A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


14/08/2015 10:54

‘Escândalos não alteram pesquisas na capital’

Manoel Afonso

O DEBATE A pretensão do Planalto em unificar o ICMS para ‘acabar com a guerra fiscal’ entre os Estados é repelida na classe política e empresarial. A opinião dominante é que MS perderá o poder de fogo ou de barganha na atração de indústrias.

Veja Mais
Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
Pizzas, os políticos não abrem mão delas

SERGIO LONGEN (FIEMS) tem autoridade para dizer que com a alíquota única de 4% do ICMS muitas indústrias deixarão o Estado, provocando desemprego e queda na renda. Todo o trabalho de atrair indústrias seria destruído a curto prazo.

LEMBRA a senadora Simone Tebet que a proposta prejudica 9 Estados e para MS a queda seria de 16%, perto de R$ 360 milhões mensais. Citou ainda a situação cômoda de São Paulo; independe do ICMS, pois fatura alto com o IPI e os royalties.

BALELA? A proposta de se criar um ‘fundo’ para dividir recursos visando compensar os prejuízos dos Estados é rechaçada pela senadora. Cita o golpe do Planalto com a Lei Khandir que isentou do ICMS nossos produtos agrícolas para exportação.

PÉ ATRÁS Apesar dos argumentos do ministro Levy, o governador Reinaldo está ressabiado. Como tocar o Estado com menos dinheiro? Esse ‘fundo’ dependente do dinheiro sujo a ser repatriado é uma incógnita, passa insegurança e dúvidas.

EXPLICANDO: É um Projeto de Resolução da Presidência da República, apreciado só no Senado; não passa pela Câmara. Aprovado, vai direito ao Executivo para sancioná-lo. Como ele beneficia a maioria dos Estados (ricos) a aprovação é certa!

DELCÍDIO É acusado por Simone de articular a aprovação deste projeto em prejuízo ao MS. Ele se defende, diz tratar-se de interpretação equivocada face as garantias dadas pelo Planalto. Um assunto que será explorado politicamente no futuro.

A BATALHA Acusado de 6 irregularidades o prefeito Olarte respira graças a sólida base parlamentar. A tendência é que ele permaneça no cargo por força dos dispositivos que devem embasar sua defesa, independente das manifestações em plenário.

ANOTE: A derrubada de Olarte interessaria de perto ao PT por motivos óbvios. Aliás, a escolha de Campo Grande para receber a fiscalização da Controladoria Geral da União é uma ‘baita coincidência’, mostra o dedo de gente graúda neste episódio.

DEFINIÇÃO de Lauredi Sandin, do IPEMS: O candidato tem que estar na agenda do eleitor ; não há espaço para nomes saídos da cartola; conta muito a baixa rejeição individual. Confira abaixo as conclusões do cenário atual em Campo Grande.

VEJAMOS: André, Reinaldo e Nelsinho – pela ordem – seriam os grandes eleitores que transferem prestígio. Os últimos escândalos não teriam abalado o prestígio dos peemedebistas que continuam muito presentes no imaginário do eleitor.

MARQUINHOS: Não teve desgastes algum em seu prestígio após o ‘Lama Asfáltica’ e sua rejeição é incrivelmente baixa. Sua associação ao irmão Nelsinho não o prejudica e sim o beneficia. As dúvidas nestes dois questionamentos foram sanadas.

SIMONE: Apesar de seu distanciamento do embate, continua fortíssima e sem rejeição. A seu favor os eleitores citam a influência do pai e a experiência como prefeita de Três Lagoas. Pasmem! Seria a adversária de Marquinhos no segundo turno.

BERNAL: Apesar de estar frequentando a mídia para tentar voltar ao poder, não cresceu nas pesquisas a ponto de desbancar Marquinhos. Aliás, ficaria de fora do 2º turno com Simone candidata. Tem dificuldades de agregar apoiamentos.

O CENÁRIO mostra o PT enfraquecido, sem um nome pontuando com destaque. Também a vice governadora Rose aparece ainda sem a musculatura ideal, mas não se pode esquecer: tem carisma, poder de fogo e um padrinho muito forte.

GOLPE? Para o deputado Barbosinha o PT acostumou-se na surfar na maioria e agora critica a oposição contra Dilma. Na sessão desta quinta feira ele usou da tribuna para rebater com lucidez o discurso de Kemp sobre a tal ‘tentativa de golpe’.

BARBOSINHA lembrou: o PT cresceu nas ruas, não pode recriminar a livre manifestação popular. Ressaltou que as ações da ‘Lava Jato’ estão dentro da lei e que não procedem as críticas e lamúrias petistas contra o juiz Sergio Moro.

IMPEACHMENT Lula tenta salvar o Governo. Mas no TSE dois ministros já votaram pela investigação do governo Dilma. Os desdobramentos da Lava Jato assustam o PT e tem gente da CUT falando em pegar em armas. Ué! A Venezuela é aqui?

NAS RUAS Só os petistas tem motivos para ficar em casa. Questiono: mas será que eles teriam desconto exclusivo nas compras dos supermercados, na conta de energia e dos combustíveis? Só pode! Vivem outra realidade, sem inflação é claro!

ZÉ TEIXEIRA Lembra: apenas procedeu a normatização da assistência médica aos deputados face a nova realidade econômica, economizando R$ 400 mil mensais. Com sua franqueza, mostra os desafios que vai vencendo no cargo de secretário.

INUSITADO Deputado Marcio Fernandes proporá o fim do limite mensal (hoje de 20) da gratuidade nas viagens de ônibus intermunicipais aos cegos, além do desconto (pela Energisa) na taxa de iluminação pública e do consumo residencial.

EVIDENTE que o projeto motivará debates, mas após o encontro com o presidente da Associação dos Deficientes Visuais da capital, Silvano Azevedo, o deputado saiu convencido: trata-se de um segmento social desprotegido que sofre calado.

“Cometi um erro, não um crime”. (ex-ministro José Dirceu)

Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
DESAFIO Se o presidente Michel Temer (PMDB) não vetar, caso o Senado aprove o projeto bizarro da Câmara, o país irá culpá-lo e perderá o apoio das ru...
Pizzas, os políticos não abrem mão delas
NÁUFRAGO Culpando a TV Globo e o juiz federal Sergio Moro, o ex-deputado Antonio Carlos Biffi (PT) tentou no saguão da Assembleia Legislativa justifi...
Invasores das escolas, a nova aposta do PT
LUZ AMARELA Os casos do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, com as finanças em colapso, estão sendo considerados pelo governador de Mato Grosso do Su...
Junior Mochi, ponto de equilíbrio na Assembleia
NOSTRADAMUS Não tenho seu dom, mas prevejo: o país de 2018 será outro. As delações premiadas da Odebrecht e Andrade Gutierrez cairão como meteorito n...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions