A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 30 de Setembro de 2016

20/08/2014 19:23

Reajuste de energia vai "impactar empresários negativamente" , diz entidade

Luciana Brazil

O reajuste na tarifa de energia elétrica, que em Três Lagoas, a 338 quilômetros de Campo Grande, será de mais de 35%, surpreendeu o presidente da Associação Comercial e Industrial do município, Atílio D'agosto. As contas, que ficarão mais caras a partir do dia 27 de agosto, vão impactar negativamente no setor, segundo ele.

Veja Mais
Bancários entram no 25º dia de greve sem previsão de retorno ao trabalho
Com maior carga tributária do mundo, remédios consomem renda dos idosos

“A energia já é cara, e nós já enfrentamos concorrência, com certeza isso vai refletir negativamente. É claro que a enregia não é a principal despesa, mas o reajuste vai impactar de alguma maneira”, alertou o presidente da entidade.

Em um paradoxo doloroso, Atílio lembra também a presença de hidrelétricas na cidade o que poderia amenizar a taxa de energia. “Temos hidrelétricas na porta de casa e conta de luz sofre um reajuste deste”, desabafou.

Segundo ele, a infraestrutura de eletricidade na cidade é precária o que causa queda constante de energia. “Algumas indústrias tem rede própria de transformação para não depender da concessionária. A energia não é estável e para ter um funcionamento a pleno vapor essa é a saída para muitas indústrias”.

O reajuste para a tarifa de energia da Elektro, que atende cinco municípios de Mato Grosso do Sul, foi aprovado ontem (19) pela diretoria da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) e já é o maior concedido neste ano.
Na média, ficou em 37,78%. Os consumidores residenciais e de pequenos estabelecimentos (baixa tensão) terão aumento de 35,97% nas contas de luz. Em Mato Grosso do Sul, a alta vale para Três Lagoas, Brasilândia, Santa Rita do Pardo, Selvíria e Anaurilândia.

“Todo custo que aumenta para o empresário, ainda mais no cenário econômico em que estamos, vai impactar”, afirmou.

A fatura ficará 40,79% mais cara para a classe de consumo, que inclui a indústria e estabelecimentos de grande porte, que consomem energia de (alta tensão).

O aumento vale a partir do próximo dia 27 de agosto para 2,4 milhões unidades consumidoras de 223 municípios do Estado de São Paulo e cinco do Mato Grosso do Sul.

Segundo a Aneel, o aumento do gasto com a compra de energia “foi o que mais pesou” na definição do índice de reajuste de 2014 da Elektro. Segundo Rufino disse ao Valor Econômico, a distribuidora trocou “grande quantidade” de energia velha (contratos antigos) pela aquisição do insumo mais caro neste ano.

Após duas quedas seguidas, dólar tem alta de 1,05% e fecha a R$ 3,25
Cotado a R$ 3,256 na venda, após dois dias seguidos de baixa, o dólar comercial fechou esta quinta-feira (29) com alta de 1,05%. Com isso, a moeda no...
Índice sobe 6% e Campo Grande tem 177 mil pessoas endividadas
Campo Grande tem 177 mil pessoas endividadas, sendo que 13% não terão condições de pagar suas contas. O índice medido pelo IPF/MS (Instituto de Pesqu...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions