A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

22/11/2016 16:11

Em reunião, ministro promete solução para demandas de construtores até dia 29

Elci Holsback
Ministro afirmou que até dia 29 haverá resposta para reivindicações do setor (Foto: Divulgação)Ministro afirmou que até dia 29 haverá resposta para reivindicações do setor (Foto: Divulgação)

Representantes de construtoras de Mato Grosso do Sul e mais dez Estados se reuniram na manhã de hoje (22) na sede do Ministério das Cidades, em Brasília, com o ministro da pasta, Bruno Araújo e técnicos da Caixa Econômica Federal para debater as portarias 160 e 539/2016, que definem regras sobre as áreas comuns e bens públicos no entorno das construções, medidas de pavimentação e ainda regras de transição das mudanças propostas e do programa Minha Casa Minha vida à partir de 2017.

Veja Mais
Ministro mantém regras e construtores pedem ajuda para não demitir 14 mil
Com maior valor desde junho, dólar sobe 1,7% e fecha cotado a R$ 3,47

O setor da construção civil busca que algumas cláusulas sejam revistas, como a exigência de que as casas construídas por meio do programa sejam localizadas em regiões da cidade já pavimentadas e com iluminação pública.

De acordo com membro do Movimento dos Construtores de Mato Grosso do Sul, Adão Castilho, a participação de técnicos com amplo conhecimento sobre a situação e a receptividade do ministro resultaram em boas expectativas entre os participantes."Apresentamos nossos pontos de divergência e o ministro estipulou prazo até dia 29 deste mês para estudar a situação e nos apresentar posicionamento. Estamos confiantes em uma solução eficiente", avalia Castilho.

O deputado federal por Mato Grosso do Sul, Elizeu Dionízio (PSDB) foi quem viabilizou o encontro, que contou ainda com parlamentares e representantes da construção do Mato Grosso, Paraná, Bahia, Ceará, Goiás, Minas Gerais, Santa Catarina, Pernambuco e Rondônia, que ingressou hoje no movimento. "Apresentamos um documento elaborado em conjunto entre todos os estados detalhando o impacto negativo dessas portarias, entre elas, a possibilidade de gerar 14 mil desempregos diretos e indiretos apenas em Mato Grosso do Sul", avalia o construtor e representante do setor.

Durante o encontro, o ministro Bruno Araújo pontuou a preocupação com o risco de demissões no setor."Tomei a iniciativa de chamar os setores envolvidos para encontrar soluções que se adequem aos interesses de todos. Nossa prioridade é gerar empregos e garantir a entrega de um produto de qualidade", explicou. 

Amanhã (22) será realizada Audiência Pública na Câmara Federal para debater as reivindicações dos Estados integrantes da ação. No período da manhã, representantes da construção de Mato Grosso do Sul e Goiás se reúnem com técnicos da Caixa Econômica Federal para avaliar as considerações, pedidos e viabilidade das medidas propostas nas portarias. 

 

Com maior valor desde junho, dólar sobe 1,7% e fecha cotado a R$ 3,47
Com o maior valor desde junho, o dólar comercial fechou cotado a R$ 3,473 na venda, nesta nesta sexta-feira (2) com leve valorização de 0,12%. Na vés...
Água e esgoto na Capital ficam 8,47% mais caros a partir de janeiro de 2017
O serviço de água e esgoto em Campo Grande ficará 8,47% mais caro a partir do dia 3 de janeiro de 2017. O reajuste foi autorizado nesta sexta-feira (...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions