A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


06/01/2012 11:00

Amplavisão

Manoel Afonso

POPULARIDADE Faz parte da política, mas não é tudo. Sem consistência, ela fica abaixo da credibilidade. A primeira vista seriam iguais, mas é só aparência. Você daria uma procuração para quem é popular ou quem tem credibilidade?

Veja Mais
A lealdade de Zé Teixeira e a gratidão do governador
Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação

SILVIO SANTOS. Como não gostar dele? Mas não há que se misturar sua capacidade no palco com a credibilidade na vida pública, íntimo dos meandros que compõem o intrigado universo político. Uma coisa é uma coisa. Outra coisa é outra coisa.

MEMÓRIA Naqueles dias de delírio como ‘candidato à presidência’, Silvio percebeu que seu negócio era outro. E concluiu: a tinhosa/experiente classe política iria estragar sua biografia e fritá-lo sem dó à ‘moda passarinho’.

A CREDIBILIDADE política é construída ao longo dos episódios do cenário político. Concorrem para sua formação: a coerência, o caráter, fidelidade aos princípios, a capacidade de somar, articular e o respeito até dos adversários.

CONVENHAMOS: Popularidade também não é algo que se compre pronta. Há o processo de construção e o desafio de se manter esse status. Aliás, o saudoso Rui Pimentel alertava para o risco do ‘popular’ cair na vala do vulgar.

‘MILAGROSOS’ Leio muito os livros dos marqueteiros políticos. Uns copiam as receitas de outros e acrescentam algumas teorias e dicas. Eles seguem a mesma linha dos escritores que faturam alto com o filão de ‘auto ajuda’.

A QUESTÃO da popularidade passa pela mudança comportamental e de imagem. Aí listam: novos hábitos e posturas sociais, roupas, disposição de ouvir, simplicidade e simpatia nas relações no lugar da arrogância e auto-suficiência.

COMPARO ‘marketing político’ aos livros milagrosos de dieta, onde o obeso desiste ao concluir: o êxito depende de legumes em vez de frituras. No caso do político, ele não se violentará mudando. Optará pela máscara temporária.

CONVERSÕES de propósito de vida a gente encontra muito na bíblia. No mundo atual, onde o ‘ter’ sobrepõe ao ‘ser’, o eleitor – capital e interior - deve ficar com um ‘pé atrás’ com os lobos camuflados em peles de cordeiros.

NO QUADRO político não há clima para personagens tipo ‘São Francisco de Assis’. Pelo contrário, a maioria é movida pela vaidade e busca de algum tipo de vantagem. Não é uma crítica, mas sim uma constatação obvia.

ARREMATE Jeito para a político é instintivo. Pode-se aprender algumas dicas, mas a essência está no DNA. Seria comparar o aprendiz de piano por correspondência e o outro que nasceu ouvindo os acordes do instrumento do pai.

CESAR MAIA “Nunca minta; fale o necessário. Fique bravo por fora, mas tranqüilo por dentro. O voto se pede: mas não se suplica. Não tranque as portas; no máximo as feche. Prometa só possível. Nunca mude de personagem.”

E MAIS... A retórica pomposa ridiculariza. A eleição de hoje não é a última da história. Cada aperto de mão é uma pesquisa qualitativa. Seu publicitário sabe menos de política do que você. Ideologia não é tudo na política.

PODE? O STJ (33 juízes) tem 3.849 funcionários; 160 automóveis/48 furgões/vans, ônibus/. No orçamento de R$940 milhões (2010), R$170 mil para água mineral, R$225 mil em vacinas e R$286 mil na conservação dos jardins.

OPINIÃO: Local ideal para um shopping é próximo ao aeroporto, de fácil acesso pela Afonso Pena e valorizado pelas obras construídas pela prefeitura. Imagine um shopping e um hotel com vistas para a pista de pouso! Sensacional.

A CAPITAL está bonita; o visual encanta os moradores e visitantes. A noção de espaço aqui é diferente do que se vê em São Paulo, por exemplo. Ruas largas, calçadas espaçosas e canteiros centrais das avenidas de encher os olhos.

NELSINHO vai bem e encanta pela postura simples. Suas obras estão aparecendo, dando-lhe musculatura política. É cabo eleitoral de peso na sucessão da capital. Neste ritmo termina o mandato sendo chamado de Nelsão.

INFELIZMENTE nem todos os campo-grandenses conhecem sua cidade por inteira. É preciso percorrer as novas avenidas para sentir sua grandeza. Aqui, longe é um lugar que não existe - graças ao sistema de integração viária.

BOLA CHEIA Fábio Trad e Giroto na lista dos deputados mais atuantes, segundo publicação na revista Veja. Politicamente o fato é positivo; não poderia passar em branco. Ambos aparecem em out-doors espalhados pela capital.

LEMBRETES-1: O sucesso torna as pessoas modestas, amigáveis e tolerantes; é o fracasso que as faz ásperas e ruins. O dinheiro não traz felicidade, mas ela ajuda a trazer dinheiro. Escrever é não esconder a nossa loucura.

LEMBRETES-2: Quando a gente acha que tem todas as respostas, vem a vida e muda todas as perguntas. Imagem é o que parece ou o que mais aparece. O essencial não há quem enxergue. Todo mundo é só a ponta do seu iceberg.

LEMBRETES-3: Roubar idéias de uma pessoa é plágio. Roubar de vários, é pesquisa. No fim, o que a gente mais sente do passado é o seu futuro. Goste de seu trabalho, seja qual for. Controle seu destino ou alguém controlará. (L.F. Veríssimo)

A lealdade de Zé Teixeira e a gratidão do governador
‘MÁGICAS’ A diferença entre ‘acórdão’ e ‘acordão’ não é apenas na acentuação. Se o ministro Ricardo Lewandowski inventou que a ex-presidente Dilma Ro...
Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
DESAFIO Se o presidente Michel Temer (PMDB) não vetar, caso o Senado aprove o projeto bizarro da Câmara, o país irá culpá-lo e perderá o apoio das ru...
Pizzas, os políticos não abrem mão delas
NÁUFRAGO Culpando a TV Globo e o juiz federal Sergio Moro, o ex-deputado Antonio Carlos Biffi (PT) tentou no saguão da Assembleia Legislativa justifi...
Invasores das escolas, a nova aposta do PT
LUZ AMARELA Os casos do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, com as finanças em colapso, estão sendo considerados pelo governador de Mato Grosso do Su...



Manoel Afonso, leio sua coluna, porque você e um homem inteligente. Porem seu preconceito com a esquerda no MS nao e bom pra democracia. voce e um formador de opinião. deveria fazer uma alto critica, pois, parece que tudo que o governo de MS e a prefeitura de CG e certo e maravilhoso e tudo que a esquerda faz e ruim e fora da lei. Existem bons politicos dos 2 lados. nao seja imprensa marrom.
 
jose de abreu em 10/01/2012 06:22:21
Meu caro Manoel Afonso, diz a letra de um conhecido samba: quem não gosta de samba, bom sujeito não é. Eu acrescento o seguinte: quem não gosta de política. bom cidadão não é. Deveria ser obrigação de toodo cidadão, participar das decisões políticas do país, do estado, e, principalmente do seu municipio, porque é nelo que vivemos. Sua coluna exerce um importante papel em nossas opiniões.
 
bene rodrigues costa em 07/01/2012 09:23:20
Caro Manoel Afonso, sempre leio sua coluna. Seus comentários são inteligentes, argutos e, nas entrelinhas, encontra-se muito mais do que na superfície... E eu sei que é exatamente isso o que você deseja. Parabéns, você já está fazendo história!
 
Antônio Cézar Lacerda Alves em 06/01/2012 11:38:33
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions