A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

31/08/2015 06:12

Casas redondas são arquitetura contra o fim do mundo no meio do Cerrado de MS

Lucas Arruda
São cerca de cem casas atualmente na comunidade (Foto: Fernando Antunes)São cerca de cem casas atualmente na comunidade (Foto: Fernando Antunes)

Fugindo dos padrões dos centros urbanos, a comunidade de Zigurats, a 120 km de Campo Grande, tem em suas construções uma marca: todas as casas são redondas.

Veja Mais
Traços da nossa arquitetura, desde o “Gabinete Téchnico de Desenho" na Calógeras
Casa de madeira mantém as lembranças de 92 anos de dona Nazira na 14 de Julho

O lugar, que faz parte do projeto Portal, ficou famoso pelas supostas aparições de extraterrestres e a espera do fim do mundo. Mas além das histórias de apocalipse, que só poupará quem mora ali, as cercas de 100 casas no meio do Cerrado são outra atração para quem está acostumado com a cidade. A comunidade ainda é pequena e, apesar do número de imóveis, somente umas 15 pessoas moram lá de fato.

O formato das construções é para resistir aos fenômenos naturais, como vendavais e abalos sísmicos, e para melhor circulação de energia. “Se você olhar para a história da humanidade, vai ver que antigamente não se construía assim, as casas eram em outros formatos, muitas vezes redondo”, pontua a aposentada Vera Pedrosa, que mora em Zigurats há pouco mais de um ano. Ela garante que a temperatura ambiente é muito mais agradável, inclusive.

Telmo e Lígia se mudaram há seis meses para o local. O formato os preocupou no começo, mas afirmam que é como uma casa normalTelmo e Lígia se mudaram há seis meses para o local. O formato os preocupou no começo, mas afirmam que é como uma casa normal

A casa dela tem 32 metros quadrados, divididos em um quarto, banheiro, sala e cozinha integradas. Na construção, foram gastos cerca de R$ 40 mil. “Ela não é muito espaçosa, tive que me desfazer de algumas coisas, mas afinal, não preciso de muito espaço mesmo, vivo sozinha”, brinca.

O mestre de obras Telmo Flores se mudou para a comunidade com a esposa Lígia Rigo há seis meses. Morando temporariamente na casa de um amigo, ele já ajudou a construir dez casas em Zigurats e agora está finalizando a própria.

“Foi muito difícil construir neste formato no começo, pois só tinha experiência de construção em casas quadradas, como na cidade. Não tinha nenhum manual ensinando e aqui não vive mais ninguém que trabalha com construção, então aprendi sozinho. Agora até já fiz um manual para ajudar nas novas construções”, afirma Telmo.

Vera afirma que a casa está mais preparada para fenômenos da naturezaVera afirma que a casa está mais preparada para fenômenos da natureza

Por ser redonda, a parede tem que ser levantada por camadas. Somente quando uma fileira de tijolos fecha uma volta completa é que a de cima pode começar a ser feita. Geralmente não são utilizados os tijolos de oito furos e sim retangulares. As janelas só podem ser feitas depois que a casa estiver de pé. “Não dá para construir deste modo com buracos no meio do serviço”, explica.

As pessoas também podem achar difícil decorar um espaço redondo, já que a maioria dos móveis não é pensada para casas neste formato. “Eu fiquei muito apreensiva quando nos mudamos, pensando em como iria decorar, como iria dispor os móveis, mas isso são ideias pré-concebidas em nossa cabeça, no fim é praticamente a mesma coisa”, relata Lígia.

O teto também chama atenção. Ele é feito em formato de arco e parece que foi encaixado em cima da casa. Mas Vera afirma que os pedreiros não reclamam de construir daquele jeito. “Eles fazem tudo muito rápido, o meu foi finalizado em dois dias. Ele é feito como as paredes, fileira por fileira”, detalha.

Por cima do telhado, na maioria das casas há uma manta asfáltica prateada que serve para impermeabilizar a casa e também para refletir um pouco da radiação da luz do sol. O mais interessante é durante a noite, quando a luz da lua é refletida e de longe parece que a cidade está cheia de postes acesos.

Vera ainda pretende aumentar a casa, agora está construindo uma varanda com terra e pretende fazer um anexo e transformá-lo em lavanderia. “Tenho essa preocupação com o meio ambiente e construir com terra sai mais barato também”, afirma. Para levantar uma parede é gasto em torno de R$ 1500.

 

Para erguer uma casa neste formato é gasto em torno de R$ 40 milPara erguer uma casa neste formato é gasto em torno de R$ 40 mil
O teto é em formato de arco, sendo construído fileira por fileiraO teto é em formato de arco, sendo construído fileira por fileira

Na casa dela é feita emmutirão com alguns voluntários para terminar de construir a parede da varanda. Mas a bioconstrutora Sofia Novak adverte que não é qualquer tipo de terra que pode ser usada. “A terra tem que ter um pouco de argila e areia”, explica. Também é utilizado um pouquinho de cimento.

A construção de terra também é muito resistente e segundo Sofia, umas casa com este tipo de material pode durar milhares de anos. “Existem partes da Muralha da China que foram construídas com terra, numa técnica bem parecida com essa e está de pé até hoje”, exemplifica.

Outra vantagem da construção com terra é a temperatura, já que o material retém melhor a umidade e deixa mais fresco o interior da casa.

Na comunidade está sendo construída uma grande pirâmide, que abrigará shopping, museu, cinema e salas de pesquisas ufológicas. Serão 63 metros de base por 63 metros de altura. Ela deve ser finalizada dentro de alguns anos.

Vera está construindo uma varanda com terra em sua casaVera está construindo uma varanda com terra em sua casa
Mutirão para levantar caso nova.Mutirão para levantar caso nova.
Casas conectadas.Casas conectadas.



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.