A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 30 de Setembro de 2016

17/04/2014 16:15

Mesmo com peixe 10% mais caro, consumidores lotam peixarias

Zana Zaidan e Mariana Lopes
Na véspera da sexta-feira santa, peixaria no Mercadão ficou lotada (Foto: Marcelo Victor)Na véspera da sexta-feira santa, peixaria no Mercadão ficou lotada (Foto: Marcelo Victor)

Apesar da alta de 10% no preço do pescado, consumidores lotaram peixarias de Campo Grande na véspera da Sexta-feira Santa. A expectativa dos comerciantes é que a maioria deixe para comprar os produtos consumidos a serem consumidos entre o final da tarde de hoje (17) e amanhã. 

A tradição católica de não comer carne no feriado Santo mantém as vendas aquecidas, mesmo com o preço um pouco mais salgado. Nem o feriadão de seis dias, que estimulou muita gente a viajar, retraiu o movimento. "Esperávamos que fosse fraco, mas a saída de produtos está semelhante à da Semana Santa de 2013, ou seja, excedeu as expectativas", comemora o proprietário de uma peixaria no Mercadão Municipal, Cleuber Linares. 


Veja Mais
Após duas quedas seguidas, dólar tem alta de 1,05% e fecha a R$ 3,25
Índice sobe 6% e Campo Grande tem 177 mil pessoas endividadas

Elizabeth nunca comeu carne no feriado santo (Foto: Marcelo Victor)Elizabeth nunca comeu carne no feriado santo (Foto: Marcelo Victor)
Em pleno feriadão, vendas superaram expectativas, diz Linares (Foto: Marcelo Victor) Em pleno feriadão, vendas superaram expectativas, diz Linares (Foto: Marcelo Victor)

"Não tenho coragem de comer carne em plena sexta-feira santa. Mas não é nenhum sacrifício, porque gosto de peixe", comenta, a aposentada Elizabeth Amaral da Costa, 62 anos. Também católica, a empresária Roselita Ely, 28 anos, atesta manter, há gerações, a tradição. "Acho que muitos fiéis não mantém a prática por causa do preço, que pode não ser acessível para todos, mas, lá em casa, a religião prevalece", comenta.

Preços - O reajuste no preço do pintado e do pacu, as espécies mais procuradas, ficou na casa dos 10%, e seguiu somente a reposição da inflação, garante Linares. "Nosso estoque vem do Amazonas, cuja produção se concentra entre agosto e novembro, por isso, não ficamos sujeitos a preços de fornecedores", justifica.

Em outra peixaria, na rua Rio Grande do Sul, a aposta do proprietário Jedson Gonçalves é nas vendas de última hora. Até agora, a procura caiu cerca de 20% em relação ao ano passado. "Mas esperamos que a maioria compre no finalzinho da tarde ou amanhã cedo, antes do almoço", comenta otimista.

Para os "atrasados", as duas peixarias, vão funcionar amanhã, durante o feriado - a do Mercadão até o meio-dia e a da Rio Grande do Sul até 13 horas.

Após duas quedas seguidas, dólar tem alta de 1,05% e fecha a R$ 3,25
Cotado a R$ 3,256 na venda, após dois dias seguidos de baixa, o dólar comercial fechou esta quinta-feira (29) com alta de 1,05%. Com isso, a moeda no...
Índice sobe 6% e Campo Grande tem 177 mil pessoas endividadas
Campo Grande tem 177 mil pessoas endividadas, sendo que 13% não terão condições de pagar suas contas. O índice medido pelo IPF/MS (Instituto de Pesqu...
MS vai receber missão técnica do Chile em frigoríficos de carne bovina
Inspeções federais de outros país no Brasil pode abrir novos mercados para exportação. Chile, Cuba e Bolívia já tem data marcada para suas missões e ...
Gol lança ofertas semanais de passagens aéreas
Para atrair novos passageiros e fidelizar seus clientes, as companhias aéreas garantem preços e condições de pagamento especiais. Cada empresa define...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions