A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 27 de Setembro de 2016

30/09/2015 15:48

Prefeito terá de cortar 5,76% da folha de pagamento para se adequar à LRF

Flávio Paes
Prefeitura terá de enxugar gastos com pessoal para se adequar a LRF (Foto:Arquivo)Prefeitura terá de enxugar gastos com pessoal para se adequar a LRF (Foto:Arquivo)

Nos próximos três meses a Prefeitura de Campo Grande terá reduzir em 5,76% seus gastos com o funcionalismo, para fechar 2015 dentro do limite de gastos com pessoal fixado pela LRF( Lei de Responsabilidade Fiscal). A LRF autoriza o comprometimento de até 51,30% da receita corrente líquida com salário. Será preciso gerar uma economia mensal de R$ 5,4 milhões em relação ao que vinha sendo gastos até o mês passado. Este valor corresponde a folha de pagamento dos 1.125 comissionados nomeados pelo ex-prefeito Gilma Olarte e as gratificações pagas aos 490 funcionários que exerciam cargos de confiança ou de chefia. O gestor público que extrapolar este limite pode ser enquadrado por crime de improbidade administrativa, com risco de ser afastado do cargo.

Veja Mais
Bernal assina balanço em que aponta superávit na gestão de Olarte
Pequena central hidrelétrica de MS receberá R$ 140 mi em investimentos

Conforme o relatório de gestão publicado na edição de ontem do Diário Oficial, de janeiro a agosto deste ano, 56,12% da receita líquida foram comprometidos com salário, gerando uma despesa acumulada de R$ 1.458.522.433,42, extrapolando em R$ 72,8 milhões o limite prudencial que seria de R$ 1,312 bilhão, ante uma receita que somou no período R$ 2,430 bilhões.

O prefeito garante que vai alcançar economia mantendo um quadro reduzido de comissionados, dando prioridade aos servidores efetivos para as funções de chefia. “Não vamos lotear a prefeitura sob pena nenhuma. Não haverá também concessão de gratificações indevidas, como as que vinham sendo pagas para permitir a alguns apaniguados receberem salários de R$ 15 mil a R$ 20 mil”, comenta Bernal, para que seu antecessor, deveria ser “alvo de ação de improbidade administrativo, por ter cometido tais atos”.

De acordo com o prefeito, “a farra com o dinheiro público”, foi tanta, que além de aumentar o número de comissionados, houve um exagero no valor das gratificações, tanto que os gastos com gratificação de representação, terem aumentado 91,35% de 2013 para 2014(passando de R$ 11,5 milhões para R$ 24 milhões) . Há dois anos em média os gastos mensais com gratificação dos comissionados era de R$ 960 mil, saltou para R$ 2 milhões em 2014 e até agosto estava em R$ 1,8 milhão, mesmo depois de terem sido feitos cortes, como a limitação em 50% sobre o salário-base, o teto das gratificações. Também houve um incremento muito grande na gratificação por plano de trabalho, que passou de R$ 3 milhões para R$ 8,3 milhões por ano, com a média mensal saltando de R$ 257,8 para R$ 1,4 milhão.

O prefeito diz ter encontrado “exageros” na folha de terceirizados contratados via-Omepe e Seleta Caritativa e Humanitária. “A folha passou de R$ 3 milhões para R$ 6 milhões, com salários de até R$ 20 mil”, assegura. “Constatamos que alguns além do seu salário da prefeitura, eram contratados também pela Seleta, dobrando e até triplicando a remuneração.

 

 




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions