A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

13/11/2014 20:30

Sepultamento de Manoel de Barros é tão simples como vida que desejou ter

Liana Feitosa e Paula Maciulevicius
Quando não havia silêncio, ouvia-se de sua bondade e suas histórias. Ouvia-se de sua poesia. (Foto: Marcelo Calazans)Quando não havia silêncio, ouvia-se de sua bondade e suas histórias. Ouvia-se de sua poesia. (Foto: Marcelo Calazans)

Simples, cercado de amigos e parentes. Assim como foram os 97 anos de vida, o poeta Manoel de Barros se despediu sem pompa, mas com amor. O caixão foi fechado às 18h10. Minutos depois, às 18h25, tudo já havia terminado

Veja Mais
Geraldo Espíndola com o "coração doído" diante da morte de Manoel de Barros
Presidente Dilma e Lula lamentam no Facebook morte de Manoel de Barros

Lágrimas, sim, mas predominaram as boas lembranças e silêncio reverente, quebrado apenas pelas palmas dedicadas ao poeta. Quando não havia silêncio, ouvia-se de sua bondade e suas histórias. Ouvia-se sua poesia.

Poesia com poder para atrair de pessoas simples a gente conhecida. Ali estava gente de destaque no cenário cultural de Mato Grosso do Sul, com cargos importantes, e muitos daqueles que o acompanharam nas fazendas do Pantanal. Amigos da lida no campo, como Fernando Martins Coimbra, o Mineiro, de 60 anos de idade, dos quais 54 foram dedicados ao poeta.

Dona Stella esteve ao lado de Manoel de Barros por 64 anos. (Foto: Marcelo Calazans)Dona Stella esteve ao lado de Manoel de Barros por 64 anos. (Foto: Marcelo Calazans)

Acostumado a trabalhar com o maquinário da fazenda, Mineiro conhecia mesmo era o Manoel pai. "Ele foi muito bom, um pai que nunca tive, patrão e pai. Ele gostava de contar piadas no meio dos peões, mas até no nosso meio, com os peões da fazenda, tinha poesia", compartilha.

"A gente vivia junto, era dentro de casa. Ele era esclarecido, bem estudado, mas não tinha frescura", conta Rosângela Aparecida de Souza Gomes, filha de uma cozinheira da casa do poeta e criada como filha por Manoel e dona Stella.

A catadora de recicláveis foi babá dos filhos deles, mas, tanto o casal, quanto filhos e netos, não tinham "essa coisa de empregados", diz. "Na escola comentava com as pessoas que era criada na casa de Manoel e as pessoas duvidavam", completa. Rosângela chegou ao velório muito emocionada, levou buquê de flores e a memória cheia de boas histórias.

Sobrinhos e netos de Manoel fizeram parte do cortejo. (Foto: Marcelo Calazans)Sobrinhos e netos de Manoel fizeram parte do cortejo. (Foto: Marcelo Calazans)

Como aconteceu em todas as idas para a fazenda e vindas para a cidade, ela acompanhou a família até o adeus final ao artista que, da fazenda, gostava também dos doces caipiras e do melado com queijo, como contam as irmãs Maria e Neuza que até pouco tempo ainda trabalhavam na casa da rua Piratininga.

O irmão Abílio Leite de Barros, de 85 anos, estava com a esposa, mas não acompanhou o fechamento do caixão e o enterro. Ao lado dele também estava dona Stella, a companheira de Manoel durante os últimos 64 anos, a filha do casal e cinco netos.

Adeus dos artistas - O poeta vai virar nome de parte da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras. Em dezembro, quando a sede própria da instituição for inaugurada na rua 14 de Julho, a academia fará a homenagem. "A obra de Manoel ficará para a posteridade. Ele passou toda a vida escrevendo uma região de uma forma que nenhum poeta conseguiu fazer", disse Reginaldo Alves de Araújo, presidente da academia.

À frente do cortejo, Rosângela, filha de cozinheira da casa de seu Manoel, foi criada por ele e dona Stella. (Foto: Marcelo Calazans)À frente do cortejo, Rosângela, filha de cozinheira da casa de seu Manoel, foi criada por ele e dona Stella. (Foto: Marcelo Calazans)

No entanto, as poesias de Manoel extrapolam a literatura. "Um dos maiores poetas do país, ele é único e especial. A obra dele ficará por muito tempo. Aqui as pessoas estão se despedindo do corpo, mas a alma do pantaneiro é um tesouro inigualável", afirma o artista plástico Humberto Espíndola.

Para o músico e compositor Paulinho Simões é muito difícil falar de alguém que falava tão bem. "Eu me calo e deixo a fala dos passarinhos", finaliza.

Manoel descansou da agonia gerada por não mais conseguir criar. Lamentava a inércia imposta pela idade avançada. Mas, velado, diziam parecer sereno, em paz. Já não estava mais com os óculos grandes, companheiros de uma vida de criação. Mas não farão falta. No céu, dizem que tudo é perfeição.

Manoel descansou da agonia gerada por não mais conseguir criar. (Foto: Marcelo Calazans)Manoel descansou da agonia gerada por não mais conseguir criar. (Foto: Marcelo Calazans)



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.