A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


04/07/2014 17:10

‘A invasão dos nanicos na AL’

Manoel Afonso

CANDIDATURAS Sem pressa. Para ganhar as ruas devem esperar passar o efeito da anestesia geral provocada pela Copa. Uma coisa de cada vez até para conter os gastos. Não há espaço para acomodar futebol e eleições em nosso imaginário.

Veja Mais
Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
Pizzas, os políticos não abrem mão delas

DISCURSOS Cada qual com seu tom e de acordo com o desenrolar da campanha. Às vezes é preciso amoldá-lo a fatos decorrentes da própria ‘caminhada’ e pode chegar ao final mais incisivo ou não dependendo das chances de ir para o 2º turno.

PROPOSTAS Como eu digo: proposta é promessa, é aceno de esperança. Candidato tem que prometer. Azambuja saiu na frente com seu plano de governo, que aliás, deve ser melhor explicado didaticamente à mídia e ao próprio eleitorado.

O BOLSO É o ponto nevrálgico de qualquer campanha. Quanto mais tarde ela iniciar, melhor para os candidatos. Na AL ouve-se relatos sobre a preocupação dos candidatos quanto aos gastos. Aliás, esse fator deve derrubar várias pré-candidaturas.

A PROPÓSITO Alguns se postam de candidatos, inclusive a reeleição, para negociar apoio ou de preservar espaço na futura administração. Mas os candidatos ao governo não estão dispostos a financiar campanha de quem quer que seja.

SINAIS A reeleição do fiel Mario Cesar para a presidência da Câmara mostra que os netos de André terão que esperar mais pela exclusividade dos seus afagos. Fortaleceu o PMDB para a sucessão de Olarte e conseguiu realinhar vários partidos.

FANTASMA? Bernal posta sua candidatura que deve passar pelo crivo da Lei das Inegibilidades. Pergunta-se: Mas quem ele pouparia das suas amargas e raivosas críticas? Quem seria beneficiado com seu discurso eleitoral?

PREVISÕES Ganhe quem ganhar agora, as eleições prefeiturais da capital serão das mais interessantes, não só pelos candidatos, como pelos grupos e caciques apoiadores envolvidos. Lembro: é preciso reavaliar a musculatura do Olarte. De leve.

JOÃO GRANDÃO Ficou maior no PT. Após a absolvição do caso Sanguessugas está vitaminado com sua atuação no MDA e aparecendo ao lado de Delcídio na entrega de equipamentos agrícolas e rodoviários. Preocupa os concorrentes no PT.

AINDA Com o quadro que se desenha nas eleições proporcionais pelas chances de eleição de vários postulantes de partidos nanicos, os deputados do PT sabem que essa coligação com o PR apertou o cerco. Não haverá espaço para todos.

RENOVAÇÃO Anote aí: Poderá chegar a 50% na Assembleia Legislativa. Será pela desistência de alguns, desgaste natural de prestígio, concorrência nas próprias bases, prejuízo nas coligações e ainda o castigo do cruel quociente eleitoral.

PREOCUPA Quantos jovens envolvidos na política você conhece na sua cidade? Essa alienação seria obra do acaso ou frustração pelas contradições e falta de ética? Aliás, essa pergunta deveria ser feita aos jovens pelos próprios políticos.

PASMEM! Só 25% dos jovens (16/17 anos) em condições, tiraram o título e deste grupo 26% dizem não estar interessados na política. Não é balela; o próprio TSE mostra a diminuição da participação dos jovens na política em vários Estados.

INTERNET Se a ligação dos jovens com esse instrumento é grande, presume-se que eles preferem os teclados que a efetiva participação na política. É aquela história: no universo digital fazem e acontecem, mas no mundo real são acomodados.

DÚVIDAS Nestas eleições a internet será uma fonte de informações rápidas ou apenas um mero instrumento de divulgar e multiplicar boatos? Qual o percentual de eleitores que serão influenciados pela internet nas suas escolhas aqui no Estado?

BATALHA Assim como o marqueteiro, a internet poderá ser decisiva. A divulgação por exemplo, de vídeo com imagens comprometendo o candidato, será explorada pela oposição, gerando desgastes, perda de votos e até da propria eleição.

NEM PENSAR? Seria o caso de dizer que o tradicional modo de se fazer campanha acabou? Não se pode mais tomar aquele cafezinho ouvindo os ‘pornográficos’ pedidos dos eleitores? Cá entre nós: essa lei eleitoral é utópica, uma brincadeira.

REAÇÃO Se aqui não é a Inglaterra, o eleitor gosta do afago, do contato direto que lhe permita intimidade com o candidato. Os programas de TV encantam, mas o contato pessoal faz a diferença para o cidadão comum, que adora ser paparicado.

ANOTE Pela formação cultural-política de nosso povo, no interior principalmente, conta muito o fator da pessoalidade, muito acima do partido inclusive. E quem melhor souber se identificar interagindo com a população, cairá no agrado.

PROBLEMAS Não é só pelo viaduto sem uso que caiu. Já começamos a ter a visão do ‘legado’ da Copa não só pela qualidade e custo das obras , como também pela inversão de prioridades. A pergunta: o que fazer com tantos ‘elefantes brancos’?

O DESAFIO dos adversários de Dilma será não se atritar com o eleitor torcedor ao focar o evento, independentemente do desempenho da seleção. Afinal, o brasileiro é passivo, emocional e assim facilmente manipulável. Todo cuidado é pouco.

OPOSIÇÃO Precisa primeiro aparar suas arestas para poder uniformizar o discurso. Esse pessoal parece marinheiro de primeira viagem; não se entende e pratica o ‘fogo amigo’, passando inclusive imagem de insegurança. Assim não dá!

“Em política, estar com a rua não é mesmo que estar na rua”. (Ulysses Guimarães)

Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
DESAFIO Se o presidente Michel Temer (PMDB) não vetar, caso o Senado aprove o projeto bizarro da Câmara, o país irá culpá-lo e perderá o apoio das ru...
Pizzas, os políticos não abrem mão delas
NÁUFRAGO Culpando a TV Globo e o juiz federal Sergio Moro, o ex-deputado Antonio Carlos Biffi (PT) tentou no saguão da Assembleia Legislativa justifi...
Invasores das escolas, a nova aposta do PT
LUZ AMARELA Os casos do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, com as finanças em colapso, estão sendo considerados pelo governador de Mato Grosso do Su...
Junior Mochi, ponto de equilíbrio na Assembleia
NOSTRADAMUS Não tenho seu dom, mas prevejo: o país de 2018 será outro. As delações premiadas da Odebrecht e Andrade Gutierrez cairão como meteorito n...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions