A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

13/08/2014 06:51

Em Mato Grosso do Sul, clássicos como Mona Lisa aparecem tomando tereré

Paula Maciulevicius
A releitura do clássico de Leonardo da Vinci está na série: Clássico com Tereré.A releitura do clássico de Leonardo da Vinci está na série: "Clássico com Tereré".

Em Mato Grosso do Sul é assim, o costume de tomar tereré foi parar até nas mãos de Mona Lisa. A releitura do clássico de Leonardo da Vinci está na série inusitada do artista plástico Márcio Tuller "Clássico com Tereré". Nascido e criado em Campo Grande, amante do tereré, ele conta que esta foi a forma de homenagear a bebida que já é patrimônio cultural de um jeito divertido e bem colorido.

Veja Mais
Em clipe de rock alternativo, casal coloca tudo a perder por mensagem de celular
Poeta Ferreira Gullar morre aos 86 anos devido a problemas respiratórios

Advogado, com 42 anos, ele começou a pintar e desenhar ainda criança e de 15 anos para cá que passou para o lado profissional como artista. Desde então, já usava da bebida tipicamente regional, mas nunca inserida neste contexto. "Resolvi fazer a série das telas clássicas mais conhecidas com o tereré no meu estilo de pintura", conta.

Os primeiros quadros da série são as releituras de Magritte, Mona Lisa e Abaporú, de Tarsila do Amaral, todas com o tereré. "Na famosa tela de Magritte, ao invés da maçã, usei o tereré e um chapéu, chamo de Magritte Pantaneiro", brinca.

Em seguida, a adaptação sul-mato-grossense foi parar em Mona Lisa. As obras são pintadas em estilo painel, o que dispensa moldura. Só que no caso dela, foi aberta uma exceção. "Eu queria deixar bem clássica e ao mesmo tempo inovadora", avalia.

Abaporú, de Tarsila do Amaral, também ganhou o tereré.Abaporú, de Tarsila do Amaral, também ganhou o tereré.
O Magritte Pantaneiro, sai a maçã, entra o tereré.O Magritte Pantaneiro, sai a maçã, entra o tereré.

Na forma de pintar, Márcio prioriza a tela sem falhas e com a tinta bem 'chapada', para isso chega a passar cinco, seis mãos de cada tom.

A última releitura a ganhar o tereré foi Abaporú, de Tarsila do Amaral, uma das obras brasileiras mais reproduzidas País afora. A receptividade, do público, Márcio descreve que foi imediata. Isso porque a cada etapa, os quadros eram postados no Facebook.

Por enquanto, os clássicos são só estes, mas ele não quer parar por aqui. "Dentro dessa linha é possível fazer até a Deusa da Justiça, por exemplo". O advogado ainda não conseguiu juntar obras para montar uma exposição, porque assim que finaliza uma tela, já tem público querendo comprar.

"A aceitação está sendo muito boa, curtidas, compartilhamentos, as três foram bem aceitas, como eu vou postando as pessoas vão acompanhando", explica.

Para adquirir e encomendar quadros da série "Clássicos com Tereré", o contato com o artista pode ser pelo blog ou pelo e-mail: eutuller@terra.com.br.

Márcio Tuller, advogado e arista plástico há 15 anos.Márcio Tuller, advogado e arista plástico há 15 anos.
Mona Lisa na versão daqui se refresca à base da erva.Mona Lisa na versão daqui se refresca à base da erva.



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.