A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 02 de Dezembro de 2016

16/07/2014 08:52

Um rio de palavras

Por Karen Debértolis (*)

Buraco Quente é o mundo e, ao mesmo tempo, apenas uma cidade à beira de um rio doente. Neste lugar, grotão do planeta, entretecem-se, através dos fios das palavras de um narrador em primeira pessoa, histórias e relações carregadas de rudeza, delicadeza, complexidade e simplicidade. Tudo, na mesma medida, expande-se em tensões e calmarias numa narrativa que tem como temática principal a perda.

Veja Mais
Da droga à reabilitação, Zé Pretim sobe ao palco com banda e repertório afiado
Fim de semana tem cover de Freddie Mercury e Whindersson

O romance PEDRO, do escritor e jornalista Luiz Taques e publicado pela Kan Editora, desafia nosso fôlego emocional diante das ondulações de ritmo do texto semelhantes ao fluxo de um rio em sua vasta extensão.

A história concentra-se na longa carta que o irmão, em alto e bom som, escreve para Pedro após a morte do pai. É possível ouvir os tons de voz do narrador em seu desabafo com gosto de acerto de contas, rememorações do passado, reflexões sobre a vida, o mundo, a política, a intolerância, os conflitos sociais. As agruras do mundo são
meticulosamente expostas como feridas, a princípio intocáveis, através de metáforas utilizando elementos como os peixes que vivem naquele rio outrora tão fértil (“mulher é um animal de enfrentamento feito peixe tucunaré”) e a natureza (“ele é tronco de madeira, queria dizer que o camarada, ou a mulher, era uma pessoa resistente”).

Tudo converge para o rio. Pessoas, experiências, sentimentos, emoções, tudo navega ali no quintal aquático daquela cidade. Os peixes, além de alimento e sustento econômico, são ainda a constituição da alma daquelas pessoas. Mesmo doente e falível, um anti-herói de certa forma, o rio – “síndico ético” deste “enorme navio” que é a cidade e seus sujeitos – é a única salvação para cada habitante de Buraco Quente. Entre os sentimentos que o irmão vai mastigando de maneira amarga, estão o rancor do abandono – de Pedro para com a família, das irmãs mais moças em relação à vida ou da família de si mesma – e a traição.

Seja a traição do ponto de vista amoroso, que grassa no escuro da noite na cidade, ou em outros aspectos da vida cotidiana – como na política, por exemplo. À medida que a narrativa avança, as dúvidas surgem através dos comprometimentos de tantos nomes que a memória resgata de histórias mal contadas ou de boatos à boca miúda. As dúvidas também pairam sobre possíveis traições da mãe, que resiste bravamente diante das tristezas da vida como um “tronco de madeira avelhado”, e do pai, morto, e que agora mantém seu passado em mistério inacessível.

Estas incertezas, estes segredos que podem estar mantidos a sete chaves no guarda-roupas, o qual a mãe cuidadosamente tranca ao sair de casa, ecoam nas tantas histórias corriqueiras de pequenas e grandes traições de personagens diversos. Um dos motores da vida social da cidade. As rudezas da vida são abordadas com a delicadeza de um texto em que o exercício da linguagem é evidente. A narrativa segue aos borbotões, verborrágica e atraente. O narrador vai destilando memórias e observando os pequenos pecados do local. Como alguém onisciente e onipresente, entretece nestas linhas tortas outros conflitos que são universais e transformam Buraco Quente no mundo. E não mais na cidade poeirenta à beira de um rio doente que, aos poucos, perde seus peixes.

Em uma destas passagens lembra quando o irmão sonhava em levar a mãe para viver na cidade grande, longe do rio. Fazendo uma projeção, o narrador imagina a mãe definhando lentamente no árido espaço urbano. Uma imagem sintetiza em que poderia resultar este trágico deslocamento, o qual se repete em tantas famílias: “e, como aliança no anular, controle da tevê não escaparia mais da mão destra de mamãe”.

O olhar arguto e os ouvidos atentos de Luiz Taques, seu texto vigoroso e envolvente como a correnteza de um rio, são os ingredientes deste livro que faz um mergulho nas águas turvas das rudezas da vida.

(*) Karen Debértolis é jornalista e escritora em Londrina, PR.

O romance “PEDRO” (80 páginas, R$30,00) está à venda na livraria Le Parole: rua Euclides da Cunha, 1126 – Jardim dos Estados. O autor Luiz Taques nasceu em Corumbá, morou em Campo Grande e hoje reside em Londrina.

Fim de semana tem cover de Freddie Mercury e Whindersson
As atrações acontecem no Palácio Popular da Cultura, em Campo Grande. Confira outras dicas da Agenda Cultural....
Filhos e netos, os artistas mais importantes no palco
Escolas particulares de Campo Grande investem em grandes espetáculos para marcar o fechamento do ano letivo....
Sucesso na música depende de Deus ou de dinheiro na conta?
Empresários e produtores do mundo sertanejo estão escondendo o jogo ou são praticamente santos. Todo mundo diz que o negócio é pedir a Deus e ir com ...



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.