A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 24 de Fevereiro de 2017


  • De olho na TV
  • De olho na TV

    com Reinaldo Rosa


17/09/2012 06:15

De Olho na TV

Reinaldo Rosa

PATINHO FEIO – Em São Paulo, quando um foca era admitido, seu primeiro setor de trabalho era o turfe; com mais experiência, página policial, assim por diante. Na TV Morena, o início é a previsão do tempo e, em seguida, o esporte local no Globo Esporte. Não que Camila Dib e equipe sejam principiantes, muito pelo contrário. É que o pífio esporte local, e certo dirigente torna esse noticioso verdadeira mala sem alça.

REBELDES SEM CAUSA – Tanto na televisão quanto em jornais impressos, o redator, invariavelmente, inicia a pauta com atleta do estado; jogador campo-grandense, etc. – pra ‘segurar’ o leitor - para somente depois citá-lo nominalmente.

REPÓRTERES INVESTIGATIVOS – Impressionou a repercussão na mídia –de todos os tipos e matizes-, a troca de apoio (a Fernando Hadad, em Sampa) por uma boquinha de Marta Suplicy, no Ministério da Educação. Graças aos colegas de grandes centros, a árdua investigação mostrou que há troca-troca entre Poderes no país.

PALAVRAS AO VENTO – Candidatos em campanha prometiam baixar IPTU; preços mais democráticos (pra quem?) nos transportes coletivos; reivindicar, junto à presidência da República, por energia elétrica mais barata, etc, etc. Bastou a presidente Dilma Rousseff anunciar redução nos valores cobrados pelas concessionárias, para aqueles mesmos dirigentes promoverem caravana à Brasília, reclamando futura baixa na arrecadação do ICMS.

FILHOS DA PAUTA – Atendo a uma sugesta de pauta feita por um editor de telejornal local. Propaganda oficial contou em prosa e verso benfeitorias que o usuário do transporte coletivo, da capital, vai obter com a nova licitação de um bilhãozinho e 800 milhões de reais. O que mais chama a atenção (minha, em particular) é que haverá aumento da frota, "que passará dos atuais 585 ônibus para 600 veículos". Graças a Deus e aos 15 carros; durante trinta anos não teremos mais ônibus lotado. Nem nos horários de pico.

EQUAÇÃO LICITATÓRIA – Quando 600 equivale a seis? 585 por 600 igual a seis por meia dúzia.

O JOIO E O TRIGO – Depois de encher o saco do, então prefeito, André Puccinelli, nos tempos de Câmara Municipal e, agora, na Assembleia Legislativa), o deputado estadual Marquinhos Trad gravou para o horário político de seu partido. "A cidade está uma beleza graças à administração municipal nos últimos oito anos", frisou bem, realçando a administração do mano Nelson e ignorando solenemente a do atual governador do PMDB quando prefeito.

JOAQUIN BARBOSA DE SAIAS – A juíza eleitoral Elisabeth Rosa (nada a ver com o titular da coluna) demonstra que ocupa o cargo com base na competência, conhecimento e probidade. Sabe interpretar a alma humana e detectar vestígios de malandragens e vícios em colocações de palavras em questionamentos capciosos.

PESQUISA AVENIDA BRASIL – Segundo pesquisa realizada entre mil opinadores, segundo a atriz Nathália Dill, o casal Débora e Iran, de Avenida Brasil, da Rede Globo, obteve 90% de aprovação para os espectadores da trama. Essa pesquisa ninguém tasca. Podem repercutir colegas. A juíza não proibiu nada nem constatou vícios tendenciosos em sua elaboração.

PIADA – Deu no MSTV 2ª Edição: Marcos Anelo noticiou que "índios são obrigados a desocupar terras de fazendeiros". A informação foi seguida do apelo "mais detalhes no site da TV Morena". É de se supor que os indígenas, os mais interessados no assunto, já tenham internet banda larga em seus computadores nas ocas existentes na região enfocada.

RADIOATIVIDADE

CENSURA CENSURÁVEL – Bem que a Associação de Rádio poderia impetrar algum tipo de mandado proibindo o uso da palavra rádio pelas atuais siglas disputantes. É um nome – e atividade - que merece respeito e não pode ser usado para veiculação de certas barbaridades, que têm fim puramente eleitorais. Proibir o conteúdo (dos coordenadores de campanha), nunca; apenas preservar o santo nome deste velho e sempre atuante veículo.

