A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016


  • Finanças & Investimentos
  • Finanças & Investimentos

    Emanuel Steffen - www.mayel.com.br


17/01/2014 08:57

Três erros financeiros cometidos por casais

(*) Emanuel Gutierrez Steffen

Neste artigo vamos abordar novamente alguns erros financeiros comuns cometidos por muitas famílias, desta vez com o enfoque nos casais, seguindo a linha de raciocínio do artigo anterior sobre planejamento financeiro para o casamento. Em grande parte das situações financeiras, consideramos um casal, como um indivíduo, o que em muitos casos não é correto. A mudança de paradigma que vivemos hoje com a ascensão das mulheres no mercado de trabalho, e sua ocupação de cargos de comando, cria como consequência uma maior representatividade das mulheres na composição do orçamento familiar. O impacto desta mudança é de fácil percepção no Brasil, onde é fácil encontrar mulheres liderando suas famílias, muitas vezes sozinhas. O assunto “dinheiro e casais” é um dos campeões de audiência no campo das finanças pessoais. Vamos então observar quais os principais erros que um casal pode cometer no momento em que compartilham também de uma vida financeira em comum.

Veja Mais
Analfabetismo financeiro em alta na era da informação
Armadilha das promoções: qual a lógica do “tão barato”?

1-Não falar sobre dinheiro ANTES do casamento: Sempre que um relacionamento começa, o assunto “dinheiro” precisa ser abordado o mais rapidamente possível. Sei que falar de dinheiro não é um assunto muito atrativo quando a emoção dominante é o romantismo, mas se ele não for abordado logo, o relacionamento pode evoluir muito rápido sem que as bases materiais estejam claramente definidas. Não conversar sobre dinheiro antes do casamento acaba fazendo com que pessoas de visões totalmente distintas se juntem em um relacionamento que, claramente, tem tudo para dar errado. Um quer criar raízes e ter filhos rapidamente, enquanto o outro quer conhecer o mundo e desenvolver uma carreira profissional. Um é relaxado e despreocupado com o dinheiro, gastando tudo que tem (e o que não tem), enquanto a outra beira a sovinice. Acredito que podemos afirmar sem exageros que muitos divórcios, ou pelo menos muitas brigas, poderiam ser evitadas se as pessoas falassem o mais clara e abertamente possível sobre dinheiro antes de se casarem.

2-Não falar sobre dinheiro DEPOIS do casamento: Ao evitar o assunto “dinheiro”, os casais acabam incentivando o descontrole, a negligência, e a infidelidade financeira (já vamos falar sobre!). Do ponto de vista financeiro, faz todo sentido que o cônjuge que tem mais facilidade com assuntos financeiros assuma a gestão das finanças da família. Mas, lamentavelmente, a vida não é eficiente, e temos que ter margens de manobra como os planos A, B, C…. Z e por aí vai. As coisas simplesmente não saem da forma como planejamos. Por isso, é importante que ambos os cônjuges gerenciem as finanças, ainda que um deles considere isso muito chato. Quando apenas um cônjuge está no comando das finanças, o outro se sente confortável, mas no momento em que algo não sai de seu agrado, a sensação de conforto vira uma sensação de traição. Uma recomendação seria a criação de uma “reunião financeira do casal” mensal, onde será realizado ás análises das contas do mês, dos gastos, e também para o planejamento dos planos de curto, médio e longo prazo.

3-Infidelidade financeira: Este é um problema “da moda”, à medida que se descobre que outras formas de traição começam como “inocentes” traições financeiras. A infidelidade financeira pode se manifestar de várias formas. O marido que está financeiramente arruinado e não conta para a família para “manter as aparências”; ou a mulher que compra compulsivamente e esconde os produtos e os comprovantes das transações; o marido que ganha bem e está ocultando esta renda extra (talvez antecipando um possível divórcio); a mulher que guarda dinheiro escondido por não confiar no marido e por aí vai. As possibilidades são infinitas. A infidelidade financeira tem sido apontada como responsável por um grande número de conflitos e separações.

4-Não educar financeiramente os filhos: Hoje em dia, nove em dez pessoas defendem a importância da educação financeira, mas talvez nem uma em dez se preocupe em educar financeiramente os filhos e em dar bons exemplos de gestão financeira e de consumo dentro de casa. Muito se fala em educação financeira nas escolas, mas a capacidade de uma criança vencer a influência familiar é muito limitada, ainda que a escola se esforce muito em repassar excelentes conceitos econômicos. Negligenciar a educação financeira em casa é um incentivo para criar filhos mimados, e despreparados para lidar com os desafios cotidianos da vida, e pode acabar gerando conflitos entre o casal na hora de “buscar o culpado”. E você amigo leitor, como você lida com o dinheiro com o seu parceiro atual? Não deixe de fazer seu comentário, pois assim você contribui no debate do assunto. Até a próxima!

Disclaimer – A informação contida nestes artigos, ou em qualquer outra publicação relacionada com o nome do autor, não constitui orientação direta ou indicação de produtos de investimentos. Antes de começar a operar no SFN - Sistema Financeiro Nacional o leitor deverá aprofundar seus conhecimentos, buscando auxílio de profissionais habilitados para análise de seu perfil específico. Portanto, fica o autor isento de qualquer responsabilidade pelos atos cometidos de terceiros e suas conseqüências.

(*) Emanuel Gutierrez Steffen – Criador do portal www.manualinvest.com

Analfabetismo financeiro em alta na era da informação
Vamos fazer uma viagem ao passado? Anos 70, que tal? Neil Armstrong chegará à Lua.“Um pequeno passo para o homem, um grande salto para a humanidade”....
Armadilha das promoções: qual a lógica do “tão barato”?
Semana começando! E essa, em especial, após a “black friday”! E aí? Rolando uma “black ressaca” financeira, ou você conseguiu controlar esses instint...
Não supervalorize coisas
Um experimento social muito famoso, executado em diversos países e no Brasil, relaciona dois grupos de indivíduos: o primeiro grupo ganha um objeto e...
O brasileiro nasce, cresce, põe o nome no Serasa e morre?
A pergunta do título é, na verdade, uma piada (de mau gosto) antiga que circula no Brasil. Com as taxas de juros que praticamos aqui, é muito fácil s...



Muito bom e oportuno tema. E como este assunto é negligenciado ! Parabéns.
 
walmir santos em 18/01/2014 20:34:52
Nome do artigo deveria ser "QUATRO erros financeiros cometidos por casais".
 
Leandro Souza em 18/01/2014 16:06:48
Excelente matéria! O que mais me chamou a atenção foi o item 4, pois os filhos aprendem com as atitudes dos pais, dessa forma, temos (pais) que ser cautelosos para bem exemplificar situações corriqueiras que envolvam finanças domesticas. Conheço algumas pessoas que encartilham uma teoria para ensinar, mas tem atitudes totalmente diferentes, divergentes.
 
Marcia Costa em 18/01/2014 07:05:03
Parabéns pelo tema e texto! Quanto antes, durante e depois é sim muito importante conversar sobre dinheiro! Já tem uma frase interessante que diz " Quando o dinheiro entra pela porta o amor sai pela janela" rs. Valeu
 
Fábio Augusto Lopes em 17/01/2014 10:30:00
Gostei do artigo. E, realmente é verdadeiro este assunto.
 
orico aquino em 17/01/2014 10:23:08
Parabéns Emanuel! Assunto muito interessante para casais, e futuros casais!
 
Adrianna Ceres em 17/01/2014 10:13:36
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions