometidos de terceiros e suas consequências.

(*) Emanuel Gutierrez Steffen – Criador do portal www.manualinvest.com

 

Como os atletas perdem milhões
Recentemente, um amigo me enviou um artigo de revista que continha alguns exemplos divertidos dos gastos fora de controle de atletas profissionais. C...
Qual é a melhor hora para comprar?
Quando fui convidado a escrever este artigo para o Dinheirama, pelo Renato De Vuono, encarei isso como um grande desafio. Intuitivamente, e para ser ...
Analfabetismo financeiro em alta na era da informação
Vamos fazer uma viagem ao passado? Anos 70, que tal? Neil Armstrong chegará à Lua.“Um pequeno passo para o homem, um grande salto para a humanidade”....
Armadilha das promoções: qual a lógica do “tão barato”?
Semana começando! E essa, em especial, após a “black friday”! E aí? Rolando uma “black ressaca” financeira, ou você conseguiu controlar esses instint...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions