A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


15/05/2015 11:21

'Os políticos e o doce osso do poder’

Manoel Afonso

A PERGUNTA: quando é que o político deve deixar a vida pública e se recolher à família e atividades inerentes à idade? A morte do ex-senador Luiz Henrique aos 75 anos, após 44 anos de militância e exercício de cargos oportuniza a abordagem.

Veja Mais
Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
Pizzas, os políticos não abrem mão delas

IMAGINO: Há tempos ele não sabia o que era ficar na fila do supermercado, banco ou andar na rua para tomar um café como simples mortal! É como digo: depois de eleitos os políticos vivem apressados e com o celular a vida deles ficou ainda pior.

OS POLÍTICOS teimam em não aceitar o conselho de Douglas Malloch, de que “ não podemos ser todos capitães... alguns temos de ser tripulação”. Todos eles querem ser o pinheiro no alto da serra, ninguém quer ser um simples arbusto no vale.

O TEMA é controverso, pois essa atividade é liberta de regras e conceitos. Depende das condições, da personalidade, carisma e apego ao poder que tanto fascina o homem no mundo em todas as épocas. Desapegar do poder é um desafio doído. Se é!

IMPERADOR Diocleciano é exceção. Largou o trono e exilou-se num sítio cultivando legumes. Um dia seu pessoal apareceu pedindo sua volta. Ele respondeu: “Pensei que quisessem ver meus repolhos e vocês vem falar de política! Por favor, não!”

NADA contra a longevidade política, mas Luiz Henrique vivia a política desde 1971. Deputado estadual, deputado federal 5 vezes, prefeito de Joinville 3 vezes, governador por dois mandatos e senador desde 2011 com mandato até 2019. Sem limites?

AS VEZES esse apego aos holofotes é justificada pela ‘experiência e equilíbrio’, indispensáveis na vida pública. Paulo Brossard, Pedro Simon, José Sarney, Tancredo Neves, ACM e Arraes são algumas figuras que se confundiram com o poder.

O EX-PRESIDENTE Jimmy Carter - por exemplo - no alto de seus 90 anos – viaja pelo mundo na defesa de causas justas. Mas existe o outro lado; ele é beneficiado massageando o próprio ego ao ser reverenciado. É assim que funciona.

IRONIA Aos 47 anos de idade Bill Clinton chegou a Casa Branca e aos 55 anos já teve que se contentar com a condição de ex-presidente e simples marido de senadora. Carismático, sem lugar no cenário. Incrível: é vítima da própria precocidade.

LONDRES Machado. E agora? Registrar as memórias dos 11 mandatos, cultivar os ‘hobbies’, amigos ou dedicar-se as atividades, das quais nem depende financeiramente? Quem o conhece diz que ele já fez a leitura sábia e sensata desse novo tempo.

ANDRÉ Até que tenta, mas faltar-lhe o cacoete de avô. Bastou pouco tempo para botar as ‘mangas de fora’. Está aí se reinventando para não ser excluído do cenário que tem nas eleições da capital o primeiro teste. A inquietude ainda é sua marca.

MUITO BOM Pode salvar vidas nas urgências de socorro medico o projeto do deputado Rinaldo em fazer constar o tipo sanguíneo e o fator RH na certidão de nascimento, na RG e carteira de motorista. Pratico e útil. Nota 10.

PREPARADO O noticiário mostra os desafios da administração estadual versando sobre reajustes salariais. Ao seu estilo – tranquilo – Reinaldo fará as tratativas com todas as classes, com as mãos na consciência, mas com os pés no chão.

REPRISE Mais uma vez o pessoal da educação mostrou força e união na Assembleia Legislativa. As divergências previsíveis, mas a habilidade democrática do presidente Jr. Mochi levou a bom termo esse evento que engrandeceu o próprio parlamento.

PARLAMENTO é isso: exposição de ideias. Os deputados aproveitam para mostrar seu comprometimento com a causa, fazendo com o que o Governo repense e aprimore seu projeto original versando sobre as eleições nas escolas. É do jogo.

RICARDO AYACHE: “...As recentes mobilizações, sobretudo as de junho de 2013 que centravam a questão da oferta de serviços públicos, já deixaram claro que o modelo atual, onde interesses particulares se sobrepõem aos coletivos, está esgotado...”

SEM ILUSÕES Ficaremos sem a estrada de ferro entre Três Lagoas e Corumbá, por culpa do modelo cruel de privatização e a frouxidão do Governo que permite os abusos da concessionária. E será que temos cacife político para reverter o quadro?

REPENSANDO Ganhando adesões a tese de que o aumento do número de vereadores em Campo Grande não trouxe os resultados esperados. Quantidade nem sempre resulta em maior qualidade. Quem assiste às sessões percebe facilmente isso.

LOUCURA As notícias e fofocas surgem todos os dias. Falam de denúncias, ameaça de greves, escândalos, conspirações nos bastidores e que fomentam a instabilidade administrativa da capital. Um quadro jamais visto, de alta combustão inclusive.

ENCURRALADA É a melhor definição para Dilma. A postura da Câmara mostra isso. Inflação, corte nos investimentos, desemprego, críticas de aliados, debandada de petistas e perda de credibilidade pelas revelações da Lava Jato compõem o quadro.

E RESOLVE? Um dos itens da pretensa reforma política fala em aumentar para 10 anos o mandato de senador. A dedução é simples e lógica: Legislam em causa própria, ignoram a necessidade urgente de oxigenar a política brasileira. Francamente...

PREOCUPA! Sobram imóveis residenciais e comerciais; vendas de veículos em baixa, inadimplência em alta, juros altos, demissões no comércio e queda no consumo familiar retratam a situação na capital e no país. O pior: esse Governo não tem projeto!

“Pena não falar latim para comunicar melhor ao povo da América Latina”. ( George W. Bush)

Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
DESAFIO Se o presidente Michel Temer (PMDB) não vetar, caso o Senado aprove o projeto bizarro da Câmara, o país irá culpá-lo e perderá o apoio das ru...
Pizzas, os políticos não abrem mão delas
NÁUFRAGO Culpando a TV Globo e o juiz federal Sergio Moro, o ex-deputado Antonio Carlos Biffi (PT) tentou no saguão da Assembleia Legislativa justifi...
Invasores das escolas, a nova aposta do PT
LUZ AMARELA Os casos do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, com as finanças em colapso, estão sendo considerados pelo governador de Mato Grosso do Su...
Junior Mochi, ponto de equilíbrio na Assembleia
NOSTRADAMUS Não tenho seu dom, mas prevejo: o país de 2018 será outro. As delações premiadas da Odebrecht e Andrade Gutierrez cairão como meteorito n...



SEM FERROVIA - O trecho compreendido entre Tres Lagoas e Corumba já foi desativado, porém, já está praticamente definido que a desativação partirá brevemente de Bauuru, com isso, os trilhos da saudosa NOB permanecerão enterrados para sempre, fruto de uma privatização cruel e desumana, conhecida como neo-liberalismo. As nossas lideranças permanecem paralisadas, perplexas, assistindo um patrimonio público, mais um, porque o mesmo aconteceu com a nossa ENERSUL, virar pó. O sindicato dos Ferroviários nada pode fazer, até porque sua função está restrita a homologar as demissões dos funcionários da empresa. Vou arriscar uma sugestão: a formação de uma Cooperativa dos funcionários, com partiicipação da sociedade, fomentado pelo BNDES não seria uma solução? Bene.
 
benedito rodrigues da costa em 16/05/2015 09:43:00
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions