A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 26 de Setembro de 2016

25/03/2015 09:54

Para desespero de pacientes, em abril medicamentos vão subir até 7%

Caroline Maldonado
Ideia do governo é fazer com que mais medicamentos tenham o menor reajuste de preço (Foto: Caroline Maldonado)Ideia do governo é fazer com que mais medicamentos tenham o menor reajuste de preço (Foto: Caroline Maldonado)
Marilene Medeiros, 51 anos, tem esperança na medida do governo para reduzir os custos da família com medicamentos (Foto: Caroline Maldonado)Marilene Medeiros, 51 anos, tem esperança na medida do governo para reduzir os custos da família com medicamentos (Foto: Caroline Maldonado)

O Ministério da Saúde divulga na terça-feira (31) o reajuste do preço máximo dos medicamentos e as farmácias estimam alta entre 5% e 7%, embora o ministro Arthur Chioro tenha adiantado que o índice será menor em relação ao do ano passado, que foi de 6%, pois o governo usará nova regra para calcular e estabelecer o percentual a fim de manter o aumento abaixo da inflação.

Veja Mais
Anvisa aprova uso de derivado da maconha como medicamento
Anvisa define se classifica substância da maconha como medicamento

A ideia do governo é fazer com que mais medicamentos tenham menor alta de preço. Do total, apenas 21,57% terão o maior reajuste, enquanto 51,73% terão menor índice de alteração, segundo o ministério.

O proprietário da drogaria Farma e Farma, Sidney Paulo Miyashiro, acredita que o reajuste deve ficar no mesmo patamar do aplicado no ano passado e, dificilmente, os custos vão ser reduzidos para o consumidor. “Acho que pode ter um aumento igual ao anterior ou maior, de até 7%, pelo fato da alta do dólar”, comentou o farmacêutico, ao lembrar a cotação da moeda norte-americana, que disparou nas últimas semanas e chega a R$ 3,16, influenciando na compra de produtos importados.

Se o preço máximo não subir muito, os farmacêuticos garantem que adotarão a medida e não vão reduzir descontos. O subgerente da Drogaria Ultra Popular, Anderson Pereira Sales, destaca que, sendo baixo ou alto o reajuste, não fará muita diferença para as farmácias de rede. “Caso não aumente muito o preço máximo, a opção é buscar laboratórios que forneçam uma linha de produtos mais em conta. Para as farmácias de rede é mais fácil, não deve ter grandes impactos. Se cair muito o preço máximo vai ser mais difícil para as drogarias pequenas”, comenta ele, que estima reajuste de, no máximo 5%, com base no que informaram os fornecedores.

Mesmo com as estimativas pessimistas, Marilene Medeiros, 51 anos, tem esperança na medida do governo para reduzir os custos da família com medicamentos, que chega a R$ 1,5 mil por mês. Ela é do lar e o esposo, de 61 anos, tem DPOC (Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica). Os medicamentos comprometem 20% da renda do casal. “Um único remédio custa R$ 270 e com o desconto sai pela metade. Ainda assim, fica caro. Então, tenho esperanças que reduza o preço e as farmácias mantenham, porque eu gasto uma fortuna com medicamentos”.

No ramo farmacêutico há 32 anos, Walmir Felix, lembra que quando os preços determinados pelo governo oscilavam, as farmácias diminuíam os descontos para não ter prejuízo, mas agora isso não acontece. “Antigamente tinha isso, porque as farmácias eram pequenas, mas agora são grandes redes, que não trabalham com estoque e sim com produtos de giro”, explica.

Os descontos para remédios de uso contínuo ficam em torno de 21,1% e alguns chegam a 60%, nas farmácias. Esse é o grupo de remédios usado no tratamento de doenças crônicas e ou degenerativas, para o qual o reajuste deve ser dos menores. 

Novo cálculo – Segundo o Ministério da Saúde, os três níveis de reajuste de preço são definidos conforme a concorrência dos grupos de mercados, classificados como não concentrados, moderadamente concentrados e altamente concentrados.

Será ampliado o grupo autorizado a fazer o menor reajuste de preço, porque o novo cálculo adotará modelo internacional para a medição do poder de mercado individual de empresas ou grupos econômicos, o IHH (Índice Herfindahl-Hirschman). Com a nova medida, também será considerado o mercado como um todo, não somente o varejista e pela primeira vez serão incluídas as vendas hospitalares e compras públicas.

O percentual de reajuste será divulgado pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos na terça-feira (31), após a publicação oficial do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), como prevê a regra. O índice aponta a inflação no país.

Anvisa aprova uso de derivado da maconha como medicamento
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou hoje (14), por unanimidade, a reclassificação do canabidiol (derivado da maconha) como me...
Anvisa define se classifica substância da maconha como medicamento
A discussão sobre a reclassificação do canabidiol será retomada na primeira quinzena deste mês pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)...
Anvisa suspende comércio de medicamentos e produtos irregulares
Em resoluções publicadas na edição de hoje (9) do Diário Oficial da União, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) suspendeu a distribuiç...
Governo determina isenção de imposto para 174 medicamentos e preços caem até 12%
Por determinação do Governo Federal, mais 174 substâncias passam a ter isenção de PIS/COFINS. Com isso 75,4% dos medicamentos comercializados terão p...



Pois é! E estava tudo sob controle! Haja aumento pra cobrir o rombo da corrupção.
 
Hannibal em 25/03/2015 14:24:03
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions