A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 27 de Setembro de 2016

29/05/2015 11:23

Gasto com pessoal sobe 18% e governo reduz investimento em 60%

Priscilla Peres
Dede o início do mandato, Reinaldo tem mostrado preocupação com as finanças estaduais. (Foto: Marcelo Calazans)Dede o início do mandato, Reinaldo tem mostrado preocupação com as finanças estaduais. (Foto: Marcelo Calazans)

No primeiro quadrimestre de 2015, o governo do Estado elevou em 18% a folha de pagamento dos servidores, teve crescimento de apenas 3% nas receitas e reduziu em mais de 60% os investimentos. Os números foram publicados em relatório orçamentário, no Diário Oficial desta sexta-feira (29).

Veja Mais
Reinaldo diz que “reajuste zero é balela” e reforça aumento antecipado
Reinaldo vê "politização" em greve e destaca conquistas de professores

De acordo com as informações, os gastos com pessoal passou de R$ 1,827 bilhão no primeiro quadrimestre de 2014, para R$ 2,174 bilhões no mesmo período deste ano. O avanço representa aumento de 18% nos gastos mensais com o pagamento de servidores.

Com isso, o governo gasta com pessoal o equivalente a 49,88% sobre a RCL (Receita Corrente Líquida). O limite de alerta é 54% e o prudencial 57%, sendo que se passar de 60%, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) pode responder por improbidade administrativa.

Receitas - No período de janeiro a abril deste ano, o governo do estado não teve redução nas receitas em relação ao ano passado. Pelo contrário, houve aumento, apesar de pouco. Os números mostram que as receitas tributárias subiram 3%, e chegaram a R$ 2,393 bilhões.

De ICMS (Imposto sobre o Comércio de Mercadorias e Serviços), houve acréscimo de 4%, passando de R$ 1,844 bilhão para R$ 1,922 bilhão. Já a receita com IPVA ficou praticamente estável, com apenas 0,13% de aumento. Devido principalmente, ao desconto de 15% e o parcelamento do imposto em até cinco vezes.

Mais números - No quadrimestre, o governo também reduziu em 60,4% os investimentos, provavelmente em consequência dos gastos maiores e as receitas estáveis. O relatório de hoje, mostra que foi revisado para cima a previsão de Receita no ano, que agora chega a R$ 13,112 bilhões, mas as despesas também cresceram 1,51% e agora somam R$ 13,255 bilhões.

Com isso, o deficit orçamentário para o ano soma R$ 162 milhões.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions