A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

27/07/2015 06:34

Fotógrafa acompanha mãe para registrar 20h de antes, durante e depois do parto

Paula Maciulevicius
Em casa, o carinho do pai e a atenção da doula à gestante. (Foto: Paula Cayres Fotografia)Em casa, o carinho do pai e a atenção da doula à gestante. (Foto: Paula Cayres Fotografia)

Das 9h da noite até às 5h da tarde do dia seguinte. As 12 primeiras horas foram em casa, quando as contrações começaram e a gestante tinha ao redor o melhor ambiente: o próprio lar. As cenas registradas mostram o carinho e cuidado da doula, a atenção do pai, o banho, a conversa no sofá da casa e até as fotos recebidas por WhatsApp. Desde 2013 são esses os cliques a que a fotógrafa Paula Cayres se dedica: família, gestantes e partos.

Veja Mais
Fim de semana tem Naiara Azevedo e contação de histórias
Descobertos na adolescência, Rafa e Ruan mesclam clássicos e pop sertanejo

Ao todo foram 20h de acompanhamento, junto da gestante e da câmera. Os cenários foram desde a casa, sala de parto até o quarto onde o bebê foi recepcionado pela família. "A fotografia de parto ela é diferente, não usa flash e geralmente estamos no quarto ou num lugar sem claridade", descreve Paula, de 33 anos.

Assim que ela é contratada, já se programa para não viajar e nem fazer qualquer atividade que possa lhe tirar a dedicação para a data prevista do parto. "Eu não faço nada, não pego aniversário para fazer também, nem nada que eu não possa reagendar. Fico de sobreaviso", explica.

A futura mamãe no sofá de casa, ao lado da doula. (Foto: Paula Cayres Fotografia)A futura mamãe no sofá de casa, ao lado da doula. (Foto: Paula Cayres Fotografia)
No quintal, um abraço que parece diminuir parte da dor. (Foto: Paula Cayres Fotografia)No quintal, um abraço que parece diminuir parte da dor. (Foto: Paula Cayres Fotografia)

E foi no sobreaviso que ela recebeu a gente do Lado B. Um olho para a repórter e o outro direto no celular, qualquer sinal poderia ser para avisar que as contrações já ritmaram. "A gestante me liga quando começa a sentir os pródomos, que é quando o corpo começa a se preparar para o parto - a gente precisa conhecer a fisiologia e a etapa dos trabalhos de parto - e ela vai me avisando se as contrações tão de 5 em 5, se está ativo, latente...", relata.

Como a maioria dos partos seguem a linha humanizada, Paula vai para a casa da paciente quando a doula também é acionada. "Chegando lá, deixo a gestante à vontade com a família dela. Ela almoça, toma banho... Mas às vezes não dá tempo e eu já vou direto para a maternidade", exemplifica.

Quando dá tempo, as cenas ficam tão incríveis que parece que estamos diante dos minutos de ansiedade de uma família, à espera do nascimento. "É gratificante para mim, porque é um momento íntimo e muito particular... Eu tento ficar o mais invisível possível... Só falar o extremamente necessário", garante Paula.

Pelo Whats, ela recebia as fotos do aniversário da filha mais velha. (Foto: Paula Cayres Fotografia)Pelo Whats, ela recebia as fotos do aniversário da filha mais velha. (Foto: Paula Cayres Fotografia)
O afeto do marido em cenas de abraço ainda em casa. (Foto: Paula Cayres Fotografia)O afeto do marido em cenas de abraço ainda em casa. (Foto: Paula Cayres Fotografia)
Na hora do descanso, ele acaricia os pés dela. (Foto: Paula Cayres Fotografia)Na hora do descanso, ele acaricia os pés dela. (Foto: Paula Cayres Fotografia)
Já na maternidade, a banheira com água morna ameniza as dores. (Foto: Paula Cayres Fotografia)Já na maternidade, a banheira com água morna ameniza as dores. (Foto: Paula Cayres Fotografia)

Nessas fotos, Paula registrou o descanso da mãe no quarto, o amanhecer do dia e a hora de ir à maternidade. Também teve a troca de fotos por WhatsApp. A gestante já tinha uma filha que fazia aniversário aquele dia e a festinha estava sendo realizada na casa da avó. "Elas foram se falando, a filha mandando fotos", lembra Paula.

Na maternidade, o registro já é da banheira com água quente, das massagens tanto da doula como do pai, para aliviar as dores, a respiração, até o expulsivo e o bebê nascer. A emoção da família está ali, eternizada. Em seguida vem fotos do primeiro olhar do recém nascido, o teste do pezinho... Até as primeiras visitas.

Paula se descobriu fotógrafa quando se tornou mãe. Clara nasceu e ela que sempre gostou de fotografia, mas trabalhava como comissária de bordo, se viu diante do que faltava: o impulso para ir para os cliques. "No final da gestação veio o impulso, comecei a pesquisar, investir em equipamento e em novembro de 2013 fotografei meu primeiro parto", recorda.

De lá para cá, já foram várias cenas de puro amor. "A mãe, ela entra no universo dela, a a partolândia e muitas vezes não ouve, não vê, não está se olhando. É um momento de entrega da mulher e pelas fotos, depois, ela pode revivê-los", finaliza Paula.

Entre respirações e contrações... (Foto: Paula Cayres Fotografia)Entre respirações e contrações... (Foto: Paula Cayres Fotografia)
Até a alegria de ver o bebê nascer. (Foto: Paula Cayres Fotografia)Até a alegria de ver o bebê nascer. (Foto: Paula Cayres Fotografia)
A menininha, na maior pose. (Foto: Paula Cayres Fotografia)A menininha, na maior pose. (Foto: Paula Cayres Fotografia)



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.