A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 30 de Setembro de 2016

19/01/2015 10:58

Financiamento de imóvel com recurso da poupança fica mais caro hoje

Priscilla Peres
Financiar imóveis pela Caixa está mais caro. (Foto: Arquivo Campo Grande News)Financiar imóveis pela Caixa está mais caro. (Foto: Arquivo Campo Grande News)

A partir de hoje (19), quem utilizar recursos da poupança para fazer um financiamento imobiliário pela Caixa Econômica Federal vai contrair uma dívida maior, isso por causa do reajuste das operações contratadas por meio do SBPE (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo). A CEF atribui a necessidade de reajuste ao aumento da Selic (taxa básica de juros) que está em 11,75%.

Veja Mais
Governo reduz despesas e tem saldo de R$ 38 milhões em oito meses
Bancários entram no 25º dia de greve sem previsão de retorno ao trabalho

O presidente do Secovi-MS (Sindicato da Habitação de MS), Marcos Augusto Neto, explica que no Estado a Caixa financia entre 70% e 80% dos imóveis e que nesse reajuste não entram financiamentos pelo Minha Casa Minha Vida e com recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço).

"Esse reajuste afeta uma pequena parcela da população que financia imóveis mais caros, mas não impacta muito no setor e nem trará prejuízos", afirma Marcos, ao ressaltar que os juros de financiamento imobiliário são os mais baixos do mercado, quando comparados a outras linhas de crédito.

Habitacional - No SFH (Sistema Financeiro Habitacional), apenas a taxa para quem não é correntista da Caixa não mudou, sendo mantida em 9,15% ao ano. Para os correntistas do banco, os juros vão subir de 8,75% para 9% ao ano. Os mutuários com conta na Caixa e que recebem salário por meio do banco passarão a pagar 8,7% ao ano de juros, em vez de 8,25% ao ano.

Para os servidores públicos, a taxa aumentará de 8,6% para 8,7% ao ano para os correntistas. Para os servidores com conta na Caixa e que recebem salário pelo banco, os juros passarão de 8% para 8,5% ao ano.
O SFH financia até 90% de imóveis de até R$ 650 mil e as linhas tem custo efetivo máximo limitado a 12% ao ano. O custo efetivo máximo engloba juros e impostos sobre a linha de crédito, mas exclui gastos com seguros e taxas de administração.

Imobiliário - No SFI (Sistema de Financiamento Imobiliário), que segue regras de mercado e não tem limite de valor para os imóveis, a taxa para quem não tem relacionamento com a Caixa subirá de 9,2% ao ano para 11% ao ano. Para os correntistas do banco, os juros passarão de 9,1% ao ano para 10,7% ao ano. Quem tem conta no banco e recebe salário pela Caixa passará a pagar 10,5% ao ano de juros, em vez de 9% ao ano.

No caso dos servidores públicos, os juros também subirão de 9% ao ano para 10,5% ao ano. Para servidores com conta na Caixa e que recebem salário pelo banco, os juros saltarão de 8,8% ao ano para 10,2% ao ano.
(Com Agência Brasil)




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions