A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

30/03/2016 06:34

Em casinha da Afonso Pena, professora completa Bodas de Diamante com avenida

Thailla Torres
Dona Lenis observa a avenida e sente saudades dos tempos de vizinhança. (Foto: Thailla Torres) Dona Lenis observa a avenida e sente saudades dos tempos de vizinhança. (Foto: Thailla Torres)

Escondida, entre árvores e o trânsito agitado da Afonso Pena, a casinha verde com um Fusca na garagem é o que restou da década de 60 na principal avenida da cidade. Nada se transformou naquele cenário, apesar de toda a mudança em volta.

Veja Mais
Traços da nossa arquitetura, desde o “Gabinete Téchnico de Desenho" na Calógeras
Casa de madeira mantém as lembranças de 92 anos de dona Nazira na 14 de Julho

Ali, na região da antiga rodoviária, mora Lenis Lemes, de 73 anos, uma professora aposentada que parece ser de pouca conversa, até ser convidada a falar da sua história. Sentada na varanda, ela observa toda a movimentação junto da vira-latas Bel e, como nunca teve marido, diz que se “casou” com a avenida. A relação já dura 62 anos, tempo suficiente para bodas de diamante.

Sem saber a idade da casa, ela conta que chegou ao local em 1954. Os pais vieram de Coxim e compraram o imóvel com o desejo de morar em Campo Grande e as filhas estudarem em colégio interno.

Dos sete irmãos que a vida deu, todos já faleceram. Por isso, atualmente, a história da família vai seguindo ao lado de um primo e do filho dele, que moram no mesmo endereço.

O verde da casa e das plantas, chama atenção entre os comércios da região. (Foto: Fernando Antunes)O verde da casa e das plantas, chama atenção entre os comércios da região. (Foto: Fernando Antunes)

Do lado de fora, o verde é o que mais chama atenção. Os traços antigos estão na arquitetura por toda parte, em cada móvel de madeira há uma história e uma lembrança.

Mesmo que muita coisa já tenha mudado, o formato das portas, janelas e o piso são os mesmos desde que Lenis entrou na casa pela primeira vez. O que não volta mais são os amigos que fez por ali. Ela se lembra de quando havia outras casas por perto e a vizinhança se conhecia. “Essa foi minha única casa, presenciei as mudanças e as melhorias. Mas sinto falta mesmo é dos vizinhos” diz.

Hoje, a realidade é bem diferente. A casa de dona Lenis fica entre um posto de combustíveis e um hotel. Ela precisa lidar com a correria e a paisagem totalmente transformada, onde a maioria das casas deu lugar aos comércios.

Para a professora, morar na mesma casa é ver o tempo passar e as pessoas partirem. “Todos os meus irmãos já se foram e continuo aqui. Por isso não saio dessa casa, aqui carrego minha história e sempre fui feliz aqui”, garante a aposentada que preservou, pelo menos, a sensação de segurança. “Aqui eu não sou incomodada, quando vou dormir só fecho as portas e fico em paz, na companhia de quem ainda mora comigo".

Nada tira da cabeça dela o desejo de continuar vivendo no mesmo endereço das últimas 6 décadas. “Aqui é a minha vida e a minha história. E só saio daqui quando eu morrer”.

Lenis tem 73 anos e mora na avenida Afonso Pena há 62. (Foto: Thailla Torres) Lenis tem 73 anos e mora na avenida Afonso Pena há 62. (Foto: Thailla Torres)
O verde da fachada e das plantas é o contraste entre os prédios vizinhos. (Foto: Fernando Antunes) O verde da fachada e das plantas é o contraste entre os prédios vizinhos. (Foto: Fernando Antunes)



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.