A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

07/12/2012 10:12

Acervo da colônia de Dourados agora é memória do mundo

Elverson Cardozo
Registros ajudam a contar a história da colônia criada no governo de Getúlio Vargas. (Foto: Rodrigo Pazinato) Registros ajudam a contar a história da colônia criada no governo de Getúlio Vargas. (Foto: Rodrigo Pazinato)

A Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) concedeu registro de “Memória do Mundo” ao acervo de documentos da Cand (Colônia Agrícola Nacional de Dourados). A solenidade aconteceu nesta quarta-feira (4), na sede do Arquivo Nacional, no centro do Rio de Janeiro. Outras 12 instituições brasileiras receberam o título.

Veja Mais
Danielle Winits vive Marilyn Monroe em peça que estreia em janeiro na Capital
Fim de semana tem Naiara Azevedo e contação de histórias

O acervo reúne documentos de 17 anos, de 1943 até 1960. São registros administrativos que ajudam a contar a história da colônia implantada no sul do Estado durante o governo do então presidente Getúlio Vargas.

Era uma espécie de assentamento, em uma região pouco desenvolvida, quase desabitada. Surgiu de um plano federal para o desenvolvimento do país e ocupação do território nacional.

“Veio imigrantes de todo o país para tomar conta dessas terras. A partir daí surgiram vários municípios de Mato Grosso do Sul”, explicou a coordenadora do Arquivo Público Estadual, Lira Dequech.

Com a colonização dos novos municípios o povoado desapareceu. Os arquivos da comunidade foram cedidos à Fundação de Cultura do Estado, onde estão guardados hoje.

São aproximadamente 33 caixas que reúnem mais de 5 mil documentos administrativos. “Tem termos de posse das colônias, da logística, da escola que foi implantada na época. São documentos da administração, muitos ofícios, papéis da contabilidade”, disse.

O acervo foi catalogado e inscrito este ano no edital lançado pela organização. “A Unesco entendeu que era importante para Mato Grosso do Sul, para a história do nosso Estado”, afirmou. O registro, acrescentou, pode abrir portas para a busca de recursos e patrocínios.

Acervo tem mais de 5 mil documentos. (Foto: Rodrigo Pazinato)Acervo tem mais de 5 mil documentos. (Foto: Rodrigo Pazinato)
Arquivo está disponível para consulta no Arquivo Público de MS. (Foto: Rodrigo Pazinato)Arquivo está disponível para consulta no Arquivo Público de MS. (Foto: Rodrigo Pazinato)

Certificado e programa - O certificado concedido pela Unesco agrega valor ao acervo, que vai para o Arquivo Público do Brasil. O objetivo da ação é valorizar e difundir o patrimônio documental do país e sensibilizar o poder público para implementação de políticas de preservação e acesso à documentação.

A entidade reconhece, por meio do programa Memória do Mundo, patrimônios documentais de significância internacional, regional e nacional.

Junto com a Colônia Agrícola Nacional foram nominados os seguintes documentos: Arquivo Herbert de Souza (1952-2003), do Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil - Fundação Getúlio Vargas, Atlas e Mapa do Cartógrafo Miguel Antônio Ciera (1758), da Fundação Biblioteca Nacional, Coleção Carlos Gomes do Museu Imperial (1855-1942), do Museu Imperial de Petrópolis, Coleção de Livros do Tombo do Mosteiro de São Bento da Bahia (1543-1818), do Mosteiro de São Bento da Bahia, Fundo Câmara Municipal de Ouro Preto (1711-1889), do Arquivo Público Mineiro, Livros dos Bens Livres Pertencentes aos Jesuítas, dos Colégios de Olinda e Recife, Pernambuco (1765-1768), do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano, Mapa Etno-Histórico do Brazil e Regiões Adjacentes. Por Curt Nimuendajú (1943),do Museu Paraense Emílio Goeldi, Negativos de Vidro do Fundo Instituto Oswaldo Cruz - IOC (1903-1946), da Fundação Oswaldo Cruz e Processos Trabalhistas: Dissídios Coletivos e Individuais (1941-1985), do Memorial da Justiça do Trabalho em Pernambuco.

A partir de 26 de fevereiro de 2013, todos os acervos brasileiros incluídos no programa estarão expostos na sede do Arquivo Nacional, na Praça da República, 173, no centro do Rio. A mostra, que ficará em cartaz até o final de maio, vai comemorar os 20 anos do programa.

Os registros da Cand estão passando pelo processo de digitalização, mas já podem ser consultados no Arquivo Público do Estado.

Serviço - O órgão fica no Memorial da Cultura e da Cidadania, na avenida Fernando Corrêa da Costa, 559, região central de Campo Grande.

Mais informações podem ser obtidas pelos telefones (67) 3316-9139 ou (67) 3316-9167.




Prezados;

Na UFGD temos o CDR - Centro de Documentação Regional, neste local tem uma excelente estrutura para preservar este patrimônio, si for o caso podem contar conosco pra auxiliar neste trabalho.

Segue o Link para que todos possam conhecer nosso trabalho:
http://www.ufgd.edu.br/centrodoc


Até mais.
 
Fábio Araujo Gomes em 24/12/2012 16:16:39
O que adianta receber esse título? O local está acabado, mofo, não tem um profissional formado na área, nunca tem ninguém para dar informação (está fazendo atendimento! sempre isso) e não tem nem ar-condicionado funcionando! Olha o estado dos papéis!
 
marcelo velasquez em 07/12/2012 14:00:34
Muito me emociona esta notícia, afinal meu avô Paulo Alberto Thiry foi topógrafo da Colônia. Cresci ouvindo histórias contadas pelo meu pai que nasceu e foi criado lá. Parabéns a todos do Arquivo Público Estadual que cuidam desses documentos com tanto cuidado e carinho.
 
Ana Alice Thiry Paiva em 07/12/2012 13:49:44
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.