A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016


  • Finanças & Investimentos
  • Finanças & Investimentos

    Emanuel Steffen - www.mayel.com.br


27/04/2015 09:03

Por que não existe filantropia no Brasil

Por Emanuel Gutierrez Steffen (*)

A filantropia é fundamental para equilibrar a economia e reduzir desigualdades. Ela consiste no esforço dos economicamente mais bem-sucedidos em ajudar os economicamente mais frágeis. Os argumentos por trás desse esforço são a construção de uma sociedade mais equilibrada e saudável. Mas a essência por trás dos argumentos envolve interesse – ou recompensa – para o doador. Um futuro melhor é aquele que tira mendigos da porta de sua casa? Que diminui as causas dos conflitos na sociedade? Que lhe garante um lugar no céu?

Veja Mais
Analfabetismo financeiro em alta na era da informação
Armadilha das promoções: qual a lógica do “tão barato”?

Independentemente do que nos leva a doar, a motivação é alguma recompensa a quem doa ou ao grupo de que faz parte. Pense nos grandes atos filantrópicos, como doações de famílias a hospitais. Aqueles que doam em vida são movidos pelo amor ao próximo ou pela expectativa de garantir acesso irrestrito aos melhores médicos, quartos e tratamentos? Aos que doam no fim de sua vida, quanto do ato é motivado pela vontade de garantir privilégios aos sucessores?
É sabido que, nos Estados Unidos, a prática filantrópica entre os mais abastados é regra, não exceção. Será que eles são movidos pelo bem-estar comum ou pela alíquota de 50% de imposto sobre grandes heranças? Lá, assim como aqui, a administração pública é menos eficiente do que a privada, por isso os ricos criam fundações para garantir o destino desejado a suas volumosas doações.

No Brasil, pratica-se muito assistencialismo, mas pouca filantropia. A sociedade civil faz a caridade que ameniza a dor, mas pouco resolve os problemas. O governo destina parte substancial do orçamento público a uma redistribuição de renda não sustentável e eleitoreira, deixando a desejar na infraestrutura que atenderia a todos de maneira mais equânime.Com serviços públicos ruins, famílias ricas têm de gastar mais com saúde, segurança, educação e bem-estar, deixando de lado a atenção ao próximo. Com o assistencialismo público como bandeira, a percepção geral é que, disso, a ação pública dá conta – o que diminui a intenção de doar.

Estamos presos a um ciclo de ineficiência: o governo espera mais impostos dos mais ricos, cada vez menos propensos a doar e menos satisfeitos com o destino de suas contribuições. O assistencialismo não atende às necessidades da sociedade, gerando cada vez mais dependência de raras doações e de crescentes arrecadações. Isso enfraquece a sociedade, diminuindo as expectativas de recursos para redistribuição de renda. A filantropia pública é uma maneira disfarçada de comunismo, que não sobrevive. Para que a filantropia sustentável seja praticada, é preciso estímulo a sua prática, igualdade nas ações públicas e eficiência na administração de recursos arrecadados. Temos muito que amadurecer nesse quesito.

Fonte: www.maisdinheiro.com.br
Disclaimer – A informação contida nestes artigos, ou em qualquer outra publicação relacionada com o nome do autor, não constitui orientação direta ou indicação de produtos de investimentos. Antes de começar a operar no SFN - Sistema Financeiro Nacional o leitor deverá aprofundar seus conhecimentos, buscando auxílio de profissionais habilitados para análise de seu perfil específico. Portanto, fica o autor isento de qualquer responsabilidade pelos atos cometidos de terceiros e suas consequências. *Deseja mais informações ou ainda ampliar seus conhecimentos em investimentos. Acesse o site: www.opatriarca.com.br, ou ligue no Tel: (67) 3306 - 3613 e solicite á visita de um de nossos consultores certificados pela CVM.

(*) Emanuel Gutierrez Steffen, criador do portal www.mayel.com.br

 

Analfabetismo financeiro em alta na era da informação
Vamos fazer uma viagem ao passado? Anos 70, que tal? Neil Armstrong chegará à Lua.“Um pequeno passo para o homem, um grande salto para a humanidade”....
Armadilha das promoções: qual a lógica do “tão barato”?
Semana começando! E essa, em especial, após a “black friday”! E aí? Rolando uma “black ressaca” financeira, ou você conseguiu controlar esses instint...
Não supervalorize coisas
Um experimento social muito famoso, executado em diversos países e no Brasil, relaciona dois grupos de indivíduos: o primeiro grupo ganha um objeto e...
O brasileiro nasce, cresce, põe o nome no Serasa e morre?
A pergunta do título é, na verdade, uma piada (de mau gosto) antiga que circula no Brasil. Com as taxas de juros que praticamos aqui, é muito fácil s...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions