A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016


  • Finanças & Investimentos
  • Finanças & Investimentos

    Emanuel Steffen - www.mayel.com.br


12/09/2016 14:26

Seis passos para administrar e sair das dívidas

Por Emanuel Gutierrez Steffen (*)

No gerenciamento de dívidas pessoais, uma questão bastante relevante é como fazer para sair delas. Observe os passos abaixo. Eles apresentam alguns pontos básicos, porém muito importantes. Agora vamos explorar brevemente cada um deles.

Veja Mais
Como os atletas perdem milhões
Qual é a melhor hora para comprar?

Passo 1: Reconhecer o endividamento - Este é um passo fundamental, sem o qual os demais, decorrentes deste, não terão como ser realizados. Além disso, reconhecer o quanto antes esta situação é importante para diminuir a dívida e parar um processo que tende a se agravar com o passar do tempo. Para algumas pessoas, é possível que este processo de reconhecimento da dívida seja uma tarefa difícil, o que vai requerer um grande esforço. O reconhecimento da situação de dívida deve ser compartilhado com a família. A participação da família é fundamental, sobretudo em circunstâncias que vão requerer a participação e o esforço de todos, uma vez que toda a família deverá se adequar à nova realidade. Desta forma, não basta que apenas o casal compreenda a situação. A compreensão por parte de todos diminuirá conflitos e facilitará o dia a dia deste momento nada agradável.

Passo 2: Avaliação da dívida - Posteriormente, faça um levantamento detalhado do tamanho da dívida. Elencar o que é devido para cada credor envolve fazer um balanço do endividamento, a fim de se verificar a gravidade da situação. Além do montante devido, igualmente relevante é definir o perfil desta dívida, indicando o prazo de amortização, o valor das parcelas, a taxa de juros, os eventuais bens colocados em garantia e demais informações pertinentes a cada fonte onerosa de capital. Conhecer detalhadamente o seu endividamento é necessário para o pleno entendimento da situação.

Passo 3: Faça o seu orçamento familiar - Com este orçamento, você identifica como são realizados os seus gastos e em que contas ocorrem as maiores despesas e desperdícios. Em relação às contas, é importante que elas sejam classificadas para fins de análise e de decisões de remanejamento ou corte orçamentário. Uma sugestão de classificação das despesas é classificá-las por meio de duas dimensões. A primeira é o grau de essencialidade, sendo obrigatório ou não obrigatório. A segunda dimensão é se o perfil do desembolso é fixo, sem alterações periódicas, ou variável, alterando-se conforme o consumo a cada período. Portanto, elas podem ser assim divididas:
Obrigatórias fixas;
Obrigatórias variáveis;
Não obrigatórias fixas; e
Não obrigatórias variáveis.

Passo 4: Ajuste o orçamento - A classificação anterior permite à família tomar melhores decisões de cortes orçamentários. Os desembolsos obrigatórios são de difícil corte, enquanto que os cortes dos não obrigatórios tendem a ser mais fáceis. O ajuste no orçamento pode iniciar pelo corte de despesas não obrigatórias, passando, em seguida, ao corte das despesas obrigatórias variáveis.

Passo 5: Pague as dívidas - Com o orçamento ajustado, veja quanto ficou disponível para pagar as dívidas. Tendo o orçamento como referência, negocie, negocie e negocie com os credores. O objetivo é alterar o perfil da dívida, ampliando o seu prazo de pagamento e reduzindo os juros dentro do possível. Um princípio básico é trocar dívidas mais caras de curto prazo, por dívidas com prazos de pagamento mais longos e taxas de juros menores. Com isto, pode-se iniciar o pagamento das dívidas de maneira consistente.

Passo 6: Cuidados para não repetir o erro - Em seguida, é fundamental que o controle continue e que não haja a incorporação de novas dívidas. Portanto, estanque as dívidas, evitando compras à prazo e preferindo compras à vista. Como sugestões, cancele o cartão de crédito e deixe de usar o cheque especial.

Por fim, aprenda com os erros. Entenda qual foi a verdadeira origem da dívida para não repeti-la. Busque ser uma família superavitária e próspera. Entretanto, deixe algum recurso para o lazer (o qual deve ser pago à vista!). Mesmo em momentos difíceis, a família necessita relaxar e ter alguma descontração. Em síntese, reconhecer a situação, conhecê-la em detalhes, negociar com os credores, rever o perfil da dívida, amortizá-la e aprender com os erros. Abraços e até a próxima!

Fonte: Erico Marques e Jocildo Neto /Dinheirama.com
Disclaimer – A informação contida nestes artigos, ou em qualquer outra publicação relacionada com o nome do autor, não constitui orientação direta ou indicação de produtos de investimentos. Antes de começar a operar no SFN - Sistema Financeiro Nacional o leitor deverá aprofundar seus conhecimentos, buscando auxílio de profissionais habilitados para análise de seu perfil específico. Portanto, fica o autor isento de qualquer responsabilidade pelos atos cometidos de terceiros e suas consequências.

(*) Emanuel Gutierrez Steffen é criador do portal www.mayel.com.br

Como os atletas perdem milhões
Recentemente, um amigo me enviou um artigo de revista que continha alguns exemplos divertidos dos gastos fora de controle de atletas profissionais. C...
Qual é a melhor hora para comprar?
Quando fui convidado a escrever este artigo para o Dinheirama, pelo Renato De Vuono, encarei isso como um grande desafio. Intuitivamente, e para ser ...
Analfabetismo financeiro em alta na era da informação
Vamos fazer uma viagem ao passado? Anos 70, que tal? Neil Armstrong chegará à Lua.“Um pequeno passo para o homem, um grande salto para a humanidade”....
Armadilha das promoções: qual a lógica do “tão barato”?
Semana começando! E essa, em especial, após a “black friday”! E aí? Rolando uma “black ressaca” financeira, ou você conseguiu controlar esses instint...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions