A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 21 de Janeiro de 2017


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


17/06/2016 10:07

Vantagem financeira incentiva candidaturas à vereança

Manoel Afonso

VEREANÇA A revista britânica ‘Economist’ acha no mínimo estranha essa habitual disputa pelo menor cargo na hierarquia política do país. Lembra os altos custos não declarados à Justiça Eleitoral e a feroz concorrência independente do porte da cidade.

A PROPÓSITO Em Londres, o prefeito e vereadores ganham um vale transporte para desempenho das funções. Anual, o tíquete é para ônibus, trens e metrô. Táxis, só se não existir outra opção mais barata e a prestação de contas pode ser acessada pela internet.

VALE outro exemplo: Suzuka, no Japão, com 900 mil habitantes e que, numa eleição recente para as 20 cadeiras da Câmara Municipal, se apresentaram só 24 candidatos. O salário – 1 mil dólares – equivale ao ganho de um operário da indústria automobilística.

COMPARAÇÕES à parte, os nossos vereadores sem motivos para reclamar; faça sol, faça chuva. Se hoje o custo mensal de um vereador da capital beira R$ 200.000,00 – em Dourados o repasse mensal para a Câmara de 19 vereadores é de R$ 1.200.000,00.

TABELA: Até 7 mil habitantes o repasse mensal à Câmara corresponde a 7% da arrecadação; de 100 mil a 300 mil habitantes; entre 500.001 a 3 milhões de habitantes o repasse é de 4,5%. – caso em que se enquadra o legislativo da nossa capital.

NO BRASIL o voto para vereador não é ato político de consciência. É mais atitude de gratidão ou barganha, livre de responsabilidade. Para evitar dor de consciência, o eleitor ‘esquece’ seu preferido na última eleição, para continuar repetindo o erro de escolha.

A PERGUNTA é pertinente sim senhor! Você empresário escolheria um vereador da Câmara de sua cidade para gerir sua empresa? E mais: você teria coragem de entregar seus negócios para o seu prefeito administrar? Sim ou não; não vale o ‘velho talvez’.

BRONCA Dirigentes partidários do interior excluídos da partilha do Fundo Partidário, concentrado nas mãos do diretório regional, cujos valores repassados pela direção nacional são mantidos em segredo, a exemplo dos critérios de sua aplicação aqui.

VEJA: O projeto original era de R$ 289,5 milhões para o Fundo, mas o relator do Orçamento Romero Jucá, antevendo os estragos da Lava Jato, alterou para R$ 867,5 milhões. Tentando manter a base de apoio Dilma, não mudou uma vírgula. Assinou!

OS NÚMEROS do Fundo das siglas maiores: PT - R$ 117,4 milhões; PSDB – R$ 95,9 milhões; PMDB – R$ 93,7 milhões; PSB – R$ 55,0 milhões; PP – R$ 54,01 milhões; PSD – R$ 52,4 milhões; PR - R$ 49,4 milhões; PRB – R$ 38,9 milhões; DEM – R$ 36,3 milhões.

CONCLUSÃO Com o fim das doações das empreiteiras – já previsto em Abril, quando da promulgação da lei, os caciques partidários se garantiram aumentando o dinheiro do fundo a ser gasto nestas campanhas. Portanto, já fizeram suas reservas.

INTERESSANTE a opinião do prefeito Paulo Duarte, de Corumbá, sobre a realidade que exige nova visão administrativa. Diz que a vez é dos gestores com preparo técnico e que os políticos profissionais vão perder o lugar, se não mudarem a forma de governar.

O PREFEITO diz que o dinheiro curto e a necessidade de transparência, incentivam a mudança de gerenciamento. Cortar gastos e medidas preventivas ajudam na eficiência. Paulinho arremata: “os tempos são outros; só temos vacas gordas nos confinamentos”.

DESCASO A exemplo de FHC e Lula, Dilma não resolveu duas questões cruciais: da segurança na fronteira e o conflito indígena. As visitas do então ministro Cardoso foi apenas marketing político do PT, que se dizia o partido preocupado com as minorias.

A DEPUTADA Mara Caseiro (PSDB) acerta ao dizer que a União não tem interesse em titular os índios, dando-lhes direitos como proprietários, preferindo continuar mantendo-os reféns como usufrutuários. O pior: antes de sair, Dilma ampliou por decreto a área indígena.

JOÃO GRANDÃO (PT), na contramão, diz caber ao Estado a pratica de políticas que coíbam a violência contra os índios. Ora! Se a União, a grande tutora dos índios não consegue ou não tem interesse da solução do impasse, como o Estado poderá agir?

EM FRENTE... Apesar deste mar de incertezas na economia e política, Reinaldo vai se salvando no cenário nacional. Seu estoque de credibilidade ainda é grande perante a opinião pública, aliás ainda indignada com as revelações mostradas na ‘Coffee Break’.

‘NA POLE’ Ao seu estilo, que transmite confiança, Reinaldo vai se firmando como a nova liderança estadual. Senti isso no evento que liberou as emendas aos parlamentares. Os caciques de ontem precisam se conscientizar de que o relógio da política andou.

SOCORRO! Se Dilma ajudou a Venezuela e Cia, pouco atendeu os problemas domésticos básicos. Aliás, o senador Pedro Chaves revela que as liberações de verbas para MS em 2015 praticamente não aconteceram. Hoje, ele corre atrás dos prejuízos.

POLÍTICA Quem sobrará em nível nacional? A turbulência atinge todos os partidos, mostrando que o atual sistema precisa acabar. Mais que provado: o dinheiro das empreiteiras foi o grande combustível do sucesso eleitoral de dezenas de políticos.

AS DELAÇÕES mostram: Lula e Dilma – de comum acordo com os políticos e empreiteiras – financiaram projetos em vários países tocados por empresas daqui – desde que elas pagassem propina que seria gasta nas campanhas. Esse o PT ‘sério’!

A QUESTÃO: O país já chegou efetivamente no fundo do poço ou falta mais? Ouço os discursos do Planalto e olho a realidade ao redor. Há uma enorme diferença; há muito mais desconfiança do que otimismo. As placas ‘aluga-se’ ‘vende-se’ dizem a verdade.

Pergunta-se: “A exemplo de Zé Dirceu, Giroto ficará sem a visita dos amigos?”

PMDB de MS também fragilizado pela Lava Jato
OS IGUAIS A citação ou denúncia envolvendo cardeais do PMDB em esquemas de corrupção colocam o partido em pé de igualdade do PT em termos de credibil...
Clamor popular contra impunidade do policial matador
IMPUNIDADE O conjunto de manobras para beneficiar Ricardo Hy Um Su Moon, o policial rodoviário federal assassino do empresário Adriano Correia do Nas...
Marquinhos e Reinaldo juntos nas eleições de 2018?
DESMAMA Há quem pregue: o prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), deveria imitar seu colega do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), acaba...
Algo mudou, só os políticos não percebem
NA MOSCA As centrais sindicais estão 'pê da cara' pelo risco de ficarem sem o velho dinheiro carimbado do imposto sindical. Essa CLT octogenária, ran...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions