A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

17/10/2012 14:42

Vestígios da 14 de Julho são homenagem em fachada

Ângela Kempfer
Ladrilhos na parede e no chão, nos moldes do que era visto na 14 da década de 30.Ladrilhos na parede e no chão, nos moldes do que era visto na 14 da década de 30.

Na entrada da mostra Morar Mais por Menos, a homenagem à revitalização do centro de Campo Grande já é um agrado à autoestima da cidade. Os ladrilhos, que ainda hoje são vistos em alguns pontos na calçada da rua 14 de Julho, forram de cinza o chão de quem chega.

Veja Mais
Traços da nossa arquitetura, desde o “Gabinete Téchnico de Desenho" na Calógeras
Casa de madeira mantém as lembranças de 92 anos de dona Nazira na 14 de Julho

Na parede, mais ladrilhos hidráulicos, coloridos, iguais aos que ficavam no interior de lojas e residências daquela Campo Grande. Fotos enormes são de um tempo sem muita correria, quando os prédios que começaram a construir a região ainda apareciam vistosos. Época do Bar Bom Jardim, na 14, entre a Barão e a Dom Aquino, que na década de 30 era um dos mais vivos da cidade.

Hoje não há quase nada, só a lembrança que levou o arquiteto Ângelo Arruda a desenhar a fachada principal da mostra que será aberta amanhã ao público.

O portão de acesso, feito de ferro, tem o símbolo da NOB, Noroeste do Brasil, a ferrovia que trazia os aventureiros para este canto do país. “Era por ali que todo mundo entrava na cidade, por isso trouxemos essa lembrança à mostra”, justifica o arquiteto.

Na saída, mais uma referência apagada da memória da maioria. Outro portão de ferro lembra que durante décadas um portal semelhante ficava onde hoje está a  avenida Bandeirantes, era a despedida para quem deixava Campo Grande. “O original, era um portão feito pelo alemão Júlio Ditmar”, conta Ângelo.

Réplicas das luminárias daquela época também foram reproduzidas, em tamanho menor. À noite, serão acionadas, para garantir luza ao bar que será instalado na calçada, para quem quiser terminar o dia no clima de boteco.

Para explicar cada detalhe, Ângelo até reproduziu uma edição do Jornal do Comércio de Campo Grande, com data de outubro de 1930, onde fala da “Rua Principal” e relaciona as lojas que há 80 anos funcionavam na 14 de Julho.

As fotos mostram como era a rua principal da cidade.As fotos mostram como era a rua principal da cidade.
A marca da Noroeste do Brasil, ponto de chegada.A marca da Noroeste do Brasil, ponto de chegada.
À noite a fachada vai virar barzinho.À noite a fachada vai virar barzinho.



Parabéns por revitalizar nossa memória!

 
Marisa Delalíbera Nunes da Cunha em 18/10/2012 09:38:10
muito lindo sofisticado e barato ... muito boom parabens a todos ..
 
Nayara Ferzelii em 18/10/2012 08:54:19
muito bonito as fotos
 
sullivan miranda de brito em 17/10/2012 15:28:49
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.