A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

06/03/2013 08:47

Festival leva a arte dos contadores de histórias para a periferia

Mariana Lopes
Festival leva contação de histórias para a periferia (Foto: Divulgação)Festival leva contação de histórias para a periferia (Foto: Divulgação)

Contos, histórias, lendas, mitos, folclore... Tudo o que couber uma narração entra na brincadeira. Mas é uma brincadeira séria, para adultos e crianças. E o mais bacana é que a ideia veio das salas de teatros e chegou à periferia de Campo Grande.

Veja Mais
Poeta Ferreira Gullar morre aos 86 anos devido a problemas respiratórios
Com gorros de Papai Noel, artistas realizam performance contra calote de editais

Nesta semana, de 6 a 9 de março, acontece o 1º Festival de Contação de História, na Mata do Jacinto, região norte da Capital. O local de encontro para quem quer contar ou ouvir as narrativas é a sede do Ponto de Cultura Curumins da Mata, na rua Miguel Seba , 173.

Os quatro dias de atividades lúdicas prometem reunir artistas, educadores, pais e crianças, que são o público alvo do projeto. Qual é o pequeno que não deixa a imaginação ganhar asas ao ouvir uma boa história? E ai está o X da questão. Um dos objetivos do Festival é aprimorar a forma repassar os contos.

“Queremos mostrar os valores da nossa terra, da arte de contar história e outros segmentos de cultura”, explica a coordenadora do projeto, Conceição Leite. Ela também antecipa que o foco do festival será os educadores infantis.

A programação começa de manhã, com oficinas, palestras, mesas redondas e visitas às escolas municipais e aos Ceinf’s (Centro de Educação Infantil). À noite, o Festival fecha com as contações de histórias.

O projeto atinge quatro escolas municipais e seis Ceinf’s. “A gente pretende trabalhar com os bairros próximos, expandir a arte”, comenta Conceição. Ela explica que o projeto irá abranger bairros como Campo Verde, Estrela Dalva, Novos Estados, Novo Minas Gerais, Jardim Arco-Íris, Nossa Senhora Aparecida, entre outros.

Para as oficinas, o evento conta com a participação do ator Augusto Pessoa, do Rio de Janeiro, e da musicista Beatriz Myrrha, de Minas Gerais.

“Contar e ouvir é uma necessidade humana. A gente só vai estimular a busca individual de cada contador contar sua história”

No sábado (9), o Festival muda de endereço, vai da periferia para uma das ruas mais “caras” de Campo grande. O encerramento do evento será na livraria Leparole, na rua Euclides da Cunha, 1126.

Quem quiser participar do Festival é só ir, encontrar um lugar confortável e abrir os ouvidos, a mente e o coração para aproveitar as histórias. É de graça. As vagas das oficinas eram limitadas e já foram preenchidas.




Qual criança que não fica encantada com uma história bem contada? o que vale para os adultos também. Acho que houve um engano na data, está no mês de maio e deve ser março.
 
LUCIANA VILLAMAINA CENTENO em 06/03/2013 10:59:53
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.