A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


17/04/2015 11:02

Desafios de Reinaldo: André & relógio

Manoel Afonso

O TEMPO O desafio contra o relógio é um pesadelo para os políticos. Quem está no poder – por exemplo - corre contra o fator tempo, como aquele time de futebol que quer e precisa verdadeiramente ficar em vantagem no placar ao final do jogo.

Veja Mais
Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
Pizzas, os políticos não abrem mão delas

REINALDO tem manifestado reiteradamente a preocupação em vencer os desafios da saúde e segurança pública. Essa insistência beira a obsessão, injustificável pelo pouco tempo que comanda o Governo. Em tese, teria muito tempo pela frente.

NA POLÍTICA a cobrança é proporcional as promessas porque geram expectativas. Tendo vencido as eleições com seu plano de metas, Reinaldo precisa agora adequar o seu programa de governo à realidade sócio econômica do Estado. Só isso.

EQUÍVOCO A propaganda do Governo insiste naquelas duas vertentes de campanha. Corre assim o risco de minimizar os outros problemas. Lembrando: o candidato, André pulverizou seu programa em 15 pontos, ganhando mais mobilidade.

LEMBRO: A situação do país mudou após as eleições. É unanimidade nacional de que o Governo praticou o estelionato eleitoral e que a realidade econômica é outra. Por consequência Reinaldo tem argumentos de sobra para se adequar ao quadro.

VEJA BEM! Se a atividade econômica diminuiu, o Estado arrecada menos e ainda será prejudicado com os cortes do orçamento da União. É dentro desse contexto que a nova administração deve se inserir. Não tem a varinha mágica da ‘fada’.

MUDANÇA? Reinaldo anunciou agora sua disposição de se fixar apenas no horizonte, ignorando o retrovisor. Precisa também, se habituar ao onipresente fantasma de André, incrivelmente motivado ao debate que lhe tem sido oferecido de bandeja.

CRISTAIS Embora o deputado Jr. Mochi tenha demonstrado equilíbrio na sua fala crítica sobre a versão do Governo das contas finais, ficou claro a posição da bancada pró André. Reinaldo já percebeu: as relações com o legislativo são delicadas.

IMPRESCINDÍVEL em certas situações que a interlocução entre o Governo e o Legislativo seja eficiente e rápida. Exige-se habilidade e estatura política. Sergio de Paula – chefe da Casa Civil – parece-nos o mais indicado para essa missão.

O FUTURO A exemplo do que faz no Planalto em relação do PT, até quando o PMDB local praticará a contradição política de se apresentar como força auxiliar do PSDB? É que as eleições vem chegando e as cobranças nas bases eleitorais inevitáveis.

O RELÓGIO Essa maldita invenção que aprisionou o homem, corre contra Reinaldo. Em tese, ele precisa fazer já, pensando em 2016. Há questões e interesses convergentes dentro do próprio Governo, partido e dos aliados que não podem ser esquecidos.

BOA IMPRESSÃO Feliz com seu pedido atendido para a recuperação imediata da BR 060, o deputado Marcio Fernandez saiu do DNIT convicto: Giroto é o diretor executivo no órgão, decidindo com maestria e eficiência que cada caso requer.

LEMBRA o ex-deputado Valter Carneiro: Em 1970 um dos argumentos levados ao governador Fragelli para beneficiar Dourados com a unidade da Casemat, foi o ‘notável crescimento da lavoura na região que já se utilizava de 3 colheitadeiras’.

GEISEL é pouco lembrado diante da figura emblemática de Getúlio, mas para a região de Dourados ele foi importante. Valter lembra: as ações do Prodegran lançado pelo presidente na sua visita em 1976 mudaram os rumos da Grande Dourados.

HISTÓRIA: Getúlio Vargas só sobrevoou a região de Dourados em 1941; em 1957 JK veio e inaugurou a BR-163; em 1963 J. Goulart entregou os títulos da colônia; em 1980 foi a vez de Figueiredo; em 2010 Lula ( em campanha) visitou obras federais.

A PERDA Para o jornalista Guilherme Filho, a não concretização da ferrovia ligando Dourados ao Paraná ( abortada por Sarney em favor da Norte Sul) prejudicou a região, sem representação política forte que lhe desse uma sustentação à altura.

COMPARANDO No que diz respeito a ética (leia-se honestidade) dos governos militares no trato do dinheiro público, a administração petista perde feio. Já pensou esse pessoal do Zé Dirceu no comando das obras daquela época! Festa geral!

HOJE qualquer obra ou investimento do Planalto gera desconfiança sobre o custo real e a cobrança de pedágio pelos políticos e partidos. Não é exagero! Os depoimentos dos empresários na Lava Jato provam: para tocar obra eles pagavam propina.

MEMÓRIA Se o hoje líder partidário na Assembleia Legislativa não tem peso nas tratativas com o Governo, com Harry Amorim era diferente. Para ser atendido pelo governador, o deputado ia à audiência junto com o líder de seu partido.

A PROPÓSITO O legislativo estadual de hoje não tem a estofo das legislaturas passadas. Os interesses pessoais se sobrepõem claramente a questão partidária – num cenário varejista que não empolga, gerando um clima de preocupação.

SIMONE Após a senadora opinar no projeto instituindo o voto distrital na eleição de vereadores nas cidades com mais de 200 mil eleitores, o senador José Serra confessou de forma admirável: “ganhei o dia hoje com a intervenção da senadora Simone”.

PAULO CORRÊA Entregou-me cópia do inquérito administrativo promovido pela Comissão de Valores Mobiliários para apurar denúncias contra a Rede de Energia S.A. E mais: o deputado está consciente da cobrança de resultados desta CPI.

“Você tem o relógio. Eu tenho todo o tempo.” (do beduíno ao europeu apressado)

Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
DESAFIO Se o presidente Michel Temer (PMDB) não vetar, caso o Senado aprove o projeto bizarro da Câmara, o país irá culpá-lo e perderá o apoio das ru...
Pizzas, os políticos não abrem mão delas
NÁUFRAGO Culpando a TV Globo e o juiz federal Sergio Moro, o ex-deputado Antonio Carlos Biffi (PT) tentou no saguão da Assembleia Legislativa justifi...
Invasores das escolas, a nova aposta do PT
LUZ AMARELA Os casos do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, com as finanças em colapso, estão sendo considerados pelo governador de Mato Grosso do Su...
Junior Mochi, ponto de equilíbrio na Assembleia
NOSTRADAMUS Não tenho seu dom, mas prevejo: o país de 2018 será outro. As delações premiadas da Odebrecht e Andrade Gutierrez cairão como meteorito n...



ELEIÇÕES MUNICIPAIS - É inegável a tese de que os profissionais da mídia são formadores de opinião, e nesse quesito, bem que poderiam ajudar os eleitores da capital, inovando com relação às candidaturas, fazendo um contra-ponto às indicações dos caciques partidários. Minha sugestão se baseia na espontaneidade das candidaturas, onde a mídia abriria uma enquete para saber da população quem ela gostaria de ver candidato a prefeito; éssa idéia possibilitaria a inserção de nomes não listados pelos partidos políticos, porém, reconhecidos pelos eleitores por sua integridade de caráter principalmente, mas que por motivos de foro íntimo, preferem omitir-se, mas, enquanto isso, os oportunistas de carteirinha se aproveitam da situação e são enfiados goela abaixo, sem contestação. Bene.
 
benedito rodrigues da costa em 19/04/2015 03:02:47
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions