A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 30 de Setembro de 2016

26/10/2015 09:55

Pessimismo domina e indústria não cresce há 16 meses em MS, diz Fiems

Liana Feitosa
Para 91,9% dos empresários da indústria entrevistados as condições atuais da economia brasileira pioraram em outubro. (Foto: Divulgação)Para 91,9% dos empresários da indústria entrevistados as condições atuais da economia brasileira pioraram em outubro. (Foto: Divulgação)

A ociosidade média da indústria de Mato Grosso do Sul chegou a 32% no mês de setembro deste ano, segundo levantamento da Sondagem Industrial realizado pela Fiems (Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul). O índice mede quanto da capacidade instalada das indústrias não está sendo utilizada.

Veja Mais
Intenção de compra cai, mas dia das crianças pode movimentar R$ 146 mi
Bandeira tarifária de outubro é verde, sem valor adicional nas contas de luz

A pesquisa também mostra que atividade industrial está há 16 meses consecutivos sem crescimento, sem sinais de recuperação a curto prazo.

Queda - “Para 55,8% dos respondentes (do levantamento), a utilização da capacidade instalada ficou abaixo do usual para o mês. O índice marcou 37,3 pontos em setembro, queda de 1,1 ponto no comparativo com igual mês de 2014", explicou o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende.

Com isso, o resultado foi mantido muito abaixo do patamar considerado adequado para o período, que é alcançado quando o indicador se situa em torno dos 50 pontos. 

A sondagem também demonstra que os empresários da indústria do Estado não acreditam em melhoras significativas para essas variáveis nos próximos seis meses a partir de setembro. “Os índices que medem a expectativa em relação à demanda por seus produtos, número de empregados e compras de matérias-primas ficaram, mais uma vez, abaixo dos 50 pontos. A única variável que ficou no campo positivo foi a quantidade exportada”, completou.

Motivos - Elevada carga tributária, alto custo de energia, inadimplência dos clientes, demanda interna insuficiente, taxas de juros elevadas, falta de capital de giro e falta ou alto custo da matéria-prima estão entre os causadores do pessimismo do setor no 3º trimestre de 2015.

O ICEI/MS (Índice de Confiança do Empresário Industrial em Mato Grosso do Sul) também continua com nível baixos e, neste outubro, chegou ao 15º mês consecutivo abaixo dos 50 pontos.

“O ICEI marcou 36,5 pontos em outubro. O resultado permanece abaixo da linha divisória dos 50 pontos, principalmente, pelo pessimismo apresentado em relação às atuais condições da economia brasileira, sendo a variável de pior desempenho, marcando somente 19,2 pontos”, analisou Resende.

Economia - Para 91,9% dos entrevistados as condições atuais da economia brasileira pioraram em outubro e, para 78,8%, a economia estadual também sofreu agravamento. Para 56,4%, as condições da própria empresa pioraram e, para 38,8%, não houve alteração em comparação com o mês anterior.

Além disso, 71,8% dos participantes do levantamento estão pessimistas em relação à economia brasileira para os próximos seis meses. Em relação à economia estadual, o pessimismo domina 54,2% dos participantes. Com relação ao desempenho da própria empresa, considerando os próximos seis meses, 38,9% dos respondentes mostraram-se pessimistas, patamar ainda próximo aos dos que acham que a situação permanecerá igual, que chegou a 38,8%.

Os empresários da indústria do Estado também não pretendem investir nos próximos seis meses. “O industrial sul-mato-grossense se mostra pouco confiante em relação aos investimentos, 67% dos respondentes disseram que não pretendem realizar investimentos nos próximos seis meses a partir de outubro. Por fim, o indicador de intenção de investimento marcou 43,2 pontos, recuo de 19,6% sobre igual mês do ano passado”, concluiu Resende.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions