A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

10/07/2012 15:09

A bailarina, o saco plástico e um monte de gente sem entender nada no Centro

Ângela Kempfer
Viviane chega sem ser notada. (Fotos Minamar Júnior)Viviane chega sem ser notada. (Fotos Minamar Júnior)

Em pleno meio dia começa mais uma intervenção urbana no calçadão da Barão do Rio Branco. “Bom, pelo menos a gente para um pouco de correr”, diz a cabeleireira Ivone, que passou pelo Centro para tirar fotos 3X4.

Veja Mais
Poeta Ferreira Gullar morre aos 86 anos devido a problemas respiratórios
Com gorros de Papai Noel, artistas realizam performance contra calote de editais

Só por isso o programa já vale, concorda a gerente de loja que foi até à lanchonete da esquina buscar o salgado que vai servir de almoço. “Aqui todo mundo passa correndo para tudo, nem olha na cara dos outros”, comenta Suzane.

As pessoas passam tão desacostumadas a olhar para o lado, que algumas quase tropeçam na bailarina Viviane Madu, posta no meio da calçada, de roupas claras. É quase uma camuflagem, não fosse a “bagagem” nas costas, com espelho dependurado e dois megafones.

A pernambucana roda o Brasil com “Daquiprali”, com projeto financiado pelo Ministério da Cultura, falando de dança sem abrir a boca e nem sequer usar música. O único som audível é do burburinho no comércio e do vai e vem das pessoas.

Suzane e o irmão Luiz de olho na performance.Suzane e o irmão Luiz de olho na performance.
Joaquim e a esposa olham desconfiados a cena na calçada.Joaquim e a esposa olham desconfiados a cena na calçada.

Os movimentos lembram os caboclos de lança, personagens do Maracatu que simboliza a luta dos trabalhadores das lavouras de cana de açúcar.

“Se falasse isso antes para a gente, era mais fácil entender”, reclama a estudante Janiara, que ao lado da mãe parou para ver o que provocava uma pequena aglomeração na calçada.

O programa fica mais engraçado quando um senhor, com sotaque nordestino, outro megafone em punho e a indumentária de mesmas cores da bailarina chega ao local da dança falando palavras religiosas.

Quem vê, não sabe se o homem faz parte do espetáculo ou é um maluco tentando reforçar as fileiras da igreja pregando pelo Centro. O senhor de barba longa passa gritando, mal olha para a bailarina no chão e segue, como se não tivesse visto nada de diferente. Morador do Jardim Columbia, o homem confirma: “Nem reparei em nada”.

De repente, surge outra figura, que não faz parte do espetáculo.De repente, surge outra "figura", que não faz parte do espetáculo.

“É um doido, não faz parte da dança não”, ri Laudinéia Campos. Mãe de dois, ela levou Luis, de 7, e Suzane, de 5, para fazer compras e de brinde levou a apresentação.

A menina, assustada no início, escondida nas pernas da mãe, aos poucos vai se soltando e avalia. “Acho que é uma bailarina louca”.

É o que mais pensam os que passam por Viviane, já enrolada em um pedaço enorme de plástico. “Agorinha ela tava se retorcendo ali no chão, pensei que tava passando mal. Mas é só doida mesmo, só isso. Agora ta colocando árvore na cabeça”, narra com cara de espanto seo Joaquim, de 80 anos.

Depois da experiência com o público de Campo Grande, a produtora do espetáculo, Vânia Medeiros, diz que é assim mesmo. Em alguns lugares, as pessoas chegam a dançar com Viviane, mas em outros a maioria pensa que é loucura.

Amanhã, o espetáculo será no mesmo horário na esquina da Rua 13 de Maio com Avenida Afonso Pena




e chamam isso aí de arte?
é de dar pena...
 
André Luís em 11/08/2012 03:57:10
parabéns a artista pelo seu trabalho, isso é cultura, que Campo Grande tenha mais espetáculos de artistas urbanos, pois os espetáculos em locais fechados sempre é muito caro e com isso é inacessível a maioria da população q também merece conhecer arte cultura e desfrutar de momentos diferentes, pois violência e acidentes de trãnsito ja estão fartas. Q esta iniciativa não si perca.
 
Regiane Yasmim em 11/07/2012 10:05:18
Eu não vi, mas gostaria. É bom sair da rotina, quebrar o gelo, olhar sem maldade... talvez a garota tenha gosto pela dança, tenha amor pelo que faz, o que muitos de nós já perdemos. Não vou dizer "precisamos", mas eu 'preciso' sempre de doses diárias de amor... Trabalho e amo o meu trabalho, amo aqueles que participam do meu dia-a-dia. Loucos como nós, são poucos, mas... verdadeiros.
 
Jeniffer Katherine Nascimento em 11/07/2012 09:45:49
Vamos assistir então, afinal já pagamos o ingresso mesmo......
 
Ricardo Lopes em 11/07/2012 07:52:46
Muito boa a intervenção da artista em meio a loucura do dia-a-dia, em que as pessoas pouco importam com o que acontece à sua volta e muito menos com o meio. Provavelmente a proposta da bailarina seja essa, a de causar intriga no espectador, deixar dúvida. Será que não fazemos algo semelhante, guardadas as proporções? Como a presença negativa do plástico. Ainda há cultura pelas urbes país afora.
 
Alexandre Lobo em 10/07/2012 06:40:16
E com que finalidade a garota faz essa dança?e com que sobrevive?sem motivo algum !... eu gosto mais das estátuas vivas que algumas vezes estão em frente das lojas.
 
Teresa Moura em 10/07/2012 04:06:57
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.