A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

30/03/2013 08:30

No lugar de letreiros luminosos, chamariz para o comércio agora é o grafite

Anny Malagolini
Muro pintado pelo grafiteiro Diogo Zório (Verme)Muro pintado pelo grafiteiro Diogo Zório (Verme)

O grafite ganhou fama há décadas, mas agora anda colorindo com mais força as ruas de Campo Grande. Deixou os muros e ganha as fachadas comerciais. Bares, lojas e até estúdio de ioga se tornaram clientes de quem faz arte urbana com o grafite. Virou chamariz.

Veja Mais
Danielle Winits vive Marilyn Monroe em peça que estreia em janeiro na Capital
Fim de semana tem Naiara Azevedo e contação de histórias

Laureen Cury, dona do brechó “Gaveta”, quis inovar. Ao invés de um letreiro luminoso ou um outdoor convencional, fez do muro da loja uma tela em argamassa e tijolos.

“O espaço tem que ter um visual diferente, por ser ligado a arte, moda, comportamento. Aqui é um espaço que nasce das ruas, para unir os talentos amigos”, explica.

Ela conta que o desenho, uma menina, foi ideia do grafiteiro. “Eu pedi para que fosse feminino, e ele fez isso”

No lugar de letreiros luminosos, chamariz para o comércio agora é o grafite

Fama – A Rede Bob’s surpreendeu ao inaugurar uma lanchonete na avenida Afonso Pena com grafite fora do prédio, dentro, por todos os lados, assinado pelo artista plástico Bieto que criou, exclusivamente para a unidade, dois painéis. A ação faz parte de um projeto que pretende levar obras de arte para dentro das lojas e contribuir para a difusão da street art.. E a onda que já emplacou em grandes cidades, fica cada vez mais alta por aqui.

Com um painel gigante, o dono de uma loja de som para veículos na avenida Calógeras conseguiu chamar atenção com um enorme painel de 12 metros por 25, de fundo verde.

No paredão, o regionalismo de Helena Meirelles divide espaço com Elvis Presley e Jim Morrison. “A Helena me inspira é a minha Monalisa”, brinca o responsável, Sullivan Oliveira.

Desde os 16 anos, o dono do trabalho desenha por aí. Agora quer espalhar rostos de gente da cultura pela cidade, de Manoel de Barros a Bob Marley. "Pode ser em residência, em comércio, sempre há artistas que as pessoas se identifiquem", diz Sulivan.

Na loja de som, as personalidades foram escolhidas pelo dono que gosta de rock e viola, também para agradar os clientes, gente que investe em aparelhagem no carro, justamente, para ouvir músicas.

Além de uma homenagem e da propaganda, ele conseguiu se livrar das pichações. Quando abriu a loja há um ano, na semana seguinte foi surpreendido com a tinta preta na parede.

"Quero divulgar o prédio e já deu certo. Tem muita gente que para e tira fotos", conta o empresário Ademar Candido de Sá.

Estúdio de tatuagem na Calógeras com grafite de Guto Naveira.Estúdio de tatuagem na Calógeras com grafite de Guto Naveira.

Tatuagem – Guto Naveira, 32 anos, assina o grafite em um estúdio de tatuagens. Filho de Raquel Naveira, escritora reconhecida em Mato Grosso do Sul ele é do tipo plural. Faz ilustrações de livros, cria personagem, faz arte.

Guto morou em São Paulo por 12 anos e quando voltou já sabia das dificuldades que poderia encontrar aqui. "Aqui não tem marquises grandes, viadutos. Os artistas estão despreparados. Sem referencias. Tá cheio de vandalismo puro".

Para ele, o grafite é ideal para quem quer atrair pessoas, a forma mais saudável em uma cidade como Campo Grande.
“Estão percebendo que a arte no local de trabalho agrega. Muito mais que uma fachada luminoso ou um banner".

 

No Bob's, o grafite colore o fast food.No Bob's, o grafite colore o fast food.
Grafite na fachada de uma boutique, também feita por Guto.Grafite na fachada de uma boutique, também feita por Guto.



Muito bom!!! Parabéns pela matéria e acho importante todo mundo que valoriza o Grafite ir na audiência pública sobre pichação que ocorre na próxima quarta-feira 3 de abril na Câmara Municipal, às 19h. Um momento de expor essas alternativas pra cidade.
 
Elânio Rodrigues em 30/03/2013 20:58:34
Com o sucateamento do País logo estaremos escrevendo com carvão nas paredes!
 
Paulenir de Barros em 30/03/2013 19:45:03
Realmente essa arte me encanta, muito melhor que letreiros e luminosos, arte é assim mesmo, encanta, chama a atenção mesmo!
 
Lilian Oliveira em 30/03/2013 19:42:27
Acho louvável que outras formas de manifestação da arte, ganhem respeito e reconhecimento pela sociedade.

O grafite é a "parte visual" de um movimento artístico contemporâneo -- Street Art, arte da Rua -- que hoje, também se espalha para a Moda (o Street Fashion), a Música (o HipHop e Rap), Cinema, Teatro, etc.

No entanto, não vejo a adesão de empresários campo-grandenses como um repentino despertar para esse movimento artístico. Muito pelo contrário: enxergo uma tentativa desesperada desses empreendedores de tentarem evitar o dano à seus estabelecimentos.

Por dano, leia-se: pichações.

No underground, há um respeito das "gangues de pichadores" pelos "grafiteiros". Um código de honra que impede a "profanação" de muros grafitados.

Isso talvez explique essa tendência...
 
Teamajormar Almeida em 30/03/2013 14:50:09
È simplesmente lindo, fiquei sabendo Mario Katayama que tem um projeto para grafiteiros, não tenho detalhes, mas será ótimo para todos que querem expor sua arte.
 
Lucimar Bezerra em 30/03/2013 10:50:43
Daqui a alguns dias, algum vereador propõe uma lei para retornar os prédios às pinturas originais...
 
MÁRIO KATAYAMA em 30/03/2013 09:17:19
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.