A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016


  • Finanças & Investimentos
  • Finanças & Investimentos

    Emanuel Steffen - www.mayel.com.br


07/08/2013 07:38

Saiba mais sobre Renda Variável

Emanuel Gutierrez Steffen (*)

Vamos continuar esta série com breves “pinceladas” sobre os mercados de renda fixa e renda variável. Desta vez vamos ampliar nossa visão sobre a classe de produtos de investimentos em renda variável. Ativos de renda variável são aqueles cuja remuneração ou retorno do capital não pode ser previsto no momento da aplicação, podendo variar positivamente ou negativamente, de acordo com as expectativas do mercado. Trocando “em miúdos” - a remuneração sobre o capital investido é variável (não garantida) podendo inclusive, gerar perdas financeiras sobre o capital principal.
Provavelmente você como eu já chegou a pensar que este tipo de investimento é um jogo de sorte, ou que é muito complicado e de difícil acesso a investidores iniciantes. Ao contrário do que se imagina, apesar de parecerem complexos, nos mercados de renda variável, existe um “resumo” que nos possibilita compreender seu funcionamento, independente de quais sejam os mercados. Os ativos de renda variável poderão: 

Veja Mais
Qual é a melhor hora para comprar?
Analfabetismo financeiro em alta na era da informação

- Subir - podendo gerar uma alta bem maior do que as obtidas pela Renda Fixa;

- Cair - podendo até gerar perdas nominais no capital principal;

- Ou ficarem indefinido ou estagnado (nem subindo ou caindo)

O que chama mais atenção no mercado de renda variável (no que eu também peço a atenção do leitor) é que mesmo com a possibilidade de poder sofrer perdas nominais no capital principal, as altas auferidas acabam por compensar toda a empreitada, o que acaba por justificar plenamente o investimento em ativos de renda variável. Podemos citar como os maiores representantes dentro desta classe de ativo:

- Ações: O capital social de uma empresa, que uma vez S.A. são distribuídos no mercado primário através da IPO (Oferta Pública Inicial) e posteriormente negociados no mercado secundário (compra e venda). Pode se obter rendimentos no lucro realizado com compra e venda de papéis, ou no recebimento de dividendos (distribuição dos lucros) – Vamos dedicar muitos artigos para tratarmos desta modalidade.

- Fundos de renda variável (fundo de ações, multimercado, e outros): Um fundo é uma reunião de pessoas que possuem o mesmo objetivo de investimento. Estas pessoas formam uma comunhão de recursos, onde cada investidor possui cotas correspondentes a sua aplicação. Organizado na forma de um condomínio, os recursos angariados são investidos em ativos diferentes conforme seu prospecto (no caso, ativos de renda variável como, por exemplo, ações).

- Moedas: É possível realizar investimentos em moeda, seja aplicações em moeda estrangeira ou apostar na valorização de uma moeda em face de outra. Assim é possível obter rentabilidade, através de mais valias, juros ou reserva de liquidez. Também vamos nos aprofundar nesta modalidade nos próximos artigos.

- Mercados derivativos: São ativos financeiros cujo valor resulta (deriva) do valor de outro financeiro (ou mercadoria) negociado no mercado a vista, podendo ser caracterizados como: contratos a termo, contratos futuros, opções de compra e venda, operações de swaps, entre outros. Também vamos nos aprofundar posteriormente em artigos específicos para este tipo de aplicação.

Como já comentamos, os principais riscos envolvidos em investimentos de renda variável se traduzem basicamente na possibilidade de perda financeira do capital principal. Mas caso o seu perfil de investidor (API - conservador – moderado - agressivo) comporte uma carteira com investimentos em ativos desta classe, os resultados que podem ser obtidos são realmente compensadores.

Então, o que você achou deste artigo? Comente, envie suas sugestões, deixe sua contribuição para que também sirva de aprendizado a outros. No próximo artigo vamos conhecer um pouco mais sobre o funcionamento do mercado financeiro e sua relação com os momentos econômicos!

Um abraço, e até a próxima.

Disclaimer – A informação contida nestes artigos, ou em qualquer outra publicação relacionada com o nome do autor, não constitui orientação direta ou indicação de produtos de investimentos. Antes de começar a operar no SFN - Sistema Financeiro Nacional o leitor deverá aprofundar seus conhecimentos, buscando auxílio de profissionais habilitados para análise de seu perfil específico. Portanto, fica o autor isento de qualquer responsabilidade pelos atos cometidos de terceiros e suas consequências.

(*) Emanuel Gutierrez Steffen

Qual é a melhor hora para comprar?
Quando fui convidado a escrever este artigo para o Dinheirama, pelo Renato De Vuono, encarei isso como um grande desafio. Intuitivamente, e para ser ...
Analfabetismo financeiro em alta na era da informação
Vamos fazer uma viagem ao passado? Anos 70, que tal? Neil Armstrong chegará à Lua.“Um pequeno passo para o homem, um grande salto para a humanidade”....
Armadilha das promoções: qual a lógica do “tão barato”?
Semana começando! E essa, em especial, após a “black friday”! E aí? Rolando uma “black ressaca” financeira, ou você conseguiu controlar esses instint...
Não supervalorize coisas
Um experimento social muito famoso, executado em diversos países e no Brasil, relaciona dois grupos de indivíduos: o primeiro grupo ganha um objeto e...



Aprendo a cada semana com esta coluna, está sendo de muito proveito para administrar a minha vida financeira.
 
Ana Costa em 07/08/2013 13:17:31
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions