A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

08/10/2015 06:45

Preservando a vegetação natural, casa em Bonito tem a vantagem do baixo custo

Naiane Mesquita
Casa mescla uma decoração rústica com elementos modernos (Foto: Reprodução/Camila Laurentino)Casa mescla uma decoração rústica com elementos modernos (Foto: Reprodução/Camila Laurentino)

Para construir com o menor impacto ao meio ambiente não são necessários grandes planos mirabolantes na arquitetura. Pequenas ações, como a preservação da área verde e do terreno original, além do aproveitamento da luz solar se tornam decisivos para uma edificação mais próxima da sustentabilidade.

Veja Mais
Traços da nossa arquitetura, desde o “Gabinete Téchnico de Desenho" na Calógeras
Casa de madeira mantém as lembranças de 92 anos de dona Nazira na 14 de Julho

Vegetação natural do entorno foi preservada Vegetação natural do entorno foi preservada

As arquitetas Camila Laurentino e Karolina Tureta, da Duo Arquitetas se basearam nessa tendência para um projeto no coração do ecoturismo de Mato Grosso do Sul, o município de Bonito. A casa de um casal de idosos mescla conceitos rústicos e modernos, com simplicidade e baixo custo.

“Construtivamente não utilizamos nenhum material ou técnica em especial. A casa será construída de maneira convencional. Porém, nem sempre são estes os fatores que definem sua eficiência em proteger o ambiente em que estará inserida. A começar pelo local de implantação. Foi escolhida uma área onde não haverá a necessidade de remover as árvores e que não haverá grande movimentação de terra”, explica Camila.

A casa fica em uma fazenda, sendo que a área a ser construída é de 110,50m², com apenas 69,80m² destinados a residência com cobertura, o restante é de área aberta, com varanda, pergolado, cozinha externa e vegetação natural do local. Priorizando grandes janelas, portas de vidro e redários, o projeto prioriza a beleza da arquitetura em total harmonia com a natureza.

“Amplas aberturas permitem a ventilação e a iluminação natural, o que descarta a necessidade de luzes acesas durante o dia e condicionamento de ar. A implantação da casa também foi pensada de acordo com a orientação solar e dos ventos, levando em consideração já a vegetação existente, que contribui para o microclima do local onde ela será inserida”, aponta.

Janelas e portas grandes e de vidro buscam valorizar a ventilação e luz naturalJanelas e portas grandes e de vidro buscam valorizar a ventilação e luz natural

Os redários que concedem um charme de fazenda para a casa também estão presentes no quarto do casal, um pedido dos clientes.

“O cliente queria um local reservado para descanso, longe da área externa, onde pudesse estar acontecendo uma festa, por exemplo. Foi pensando nisso que o quarto do casal foi implantado do outro lado da casa, e unindo o útil ao agradável, optamos por um deck reservado com redes. Assim o casal pode ter sua privacidade garantida e a pérgola ainda ajuda a proteger o quarto do sol da tarde”, acredita.

Para que a construção fosse de baixo custo, um pedido do cliente, a arquiteta optou por ambientes integrados, eliminando paredes.

“Também quase não existe laje. Na sala e cozinha integradas optamos pelo forro que acompanha a inclinação do telhado, dando até a possibilidade de um ambiente com o pé direito mais alto, o que fica bonito e ao mesmo tempo contribui para o conforto térmico. O forro será executado em PVC que imita madeira, garantindo o baixo custo na execução e na mão de obra. Haverá laje somente no cômodo que abrigará a caixa d'água, então de 110,50m² de área construída apenas 9m² terá laje”, diz.

Um redário exclusivo para o quarto do casal é um charme à parteUm redário exclusivo para o quarto do casal é um charme à parte

O cuidado em observar a incidência de luz e do vento, assim como os ambientes integrados facilitam na questão do custo-benefício, que é o principal motivo que afasta os moradores da casa mais sustentável.

“O primeiro passo para se executar um projeto com características que contribuem para o baixo custo e sustentabilidade é o estudo do local onde será implantado. Mesmo que não haja ainda nenhuma técnica em especial, se aproveitarmos os recursos naturais que o entorno oferece, seja no campo ou na cidade, isso já traz uma satisfação imensa tanto para o cliente quanto para o meio ambiente”, acredita.

Camila ainda cita o uso de tijolo ecológico e o uso de materiais recicláveis uma saída para quem deseja investir mais em uma construção sustentável e que respeite o meio ambiente. “A construção em tijolos ecológicos, fabricados com recursos naturais, por exemplo, diminuem muito o impacto ambiental. Telhas fabricadas a partir de materiais reciclados também são uma ótima opção”, frisa.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.