A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 25 de Setembro de 2016

08/07/2014 11:39

Inflação oficial fica em 0,4% em junho e acumula alta de 6,52% em 12 meses

Nielmar de Oliveira, Agência Brasil

A inflação oficial medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou em 0,4% em junho deste ano, desacelerando em relação aos 0,46% de maio. Nos últimos doze meses, o IPCA acumula alta de 6,52%, acima dos 6,37% relativos aos doze meses imediatamente anteriores.

Veja Mais
Capital registra segunda maior inflação do país, segundo IBGE
Com 0,01%, junho tem a menor inflação em 11 meses na Capital

A meta que o Banco Central deve alcançar este ano é 4,5%, com margem de dois pontos percentuais para baixo ou para cima. Portanto, o resultado em 12 meses ficou acima do limite superior da meta (6,5%).

O IPCA fechou o primeiro semestre do ano com alta de 3,75%. No primeiro semestre de 2013, o índice era 3,15%.Os dados foram divulgados hoje (8) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o IBGE, os preços dos alimentos e bebidas foram os que mais contribuíram para a queda da inflação em junho, que passaram de 0,58% para 0,11%, uma desaceleração pelo terceiro mês consecutivo. Os alimentos consumidos em casa apresentaram redução de 0,60% em junho, contra alta de 0,41% em maio.

Os maiores percentuais foram a batata-inglesa (-11,46%) e o tomate (-9,58%). Houve queda ainda dos alimentos consumidos fora de casa (de 0,91% em maio para 0,82% em junho), com destaque para a refeição (0,96% para 0,75%), refrigerante (1,29% para 0,51%) e cerveja (0,34% para 0,01%).

Já influenciadas pela Copa do Mundo, as diárias de hotel aumentaram 25,33%, impactando as despesas pessoais, grupo que teve alta de 1,57% em junho, resultado 0,77 ponto percentual em relação a maio – e causando impacto de 0,17 ponto percentual no IPCA de junho.

Nas despesas com habitação, houve redução de 0,61% para 0,55%, mesmo com altas na taxa de água e esgoto (0,95%), aluguel residencial (0,84%) e artigos de limpeza (0,92%). Neste caso, houve compensação no item energia elétrica, que passou de 3,71% para 0,13%.

Os gastos com saúde e cuidados pessoais ficaram em 0,60% em junho, após 0,98% no mês anterior, deixando para trás os reflexos do reajuste de março nos preços dos remédios (1,47% em maio para 0,29% em junho). Houve também redução nos preços dos artigos de residência (1,03% em maio para 0,38% em junho), vestuário (0,84% para 0,49%), comunicação (0,11% para -0,02%) e educação (0,13% para 0,02%).

Utilizado pelo Banco Central como parâmetro para o balizamento do Plano de Metas, o IPCA é calculado pelo IBGE desde 1980 e se refere às famílias com rendimento de um a 40 salários mínimos e abrange dez regiões metropolitanas do país, além de Goiânia, Campo Grande e Brasília.

Capital registra segunda maior inflação do país, segundo IBGE
Com variação de 0,47%, Campo Grande teve a segunda maior inflação do país no mês de junho, de acordo com o IBGE (Instituto Nacional de Geografia e Es...
Plano Real, que acabou com hiperinflação, completa duas décadas
Em meio a um misto de expectativa e de desconfiança, a economia brasileira experimentava uma revolução há exatamente 20 anos. Em 1º de julho de 1994,...
Banco Central projeta inflação de 6,5%, acima da meta estabelecida
O BC (Banco Central) revisou a projeção para a inflação este ano em patamar mais próximo ao teto da meta, que é 6,5%. Na estimativa do BC, a inflação...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions