A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

05/03/2013 10:26

MIS abre exposição e exibe filmes de Glauce Rocha a partir do dia 11

Ângela Kempfer
Glauce Rocha em cena no filme Navalha na Carne, de 1969 (Foto: Divulgação)Glauce Rocha em cena no filme "Navalha na Carne", de 1969 (Foto: Divulgação)

De 11 a 15 de março, o MIS (Museu da Imagem e do Som) apresenta a Mostra Glauce Rocha, com exibições de da artista sul-mato-grossense, às 19 horas e com entrada franca. Também será montado no local uma exposição sobre a carreira da atriz que nasceu em campo Grande.

Veja Mais
Com gorros de Papai Noel, artistas realizam performance contra calote de editais
Da droga à reabilitação, Zé Pretim sobe ao palco com banda e repertório afiado

O museu fica no Memorial da Cultura, na Avenida Fernando Correa da Costa, 559, 3º andar. Veja a programação completa:

Confira a relação e a sinopse dos filmes:

Terra em Transe - 11 de março (segunda-feira)
Num país fictício chamado Eldorado, o jornalista e poeta Paulo (Jardel Filho) oscila entre diversas forças políticas em luta pelo poder. Porfírio Diaz (Paulo Autran) é um líder de direita, político paternalista da capital litorânea de Eldorado. Dom Felipe Vieira (José Lewgoy) é um político populista e Julio Fuentes (Paulo Gracindo) o dono de um império de comunicação. Em uma conversa com a militante Sara (Glauce Rocha), Paulo conclui que o povo de Eldorado precisa de um líder e que Vieira tem os pré-requisitos para a missão. Grande clássico do Cinema Novo, o filme faz duras críticas à ditadura.
Direção: Glauber Rocha. Elenco: Jardel Filho, José Lewgoy e Glauce Rocha. Drama, 106min, 1967.

Glauce Rocha: A estrela Anunciada – 12 de março (terça-feira)
O documentário apresentado por Francoise Forton narra a vida e obra de Glauce Rocha, desde a saída de Campo Grande, a consagração e a morte da atriz. Um filme emocionante que atesta a força e a coragem de uma mulher que enfrentou preconceitos para viver a profissão de atriz entre períodos de repressão. O documentário traz frases da própria atriz, fotos, trechos de filmes e novelas, além de depoimentos de familiares, amigos e grandes artistas, como Ney Latorraca, Antônio Abujamra e Aracy Balabanian.
Direção: Sônia Garcia, documentário, 51min, 1992

O Noivo da Girafa – 13 de março (quarta-feira)
O funcionário do zoológico Aparício Boamorte (Amácio Mazzaropi) é constantemente gozado pelos colegas e perseguido pelo chefe implicante. Tudo muda quando seu exame médico é trocado com o de um animal e é equivocadamente dado como moribundo. A confusão se arma quando o dono da pensão resolve tirar vantagem da situação de quase morte de Aparício e oferecer a mão da filha em casamento. Glauce Rocha vive "Inesita", par romântico do protagonista nesta divertida comédia.
Direção: Victor Lima. Elenco: Amácio Mazzaropi, Roberto Duval e Glauce Rocha. Comédia, 92min, 1957

Cinco Vezes Favela – 14 de março (quinta-feira)
Cinco Vezes Favela, de 1962, é considerado como uma das obras fundamentais para o advento do chamado Cinema Novo no Brasil. O filme apresenta cinco histórias separadas, cada uma delas com diferentes diretores: Marcos Farias, Miguel Borges, Cacá Diegues, Joaquim Pedro de Andrade e Leon Hirszman. Com produção de Leon Hirszman, Marcos Farias e Paulo Cezar Saraceni e, como produtora, o Centro Popular de Cultura (CPC) da União Nacional dos Estudantes. Trilha sonora composta por Carlos Lyra (segmentos "Escola de Samba Alegria de Viver" e "Couro de Gato"), Hélcio Milito (segmento "Pedreira de São Diego"), Mário Rocha (segmentos "Um Favelado" e "Zé da Cachorra") e Geraldo Vandré (segmento "Couro de Gato").

Primeiro episódio: "Um Favelado" - João é um morador da favela que é espancado por não tem como pagar o seu aluguel. Vagando em meio aos barracos ele acaba por pedir ajuda a um amigo. Esse o engana e o envolve num pequeno assalto. Com Flávio Migliaccio, Waldir Fiori, Isabela e Alex Viany. Direção de Marcos Farias.
Segundo episódio: "Zé da Cachorra" - Mostra a revolta de um líder da favela que se irrita com a passividade dos companheiros que se submetem às promessas e subornos de um milionário grileiro, interessado em construir um edifício no lugar, e que tenta impedir que novas pessoas venham morar no terreno. Com Waldir Onofre, João Angelo Labanca, Claudio Bueno Rocha e Peggy Aubry. Dirigido por Miguel Borges.
Terceiro episódio: "Escola de Samba, Alegria de Viver" - Jovem sambista assume a direção da Escola de Samba pouco meses antes do Carnaval, enfrentando problemas de dívidas, rixa com uma escola rival e discussões com a esposa, a cobiçada mulata Dalva. Com Abdias do Nascimento, Oduvaldo Viana Filho, Maria da Graça e Jorge Coutinho. Dirigido por Cacá Diegues.
Quarto episódio: "Couro de Gato" - Um grupo de meninos desce do morro para a cidade e rouba gatos com o objetivo de os venderem para fabricante de tamborins que utiliza o couro do animal. Perseguidos pelos donos dos felinos, os garotos acabam por perder os gatos, exceto um, que acaba por se afeiçoar pelo pequeno ladrão. Porém, como não tem nada para alimentar o bichano, ele acaba por vender o animal para o fabricante. Com Francisco de Assis, Milton Gonçalves, Cláudio Correia e Castro, Riva Nimitz e os garotos Paulinho, Sebastião, Damião e Aylton. Dirigido por Joaquim Pedro de Andrade. "Couro de Gato" foi realizado independentemente do longa e depois anexado como um dos segmentos. Antes de fazer parte do filme, o curta já havia ganhado vários prêmios e foi um dos primeiros sucessos internacionais do Cinema Novo.
Quinto episódio: “Pedreira de São Diogo” - Uma favela que se encontra em cima de uma pedreira corre o risco de desabamento em consequência de explosões de dinamites. Os operários, então, incitam os moradores a dar início a um movimento de resistência, para que não ocorra um desastre. Com Sadi Cabral, Francisco de Assis, Glauce Rocha, Joel Barcellos, Cecil Thiré e Jair Bernardo. Dirigido por Leon Hirszman.

Rio, 40 graus – 15 de março (sexta-feira)
O Rio de Janeiro na visão de cinco meninos de rua negros e pobres, que vendem amendoim em cinco pontos da cidade, contrastando-se com a riqueza de parte dos habitantes. A tensão diminui no escurecer, quando vão para o ensaio da escola de samba. O filme foi censurado pelos militares, que o consideraram uma grande mentira. Segundo o censor e chefe de polícia da época, "a média da temperatura do Rio nunca passou dos 39,6º C". Glauce Rocha liderou o movimento pela liberação do filme.
Direção: Nelson Pereira dos Santos. Elenco: Roberto Batalin, Glauce Rocha e Jece Valadão. Drama, 100min, 1955.

Fim de semana tem cover de Freddie Mercury e Whindersson
As atrações acontecem no Palácio Popular da Cultura, em Campo Grande. Confira outras dicas da Agenda Cultural....
Filhos e netos, os artistas mais importantes no palco
Escolas particulares de Campo Grande investem em grandes espetáculos para marcar o fechamento do ano letivo....



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.