CORDÃO UMBELICAL DESLIGADO – Não teve como evitar ouvir candidato afirmar ter feito "reuniões com o Senai, com o Sesi, com a Fiems" como se fossem órgãos separados. Só faltou "reuniões com o IEL".

HERÓIS DA RESISTÊNCIA – Houve época em que, para fazer radiojornalismo, profissionais precisaram comprar horário – literalmente - em emissoras locais. Graças a estes jornalistas a atração prosperou de tal forma que os proprietários passaram a ‘chocar’ os ovos de ouro que surgia. Atualmente, sete emissoras têm seus noticiários. Só falta os detentores da concessão (oficial) continuar acreditando nos resultados desta atração e aplicar-lhe maior atenção.

CAVALO ENCILHADO – Setores de comunicação da capital não perdem oportunidade de lembrar das colônias – e representantes - de diversos países existentes na capital. É uma parcela de pessoas que compram, vendem (principalmente), são ávidos por informação e, nenhum dos noticiosos radiofônicos (ou televisivos) lhes abre espaço ou inclusão no direito à comunicação.

DORMINDO DE TOUCA – A derrocada da economia da Europa – com realce para Espanha, Portugal e França; a carnificina na Síria; guerra no Líbano; atual revolta de mulçumanos com filme de final infeliz contra Estados Unidos. Pequena pauta de interesse de grande parcela de habitantes de Campo Grande, que ficam à margem da comunicação social de plantão.

ESPAÇO E VISÃO CURTOS – Está comprovado: uma hora é pouco tempo para um radiojornalismo responsável. Além do noticioso internacional tem que se abrir espaço para cultura (regional e nacional); turismo (interno e externo); esporte nacional e mundial; trânsito (ao vivo para ajudar motoristas que seguem para o trabalho e dondocas que param em filas duplas nas escolas) etc. Menos entrevistas, por Deus. Invariavelmente são inócuas.

VOZES DO ALÉM – São sugestões de pautas e todas, sem exceção, casadas com rentável retorno comercial, tão ao gosto dos donos de emissoras de rádio da capital. O que, certamente, possibilitaria o aproveitamento de novos profissionais que cursos de comunicação têm esparramado pela cidade a cada ano. Ou será mais cômodo continuar pagando cachê para pequenas participações de locutores, cujas origens são desconhecidas?

DO FUNDO DA ARCA

Antes – Cássio Gabus Mendes em Elas por elas, em maio de 1982Antes – Cássio Gabus Mendes em Elas por elas, em maio de 1982
Agora – No papel de Mendes, em Lado a LadoAgora – No papel de Mendes, em Lado a Lado
Programa resgata causos do futebol regional
CONTA OUTRA – O futebol sul-mato-grossense – graças a alguns – vive na história do torcedor local. Jogadores, dirigentes e técnicos estão no ‘Conto d...
Público dando um show no futebol de MS
QUEM NÃO AJUDA – Domingo de ‘Comerário’ no Morenão. Se dependesse apenas dos torcedores, o futebol de Mato Grosso do Sul teria vida longa no cenário ...
Caso da primeira-dama hackeada passou batido
EMPODERADO II – Talmir Nolasco, outro personagem histórico do rádio de MS, ‘deu um tempo’ aos microfones. Depois de atuar na campanha eleitoral do PS...
Rádio local disputa espaço com futebol na TV fechada
EMPODERADO – Personagem da história do rádio sul-mato-grossense, Nivaldo Mota atualmente dedica o talento em outras ondas. Em tempo real, entrevista ...



Verdade.
Como tem jabá nessas nossas rádios com seus programinhas noticiosos pela manhã.
Dá até vontade de vomitar.
 
Madalena Arre Pendid em 18/09/2012 10:15:18
Olá Reinaldo Rosa! Ao assinar a coluna "De Olho na TV" voce se transforma no grande ombudsman da imprensa "guaicuru". Alem de registrar o que acontece atrás das telas e microfones, chamando atenção quando necessário para os erros e acertos de coleguinhas, a coluna acaba assumindo um papel raro e importante no registro histórico da imprensa de MS. Parabéns a vc e ao CG News pelo novo desafio.
 
Roberto Chamorro em 17/09/2012 11:57:00

Um abraço, Edson Morais.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions