A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

19/08/2016 06:20

Com telescópio ou longa exposição, curso ensina a fotografar lua e as estrelas

Naiane Mesquita
Com telescópio é possível fazer uma foto assim da Lua (Foto: Henrique Arakaki)Com telescópio é possível fazer uma foto assim da Lua (Foto: Henrique Arakaki)

O brilho das estrelas no céu azul profundo só pode ser captado com paciência. Os segundos de exposição são decisivos para descobrir os mistérios de um universo próximo, enquanto os mais longínquos só com a ajuda de um telescópio. Ou seja, por mais que empolgue a Oficina de Astrofografia gratuita da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), não adianta nada se você não tiver uma noção de como funciona para achar um planeta na imensidão.

Veja Mais
Em clipe de rock alternativo, casal coloca tudo a perder por mensagem de celular
Poeta Ferreira Gullar morre aos 86 anos devido a problemas respiratórios

Estrelas são capturadas com técnica de longa exposição (Foto: Henrique Arakaki)Estrelas são capturadas com técnica de longa exposição (Foto: Henrique Arakaki)

Mesmo assim, não parece ser tão difícil aprender. Um dos palestrantes do curso, que acontece dia 27 de agosto, das 18h às 20 horas, na Casa da Ciência da UFMS, Henrique Arakaki, 19 anos, se dedica a arte há pouco mais de um ano e tem até foto da lua no portfólio.

“Eu comecei sozinho, vi uns vídeos na internet. No caso eu uso a câmera profissional da Casa da Ciência e fui futricando e aprendendo meio que sozinho”, explica Henrique, que está no segundo ano do curso de Física. jeito é aprender a lidar com a longa exposição. “Você precisa de uma câmera que possa ser controlada pelo modo manual, nós usamos a longa exposição e o obturador captura a luz de quatro a oito segundos. Isso faz com que tenhamos muitos detalhes”, aponta.

Para capturar melhor a imagem, o ideal é ir para locais mais afastados. “Na cidade dá para fazer, mas não vai ser nem um pouco perto do resultado do que em ambientes mais afastados do perímetro urbano. Tem muita poluição luminosa, da própria cidade. Isso atrapalha a observação astronômica”, ressalta.

Henrique costuma ir para chácaras que ficam nas imediações em busca de um resultado melhor. “Fiz uma vez ali na região da avenida Três Barras, na chácara de um professor. Fica bem interessante o resultado”, indica.

Na cidade, as luzes atrapalham um pouco (Foto: Henrique Arakaki)Na cidade, as luzes atrapalham um pouco (Foto: Henrique Arakaki)

Já com o telescópio, Henrique ressalta que é possível utilizar outras técnicas. “Mas, precisa de um preparo antes, tem que ter muito estudo daquilo que você tem que achar e preparar para tirar a foto. São objetos mais específicos, como a Lua, planetas ou constelações. A observação permite saber se ele estará no céu naquele horário e se nada vai atrapalhar para fazer a foto”, frisa.

Quem quiser participar do curso e aprender um pouquinho pode fazer a inscrição até hoje, dia 19 de agosto, pelo e-mail cacarlsagan@gmail.com. Ao todo são 30 vagas e é preciso levar câmera fotográfica. Além de Henrique, o 




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.