A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 29 de Setembro de 2016

04/07/2016 10:23

Em um ano, serviços e produtos de beleza quase dobraram de preço

Anny Malagolini
Preço do corte de cabelo subiu até 77% no último ano (Foto: Alcides Neto)Preço do corte de cabelo subiu até 77% no último ano (Foto: Alcides Neto)

Em apenas doze meses, os preços de serviços estéticos e produtos de beleza praticamente dobraram, em comparação ao mesmo período do ano passado. Conforme levantamento do instituto de pesquisas da Uniderp Anhanguera em Campo Grande, em alguns serviços, a inflação chegou a 77%.

Veja Mais
MS vai receber missão técnica do Chile em frigoríficos de carne bovina
Gol lança ofertas semanais de passagens aéreas

Como por exemplo o preço médio do corte de cabelo feminino, que passou de R$ 45 em 2015 para R$ 80 neste ano. Para tingir os cabelos em salões, o custo subiu 33%, de R$ 60 para R$ 80. No ano passado, o procedimento de manicure custava R$ 20 e passou para R$ 25 em 2016.

Um dos motivos para explicar a alta nos preços é a crise econômica. Por ser considerado supérfluo o setor sofreu uma baixa significativa do ano passado para cá, com menos clientes em busca dos serviços. Para compensar a diferença, muitos decidiram elevar os preços.

Além disso, a alta dos preços também está ligada ao aumento do imposto sob supérfluos, concedido pelo governo do estado de Mato Grosso do Sul. Entrou em vigor em janeiro deste ano, o aumento das alíquotas do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), e os preços dos produtos voltados a beleza e estética foram os principais afetados. Foram reajustadas as alíquotas sobre cosméticos, perfumes, que passaram de 17% para 20%.

Com as mudanças, até produtos de higiene pessoal tiveram alteração no preço, ainda que pequeno, alguns itens tiveram inflação acima dos 30%. O valor médio de comércio do desodorante tipo roll on, por exemplo, custava R$ 7,50 em 2015, e passou para R$ 9,80. São 30,62% de aumento.

Alternativas - Com aumento dos impostos e aliada a crise brasileira, quem vem sentindo as mudanças no bolso são os consumidores. Para o advogado João Pedro, 30 anos, a saída tem sido comprar esses produtos em viagens fora do estado. “Quando viajo, aproveito para trazer xampu, desodorante e em grande quantidade. Compensa”, avaliou.

Mas para alguns serviços estéticos, não tem como fugir. Então, o jeito foi diminuir a frequência nos salões de beleza, como contou a professa Marisa de Almeida, 45 anos. “Em casa somos três mulheres, então diminuímos a frequência no salão, agora só em situações especiais”, disse. 

MS vai receber missão técnica do Chile em frigoríficos de carne bovina
Inspeções federais de outros país no Brasil pode abrir novos mercados para exportação. Chile, Cuba e Bolívia já tem data marcada para suas missões e ...
Gol lança ofertas semanais de passagens aéreas
Para atrair novos passageiros e fidelizar seus clientes, as companhias aéreas garantem preços e condições de pagamento especiais. Cada empresa define...
Mais de 6 mil consumidores saíram da lista de inadimplentes em agosto
Em agosto, 6.144 contribuintes de Campo Grande saíram do cadastro de inadimplentes. O número é 38,5% maior que o de julho, quando 4,4 mil pessoas rec...
Prefeitos vão a Brasília para cobrar liberação de R$ 13 mi em recursos
O repasse do FEX (Fundo de Auxílio aos Estados e Municípios Exportadores) ainda não foi feito em 2016 pelo Governo Federal e as prefeituras de Mato G...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions