A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


16/06/2012 08:21

Amplavisão

Manoel Afonso

DAGOBERTO O pleito da capital está amarrado a sucessão estadual, com o PDT apoiando Nelsinho e André em 2014. Pelas pesquisas qualitativas, a candidatura de Giroto ganharia muito com a companhia do ex-deputado.

INTENÇÕES Para os observadores, Azambuja teria razoável espaço para crescer. Vai depender de alguns fatores ao longo da campanha. Ele quer se fortalecer na capital visando suas futuras disputas. Ele se espelha em André.

VANDER O que fazer para vencer essa terrível barreira da rejeição? Deixou de ser militante para virar cardeal que busca ‘emendas parlamentares’. Virou candidato de esquemas municipais. Falta-lhe popularidade e carisma.

BERNAL Como antes: só. Líder dele próprio. Não se reciclou; não se desarmou politicamente. Traz o espírito da vereança, onde não agregou companheirismo no PP. Supera o Antonio Cruz no individualismo partidário.

ELEIÇÕES Não há vacina e nem tratamento preventivo contra os efeitos da ‘mosca azul’, atraída principalmente pela vaidade e ambição de poder. O imaginário universo político seduz, dando asas a projetos utópicos inclusive.

MEMÓRIA Só Christopher Reeve, no papel do repórter Clark Kent tinha poderes para trocar em ‘segundos’ de personagem/roupas na cabine telefônica, transformando-se no Superman, capaz de resolver todos os problemas da cidade.

A POLÍTICA exige algo mais que apenas essa vontade de servir ( ou de se servir) através do poder. O sucesso na iniciativa privada, por exemplo, é referência, mas não é passaporte carimbado para a vida pública.

O ELEITOR separa as situações. Em casa cidade afloram os exemplos envolvendo profissionais liberais, empresários e ‘gente do ramo’. Cada candidato com sua história e projeto inseridos no contexto sócio econômico da comunidade.

O DESAFIO de cada um deles é se encaixar no leque de aspirações do eleitor, esse personagem às vezes individualista, passional e frio-calculista. A cada eleição chega-se a conclusão de que ainda conhecemos pouco do eleitor. Não é?

OS CIENTISTAS políticos tem suas teorias e deduções, mas não são pragmáticos nas exposições. Prefiro a análise mais objetiva das pesquisas, das urnas e do que se consegue extrair da livre manifestação do dia a dia.

CENÁRIO Para os políticos interioranos acabou a velha fidelidade das famílias. O voto ficou individual; cada qual com sua visão/interesse. O poder patriarcal não interfere mais na opção política da mulher e dos próprios filhos.

MUDANÇAS As grandes famílias enfraqueceram pela perda patrimonial e divisões naturais pelo aculturamento da nova geração. Impossível a união de todos os membros para transformá-la na força decisiva como antigamente.

E MAIS... A dependência econômica pela relação empregatícia não vincula mais o voto do empregado à preferência patronal. Às vezes essa divergência sinaliza mais um gesto de libertação política do que conscientização do empregado.

E AGORA? Bastariam candidatos idôneos, discursos moralistas/ propostas geniais? Se estivéssemos na Suécia e Dinamarca talvez! É igual no casamento: se exige namoro, noivado, festa, bolo e lembrancinhas para dar o clima do evento.

MARKETING Antigamente bastava uma corneta de som no caminhão e cartazes de gráficas amadoras. Agora a imagem do candidato vale igual ao seu discurso. Há todo um aparato sofisticado que custa muito caro. E como custa.

‘ASTRO’ O eleitor foi contaminado pelo padrão de estética da TV. Seu senso

crítico passa pela imagem, expressão facial, roupas, cor da gravata e cabelos do candidato. Confunde ou compara inconscientemente o candidato com o ídolo.

LENDA “Quem gosta de pobreza é intelectual”. O eleitor precisa ter orgulho do seu candidato. E aí recorrem à tecnologia fotográfica para corrigir imperfeições e melhorar o visual nos cartazes e santinhos em papel colorido/brilhante.

ARMAS A internet acabará influenciando na campanha de acordo com o nível do eleitorado. O mesmo se pode dizer das emissoras comunitárias de rádio das cidades menores. Quem souber usar bem, levará algum tipo de vantagem.

COMÍCIOS Ficaram engessados pela lei, mas no interior ainda mantém o charme e a influência sobre parte dos eleitores indecisos. O problema é equacionar o tempo para o discurso de todos os candidatos à vereança. ‘Operação de guerra.’

CANDIDATO a vereador não admite ficar sem falar. É questão de honra! Em muitos casos o silêncio seria mais vantajoso. O discurso representa uma sabatina, espécie de provação para ‘a vida pública’. É assim pelo Brasil afora.

CHANCES Pelas pesquisas poucos eleitores já escolheram seu candidato à vereador. Quanto menor o colégio eleitoral, maiores as chances dos postulantes. Em algumas cidades do MS será possível se eleger com menos de 200 votos.

INTERIOR Candidato à vereança não pode exigir ‘atenção especial’ do candidato a prefeito. Criaria ciúmes/problemas na campanha. Cada qual deve imprimir seu estilo, segundo suas condições e relações pessoais na comunidade.

“A defesa é tão importante quanto a acusação”. (Márcio T. Bastos)

Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
DESAFIO Se o presidente Michel Temer (PMDB) não vetar, caso o Senado aprove o projeto bizarro da Câmara, o país irá culpá-lo e perderá o apoio das ru...
Pizzas, os políticos não abrem mão delas
NÁUFRAGO Culpando a TV Globo e o juiz federal Sergio Moro, o ex-deputado Antonio Carlos Biffi (PT) tentou no saguão da Assembleia Legislativa justifi...
Invasores das escolas, a nova aposta do PT
LUZ AMARELA Os casos do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, com as finanças em colapso, estão sendo considerados pelo governador de Mato Grosso do Su...
Junior Mochi, ponto de equilíbrio na Assembleia
NOSTRADAMUS Não tenho seu dom, mas prevejo: o país de 2018 será outro. As delações premiadas da Odebrecht e Andrade Gutierrez cairão como meteorito n...



Senhor Manoel Afonso.a situaçaõ do Bernal naõ é boa ele tirou o cruz do PP,quem tem voto neste PP , dependendo o desempenho dele nesta eleiçaõ poderá comprometer seu futuro politico, naõ se reelegendo na proxima para deputado, mesmo com este canhão de voto que ele tem na maõ que é a Rede Ms de televisaõ e radio
 
Messias Neves em 23/06/2012 09:02:48
Caso o Bernal consiga viabilizar a sua candidatura a Prefeito de Campo Grande, mesmo não indo para o segundo turno, com certeza o seu apoio será o fiel da balança no segundo turno.
 
antonio pereira em 19/06/2012 01:20:53
A eleição para Vereador na capital apresenta uma característica que não serve de paradigma para os municipios interioranos; aqui estão 1/3 do eleitorado do estado, o cargo de vereador tem mais peso, por isso mesmo, quem não tiver cacife, dificilmente conseguirá desbancar os atuais ocupantes das cadeiras, e, as 8 novas vagas, pelo andar da carruagem já têm nome e sobrenome. É briga de foice mesmo.
 
bene rodrigues costa em 18/06/2012 09:25:52
Manoel conseguiu fazer uma de suas melhores colunas políticas. Clara, objetiva, informativa, e repleta de sutilezas que só ele sabe elaborar. Parabéns.
 
Dante Filho em 17/06/2012 11:40:34
Quem é Cruz? quem é Bernal?
 
Madalena Arre Pendi em 16/06/2012 06:14:40
Eu entendo que essa polemica que envolve vereador e deputado de nossa cidade, pelo certo a vaga deveria mesmo ficar com o suplente, visto que uma coligação se forma para reunir forças e conseguir vitórias e triunfos,portanto nada mais doque justo o somatório de votos servirá para agasalhar maior numero de coligados possível; portanto minha maneira de entender nada vale uma vez que jurisprudencia do STF declina para o suplente do partido e não da coligação
 
periperis rodrigues do prado em 11/03/2011 12:32:20
Concordo com o colunista no que se refere à Antonio Cruz. E mais, o erro banal foi acreditar que podia tudo e que fazia tudo e não precisava de ninguem, confundiu benemerencia, com politica, achou que podia eleger o filho somente por ser seu filho. Na verdade usou o partidoe não o serviu. Independente dos 54 mil votos que teve no passado, e que fique bem claro, no passado... a politica olha para frente...
 
João Carlos em 11/03/2011 05:22:56
Caro Manoel Afonso, me chamou atenção essa história do PP! Afinal quem teve 54 mil votos tem sim seu prestígio muito mais de quem teve 26 mil votos, quem teve mais de 22 anos de vida publica pautado no trabalho. O Cruz não e passado não ! O
Dornelles conheceu o bernal essa semana, enquanto o Cruz tem uma amizade partidária e pessoal há mais de 10 anos. Lembre-se Manoel AFonso você sabe muito bem que esses 54 mil votos são votos do Cruz mesmo o que não se pode falar dos outros. Ainda mais que em marco tem eleições no PP nacional e que vai ser o presidente será o senador Benedito lira /AL amigo pessoal do Cruz sem contar com a bancada federal onde o mesmo goza de prestígio . Sei não, acho que enganaram o bernal!
 
Bruno richie em 06/03/2011 12:56:34
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions