A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Abril de 2014

16/09/2011 16:55

Com mais de 2 mil militares, operação Ágata 2 vai bloquear 42 pontos em MS

Fabiano Arruda

Ação será executada por tempo indeterminado em Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul

Representantes de Forças Armadas e órgãos que integram operação dão detalhes da ação em entrevista na sede do CMO na Capital. (Foto: João Garrigó)Representantes de Forças Armadas e órgãos que integram operação dão detalhes da ação em entrevista na sede do CMO na Capital. (Foto: João Garrigó)

A Operação Ágata 2, que iniciou a fase ostensiva nesta sexta-feira em Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, vai monitorar pelo menos 42 pontos, entre fixos e móveis, e terá 1,6 mil militares do Exército, 300 da Marinha e 450 da Força Aérea Brasileira, além do efetivo de apoio de policiais federais, rodoviários federais e da Polícia Militar.

Ainda integram a ação Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), Receita Federal, Força Nacional de Segurança Pública e Abin (Agência Brasileira de Inteligência).

As abordagens nas estradas serão a parte da operação mais visível à população, segundo o general Valerio Stumpf, chefe do centro de operações do CMO (Comando Militar do Oeste).

Ele afirma que o principal objetivo é combater os ilícitos transfonteiriços, nas regiões com Paraguai, Uruguai e Argentina, como contrabando de gado, pessoas, bem como tráfico de armas e drogas.

Esta é a segunda fase da operação, já que os trabalhos de inteligência começaram há 20 dias.

“A terceira fase está nas ações pontuais que o serviço de inteligência apontar”, explicou.

Conforme o general, uma segunda etapa da operação vai estreitar acordos de cooperação com países vizinhos, no entanto, segundo ele, cada País atuará em seu território e militares brasileiros não entrarão no espaço vizinho.

“O ministro da Defesa já esteve em alguns países, mas não há operação coordenada”, comentou.

No Estado, os militares estão instalados em bases de municípios como Dourados, Amambai, Corumbá, Iguatemi, Porto Murtinho, Jardim, Ponta Porã e Bela Vista. De cada local eles são remanejados para os postos de fiscalização.

A Ágata 2 ainda prevê ações sociais à população carente em municípios como Dourados e Porto Murtinho com serviços de saúde das Forças Armadas nos locais como atendimento médico e odontológico.

General explica que principal objetivo da operação é combater crimes nas regiões de fronteira.General explica que principal objetivo da operação é combater crimes nas regiões de fronteira.

Complementares - Representes da Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal comentaram nesta sexta-feira que a Ágata 2 e a Operação Sentinela podem ser consideradas ações complementares.

Já o coronel da Polícia Militar, Guilherme Gonçalves, afirmou que a PM tem mais de mil homens atuando em cidades da região de fronteira, contudo, o foco da corporação é a atuação “urbana” e será apenas de apoio a ação do Ministério da Defesa.

Vants - O general do CMO também foi questionado se os aviões não tripulados, conhecidos como vants, estarão em operação em Mato Grosso do Sul durante a Ágata 2.

Ele explicou que os dois vants, um da Polícia Federal e outro da Força Aérea, atuarão, no primeiro momento, em Foz do Iguaçu (PR) e Santa Rosa (RS), no entanto, que os aviões podem sobrevoar o território sul-mato-grossense “se houver mudança de prioridade” ao longo da ação.

Operação - A Operação Ágata mobiliza 7 mil militares nos quatro estados. A operação prevê até interceptação de aeronaves suspeitas no espaço aéreo em toda fronteira de MS, PR, SC e RS, bem como patrulha naval na calha dos rios.

A ação é desdobramento da Ágata 1, que foi realizada na Amazônia no mês passado, com destruição de pistas de pousos clandestinas e combate a crimes ambientais. Ambas fazem parte do plano estratégico de fronteiras lançado pelo governo federal.

Veja Também
Ministro da Defesa vai a Dourados no dia 22 para balanço da Ágata
O ministro da Defesa, embaixador Celso Amorim, estará em Dourados no dia 22 para receber dos comandantes militares de área o primeiro balanço da Oper...
Operação Ágata terá interceptação de aeronaves suspeitas nas fronteiras
Em Mato Grosso do Sul estão mobilizados 1.600 militares do Exército, 300 da Marinha e 450 da Aeronáutica no combate ao contrabando, tráfico e crimes...
Ministério da Defesa faz operação na fronteira de MS e outros três Estados
Deflagrada nesta sexta-feira, a operação Ágata 2 será realizada nas regiões de fronteira de Mato Grosso do Sul e outros 3 Estados. A ação, que reúne ...


concordo muito com a operaçao,mas seria melhor ainda essa operaçao se fossem para Brasilia onde se encontram os ladroes do nosso País, isso o governo passa vista grossa desviando dinheiro da educaçaode nossos filhos,obras e principalmente da nossa saude que é uma pouca vergonha é um discasso do ser humano,vamos fazer GOVERNO uma operaçao em BRASILIA tambem.assim quem sabe nosso BRASIL vive melhor
 
rosemari de macedo em 27/09/2011 09:45:38
Perfeito, mas alem de tudo isso, poderiam fazer um arrastão em Brasilia, percorrer conta bancarias, etc. Este pais só vai dar certo no momento em que não m ais tivermos corruptos no poder, atualmente é o mais temos, infelizmente.
 
Marcelo Nunes em 23/09/2011 12:52:36
concordo com essas operacoes desde que seja feita com inteligencia,e nao do jeito que esta sendo feito pois se envestigar e ir direto no foco do crime seria o correto e nao simplesmente colocar as forcas armadas na rua.pois quem realmente comete crime nas fronteiras nao fica nas ruas em dia de operacao.na minha opiniao soldados nas ruas esta sendo somente markenting para o povo.
 
giovani tormes em 21/09/2011 09:57:00
NA MINHA OPINIAO ESSES SOLDADOS NAO SAO MUITO PREPARADOS EU JA FUI ABORDADA E ELES NAO SABEM DIFERENCIA OS PRODUTOS E ACABAM SE PRECIPITANDO NAS APREENSOES.
 
amanda silva em 19/09/2011 03:13:00
Muito bom. DEVERIA SER FEITA CONSTANTEMENTE.
 
JOSÉ PEREIRA FILHO em 17/09/2011 12:45:52
seria melhor ainda se nossos politicos se juntassem a essa força e elaborassem leis penais mais rigidas a esse grupos que praticam esses crimes de trafico, contrabando descaminho etc. Talvez somente essa pratica resolva por um tempo depois volta a ser tudo como era antes.Do jeito que tá só fica preso quem nao paga pensao nesse país, e o povo se matando!
 
andre luiz em 17/09/2011 10:34:54
isso e otimo, maravilhoso, louvavel de aplausos, unica coisa que nao se pode esquecer e o sgte, pode fazer qualquer tipo de revista, unica coisa e que nao se pode esquecer, de maneira nenhuma e deixar de respeitar o cidadao que esta viajando, que tudo seja feito de maneira educada, eu tive a infelicidade de ser revistado pela força nacional vindo de corumba, foi uma das coisas mais contragendora.
 
luiz fernandes em 17/09/2011 07:11:40
VAMOS APLAUDIR O TRABALHO,DESDE QUE RESPEITEM NOSSOS DIREITOS COMO CIDADAO.COISA QUE NAO ACONTECE EM FOZ DO IGUACU.ONDE RECEITA FEDERAL FAZEM ABORDAGEM NAS RODOVIAS DE MANEIRA ESUPIDAS COM ARMAS MUITAS VEZES EM PUNHO DESRESPEITAMDO O CIDADAO.JA VI MUITO CASOS E O MEU MESMO HORAS NA FILA DA ADUANA PARA CADASTRAR O QUE COMPREI E OUVIR DOS AGENTES DA RF QUE AQUELE PEDACO DE PAPEL PARA ELES NAO E ND.
 
marcos machado em 17/09/2011 02:30:07
As revistas ( ou seja, buscas ) devem ser feitas de forma a intimidar seja la quem for pois bandido não tem cara!!!!!!! ta certo a força nacional, o direito de ir e vir é coisa apenas de papel, ou seja esta na CF apenas para encher linguiça!!!!! Acho louvavel a inibição de atitudes ilicitas mais deveria ocorrer no pais todo!!!!! Agora, não seria melhor investir na educação e saude.







 
sebastião dos reis em 17/09/2011 01:14:12

Disponível na AppStore Disponível no Google Play
  • Idalus Internet Solutions
  • Y digital intelligence
  • Rede Tendência
  • Gestão Ativa
  • 8020 Marketing
  • IVC Brasil
Desenvolvido por Idalus Internet Solutions e Y digital intelligence