A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2017


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


09/05/2014 13:56

‘Eleições: pare, olhe, escute‘

Manoel Afonso

NOS VESTIÁRIOS Se Azambuja tenta organizar sua comitiva; o contorcionismo de André impressiona; Delcídio evita que o óleo da Petrobras queime a junta do cabeçote de seu motor; Nelsinho mais observa do que age em campo aberto.

MÁGICAS? Elas não existem nas campanhas eleitorais. Mais prosopopeias e falácias do que verdades. Hoje existem mais dúvidas do que certezas nos partidos, na classe política e principalmente naqueles que se aventuram numa candidatura.

ACREDITE Cada liderança vende seu peixe segundo as conveniências pessoais. Ouço papos de encomenda, de arrepiar quem tem juízo e conhecimento. Essa Copa será a pausa esperada para a construção definitiva de candidaturas. Até lá...

PORTANTO... ninguém é de ninguém até aqui. Muita gente fazendo jogo duplo para ter certeza de que fará a melhor opção pessoal. Dane-se o partido. Mas o cargo mais cobiçado até aqui é de suplente de senador. Benefícios a custo zero.

AZAMBUJA Ele e Marcio Monteiro coordenaram a campanha da Marisa ao governo e sabem o que é lidar com a falta de grana no 2º turno. Normalmente os incentivadores de candidaturas não são bons financiadores na campanha. ‘Muy amigo’.

IMPROVÁVEL Especulado para candidato ao Senado, Sergio Longen (FIEMS) usa a tática de manter distância mas sem apagar a chama. Inteligente, sabe que hoje Simone já voa alto e para abatê-la seria necessária uma operação complicada.

BOBAGENS O fermento da pré-campanha está calcado nas especulações que povoam o cenário. Alguém ainda fala do Odilon candidato? Empresário dando R$ 20 milhões pela indicação ( mau negócio) de vice-governador. Poupe-me, please!

CACIQUES Aqueles que tentam reeditar essas mirabolantes histórias como essa do cacifado empresário, estão fora de sintonia. Precisam frequentar ambientes onde se sente a adrenalina do trabalho e de sacrifícios do mundo real.

UTOPIA Claro que ela faz parte da política, mas igual ao preparo do prato delicioso - não se pode exagerar na dose. Utopia não há que se ser confundida com a simples ousadia, cuja construção pode ser parecida, mas de essências diferentes.

RECADO Os políticos precisam comparar o momento atual com o ritual da travessia da passagem ( cruzamento) em nível da ferrovia na estrada. Devem obedecer ao recado da velha placa - “pare – olhe – escute” – sob pena de assumir grave risco.

PERGUNTO: Será que os políticos pararam, olharam demoradamente e entenderam aquele recado das manifestações de ruas no ano passado? Hoje as pesquisas mostram a forte rejeição popular a esse tradicional fantasioso discurso político.

A CERTEZA Reiventar a comunicação entre o candidato e o eleitor é preciso. Os programas tem a mesma moldura (imagens, músicas e frases). Esse último programa do PC do B esvaziou a sala e remeteu-nos à Coreia do Norte. Dinossauro.

SINCERIDADE Tem gente apostando nesta formula simples sem truques visuais, onde o candidato só discorre sobre seus projetos. Aliás, esse último programa do Aécio foi bem isso, agradando o pessoal da comunicação e o eleitor interessado.

MUDANÇAS É melhor investir na estrutura de campanha nas redes sociais do que contratar um dentista/protético para fornecer dentaduras. Afinal mais de 100 milhões de brasileiros acessam a internet por duas horas diárias em média. Certo?

BATALHAS Serão 3: a primeira do corpo a corpo, das ruas e visitas tradicionais, talvez com direito a cafezinho; a segunda no enfadonho horário eleitoral, e a última no campo digital ( byte a byte) cada vez mais democrático e muito perigoso.

NÚMEROS Como desprezar a grande maioria com acesso a internet/uso do celular? Se não vota pode influenciar de alguma forma o vizinho, colega de serviço e parente. Tem candidatos achando que só abraço resolve. Não é mais bem assim.

EXEMPLO Como convencer que a saúde vai bem, se o eleitor que tem acesso a mídia já tem seu juízo de valores entre os gastos da Copa e os investimentos naquela área? Como esconder o fantasma da carestia que volta a rondar nossos lares?

QUEM DECIDE? Os bolsistas, aquele da classe média, o formador de opinião que influencia com base nas pesquisas, a elite de alguma forma, ou o poder de exposição do político que melhor passar sua proposta e conseguir convencer?
BRONCAS Vem dos políticos acostumados simplesmente a acertar os votos de uma família inteira. Se o empregado hoje não atende ao pedido do patrão, na família essa desvinculação é crescente. O candidato do pai não é o mesmo do filho.

CENÁRIO-MS Dados de 2012: 80 mil eleitores analfabetos (4,5%), 85 mil (4,7%) cursaram faculdade. Cerca de 620 mil (35%) tem o ensino fundamental incompleto e mais de 50 mil jovens ( cabeças feitas ) entre 16/18 anos aptos ao voto.

CRITÉRIOS Cada candidato ao legislativo tem o seu na campanha. Vai depender de sua condição econômica e da sua inserção no cenário eleitoral. Às vezes formulas simples e práticas superam candidaturas sofisticadas e complexas.

ESTRANHO Até aqui a sucessão estadual não chegou ao plenário da Assembleia. O papo ainda restrito discretamente aos grupos dos deputados, como se o assunto fosse proibido. Esse comportamento intriga e induz a muitos questionamentos e dúvidas. Sei lá...

“O Lula é a esquerda que a direita sempre sonhou”. ( Leonel Brizolla)

PMDB de MS também fragilizado pela Lava Jato
OS IGUAIS A citação ou denúncia envolvendo cardeais do PMDB em esquemas de corrupção colocam o partido em pé de igualdade do PT em termos de credibil...
Clamor popular contra impunidade do policial matador
IMPUNIDADE O conjunto de manobras para beneficiar Ricardo Hy Um Su Moon, o policial rodoviário federal assassino do empresário Adriano Correia do Nas...
Marquinhos e Reinaldo juntos nas eleições de 2018?
DESMAMA Há quem pregue: o prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), deveria imitar seu colega do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), acaba...
Algo mudou, só os políticos não percebem
NA MOSCA As centrais sindicais estão 'pê da cara' pelo risco de ficarem sem o velho dinheiro carimbado do imposto sindical. Essa CLT octogenária, ran...



A comunicação entre os candidatos e os eleitores, e, mesmo as mensagens das agremiações partidárias, merecem e carecem de uma repaginação; o horário político na TV, mas se assemelha ao programa de uma emissora televisiva intitulado "vale a pena ver de novo", e por isso mesmo não mais atraem a atenção dos telespectadores. Nada melhor do que os antigos comícios que obrigam os candidatos demonstrar quais os projetos, programas e inovações que pretendem incrementar no seu mandato, possibilitando ainda o velho "olho no olho" que pode impressionar o eleitor indeciso. o crescente número de candidaturas têm dificultado e muito, os antigos campeões de votos, dada a pulverização das coligações, motivo de real preocupação dos detentores de mandato que tentam a reeleição.
 
benedito rodrigues da costa em 10/05/2014 09:53:51
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions